MENU
Carbono
Classificao do Pinus
Colheita
Desdobro
Espcies
Geoprocessamento
Habitao
Manejo
Meio ambiente
Melhoramento
Mercado
Mercado-Europa
Mercado-Oferta
Nutrio
Painis
Pinus Tropical
Plantio
PMVA
Pragas
Preservao
Preservao
Qualidade
Resduos
Resinagem
Secagem
Silvicultura
Sispinus
Usinagem
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°68 - DEZEMBRO DE 2002

Pinus Tropical

Pinus Tropical

Quando se fala em florestas de pinus no Brasil, pensa-se logo em Paran, Santa Catarina,Rio Grande do Sul e sul de So Paulo. Ali se implantaram com os incentivos fiscais, a partir da dcada de 70, diversos macios de pinus sub-tropicais, das espcies elliottii e taeda. Os plantios em grande escala se interromperam em meados da dcada de 1980, devido ao trmino dos incentivos fiscais.

Segundo depoimento de. Jos Antonio Olimpio, responsvel pela rea de madeira e mveis do INDI - Instituto de Desenvolvimento Industrial de Minas Gerais, naquele estado grandes reas foram plantadas na mesma poca, mas devido vocao para siderurgia, consumidora de carvo vegetal, e celulose de fibra curta, houve uma predominncia de eucaliptus. Assim, esse Estado, ao lado de ter a maior floresta de eucaliptus do Brasil, com 1,6 milhes de hectares, possui ainda 143 mil hectares de pinus, hoje com idades que variam de 18 a 28 anos.

Em Minas Gerais as espcies que melhor se aclimataram foram os pinus tropicais, provenientes do Caribe e da Amrica Central, principalmente o oocarpa, o caribaea hondurensis e o caribaea caribaea.

Essa primeira gerao est mostrando que os pinus tropicais tem qualidades superiores ao taeda e o elliottii: maior densidade, boa formao, distncia entre ns, etc., e por esses motivos tm tido procura crescente por serrarias e laminadoras do sul do pas, tambm devido a crescente escassez de florestas em sua regio.

O mercado aceitou bem os clears e blocos dos pinus tropicais, e algumas fbricas de compensados vm dando preferncia a essas espcies na produo de laminados, tanto para capas como para miolo. As fbricas de fsforos s utilizam essas espcies tropicais, o mesmo ocorrendo com lpis e palitos.

As florestas de pinus em Minas Gerais esto concentradas em trs polos: um no Tringulo Mineiro, a 400 km a oeste da capital., outro no centro do estado, a 300 km ao norte de Belo Horizonte, e outro no vale do Jequitinhonha.

Como projetos de maior valor agregado que usam o pinus existente em Minas esto a Faber Castell (lpis), Satipel (aglomerados), A. Rella (Palitos Gina e produtos usados nos sorvetes Kibon), Caxuana (painis, blanks e molduras) e Florevale, em implantao no Jequitinhonha, com serraria, fbrica de painis e termeltrica a partir dos resduos de madeira.

Alm destes, no plo do centro do estado, com base nos municpios de Vrzea da Palma e Pirapora, existem vrias serrarias e laminadoras explorando macios florestais de expresso que no esto ainda vinculados a indstrias consumidoras, como o da Serra do Cabral, e comercializando serrados e laminados para mveis, construo civil, embalagens, etc.

Esse macio da Serra do Cabral Agro Indstria (SCAI), baseado em Vrzea da Palma, hoje com 18 mil hectares plantados, foi objeto de um extenso programa de desbaste. O resultado que a floresta, hoje com 25 anos de idade, est toda desbastada, com a maioria das rvores acima de 20 cm de dimetro, e um estoque de toras superior a 3 milhes de estreos, disponveis para venda a produtores de laminados e serrarias.

Incentivos Locais

As florestas da regio central de Minas Gerais esto desenvolvendo um programa de estmulo a instalao de unidades de laminao e serrarias, com o apoio das prefeituras locais, que oferecem terrenos gratuitos nos seus distritos industriais. Recentemente mais de uma dezena de fbricas se instalou na regio, atradas pela disponibilidade de toras de boa qualidade a longo prazo.

A regio est se tornando um plo fornecedor de toras, a exemplo do que ocorre com a Klabin, em Telmaco Borba, e a Pisa em Jaguariaiva. E a localizao no centro de Minas tem vrias vantagens: fica perto do mercado regional do sudeste, centro e nordeste do pas, e dos portos de exportao do Rio de Janeiro e Vitria, ambos com estrutura para containeres. Alm disso o clima seco permite a secagem ao ar com baixo grau de umidade. A tendncia de que a curto prazo a regio se transforme num plo de compensados, mveis e produtos slidos como molduras e blanks para exportao.

As indstrias de transformao que esto se instalando na regio de Pirapora e Vrzea da Palma gozam ainda das vantagens da SUDENE, que garante a iseno de 75% do imposto de renda durante 10 anos aps a instalao, alm de taxas subsidiadas de juros de financiamentos pelo Banco do Nordeste.

A fim de analisar as vantagens locacionais de uma indstria madeireira localizada no centro de Minas Gerais comparativamente com outras regies do Pas, foi desenvolvido um estudo baseado em dados da COPPEAD, da UFRJ.

Considerando uma indstria ou conjunto de indstrias produzindo 300.000 toneladas de produto acabado (MDF, OSB, compensados ou serrados de alto valor agregado) por ano, admitiu-se que essas indstrias gerariam um lucro lquido de US$ 50,00 por tonelada de produto acabado, e um imposto de Renda de US$ 15,00/ton. Como a iseno de 75% do imposto a pagar, a economia gerada numa localizao dentro da rea da SUDENE de US$ 11,25/ton, durante 10 anos.

Para comparar essa localizao, simbolizada como sendo em Vrzea da Palma, com uma indstria equivalente instalada no centro do Paran (com Guarapuava como plo), foi considerado que os outros fatores seriam equivalentes, tais como:

custo de transporte por rodovia de US$ 0,021 por t/km;

vendas, no caso de mercado nacional, para todos os Estados, proporcionalmente populao e renda per capita de cada Estado (ou seja, proporcionalmente ao PIB); no caso de exportao, considerou-se que a indstria localizada em Vrzea da Palma exportaria pelo porto do Rio de Janeiro e a de Guarapuava atravs de Paranagu;

Foram admitidas duas hipteses: uma de venda 100% para o mercado nacional, e outra de 100% para exportao;

As demais variveis, tais como investimentos fixos, custo da madeira, custos operacionais e no operacionais, seriam os mesmos, independente da localizao da indstria. Na realidade isto no ocorre, mas certamente h uma compensao entre as desvantagens da localizao em Minas Gerais (menor eficincia da mo de obra especializada, menor tradio industrial, etc) com vantagens como menor custo de madeira, da terra e da mo de obra, e os incentivos fiscais.

Consideradas essas premissas, chegou-se concluso de que na hiptese de vendas para o mercado nacional, a localizao em Vrzea da Palma propiciaria uma economia diferencial, devido ao frete e iseno do imposto de renda, de US$ 2.472.604 por ano em relao mesma indstria localizada em Guarapuava. Na hiptese de vendas para exportao, a vantagem diferencial de Vrzea da Palma seria de US$ 2.266.200 por ano em relao a Guarapuava , por exemplo.

As maiores florestas da regio j iniciaram seus programas de replantio, preparando-se para a segunda gerao de pinus tropicais. Com o aperfeioamento do desenvolvimento gentico e tcnicas modernas de plantio, espera-se que os rendimentos dessa segunda gerao de pinus tropicais se aproximem dos conseguidos no sul do pas.

O parque industrial moveleiro de Minas, explica Jos Antonio do INDI, destaca-se como o quarto do pas, em importncia. O setor responsvel por cerca de 30.000 empregos diretos, produzindo 6% do total nacional. Este volume no suficiente para o consumo local levando o Estado a importar 60% de suas necessidades, absorvendo 10% da produo brasileira. Entre os principais plos destacam-se a Zona da Mata (Ub e municpios vizinhos), Carmo do Cajur, a Regio Metropolitana de Belo Horizonte e o Tringulo Mineiro.

Maio/2003