MENU
Aplicaes
Densidade
Desbaste
Desdobro
Doenas
Editorial
Espcies
Manejo
MDL
Mercado
Mercado - Painis
Mveis
Nutrientes
Painis
Pragas
Resinas
Sementes
Silvicultura
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°99 - SETEMBRO DE 2006

Nutrientes

Quantificao da biomassa e nutrientes em povoamentos de pinus

As diversas espcies de Pinus atualmente plantadas nas regies sul e sudeste do Brasil so de introduo relativamente recente, por volta da dcada de 60, as quais visam principalmente substituir a madeira de Araucaria angustifolia, cujos povoamentos naturais achavam-se em rpido processo de exausto.

O Pinus taeda L. foi introduzido no pas principalmente em funo dos incentivos fiscais. Assim formaram-se diversos ncleos de povoamentos florestais, dentre estes, o da regio dos Campos de Cima da Serra, no estado do Rio Grande do Sul. Onde essa cultura tornou-se uma das principais atividades econmicas da regio, sendo responsvel pela maioria dos empregos gerados.

A madeira produzida por estas florestas, constitui hoje bases de importantes atividades industriais como produo de celulose e papel, embalagens, aglomerados, mobilirio, compensados, chapas dentre outras. Estima-se que a rea ocupada com o gnero Pinus de aproximadamente 1,8 milhes de hectares no Brasil. Na regio sul estima-se em 1 milho de hectares plantados, sendo 57% encontrado no estado do Paran, 30% em Santa Catarina e os demais 13% no Rio Grande do Sul.

Com o surgimento de novas tcnicas de produo em plantio de pinus, que visam o aumento da produtividade de biomassa em perodo reduzido, est ocorrendo aumento na demanda de nutrientes pelas plantas, a qual poder no ser satisfeita pelo solo, requerendo uma suplementao de nutrientes por meio de fertilizantes.

A exportao de nutrientes pela colheita florestal um dos fatores preocupantes a ser considerado na manuteno da produtividade dos stios. Principalmente em condies em que o solo possui baixo suprimento de elementos essenciais s rvores, sendo que exploraes intensivas em rotaes curtas, onde no h uma previso para reposio de nutrientes, tm sido apontadas como as maiores responsveis pelo esgotamento do solo.

Devido a isto, a quantificao da biomassa e da exportao de nutrientes em qualquer forma de ecossistema florestal de fundamental importncia para que se conhea a dinmica dos nutrientes nos diversos compartimentos do ecossistema, podendo-se assim, inferir indicadores de possveis impactos que algumas tcnicas silviculturais podem causar. Como por exemplo, os desbastes que muitas vezes so realizados retirando toda a biomassa do povoamento, seja a madeira como matria prima nas indstrias, bem como os resduos como fonte alternativa de energia, principalmente para substituir o leo combustvel das caldeiras nas indstrias, tendo assim, uma elevada exportao de nutrientes, prejudicando desta maneira, a sustentabilidade do stio florestal.

Com isso, o manejo eficiente de uma plantao florestal est ligado ciclagem de nutrientes, para que possa ocorrer um fluxo contnuo entre o que depositado no solo com a permanncia dos resduos da colheita e sua posterior decomposio e liberao de nutrientes, estes podendo assim ser assimilados novamente pelas razes das plantas.

Esse estudo do ciclo de nutrientes em uma floresta de importncia fundamental, possibilitando a previso de situaes que poderiam ser crticas a mdio e longo prazo, tanto em relao produtividade, como em relao s caractersticas do solo.

Portanto, o presente estudo teve por objetivo quantificar a biomassa e os nutrientes (N-P-K) contidos nas rvores desbastadas no primeiro desbaste de um povoamento de Pinus taeda L., com 9 anos de idade, no municpio de Cambar do Sul (RS). O clima predominante temperado mido, e o solo da regio Cambissolo Hmico alumnico tpico.

Para determinar a biomassa oriunda do desbaste fracionaram-se as rvores nos seguintes componentes: acculas (folhas); galhos vivos (verdes); galhos mortos (secos); casca comercial; madeira comercial; casca do ponteiro e madeira do ponteiro. Considerou-se ponteiro toda parte do fuste onde o dimetro era inferior a oito centmetros .

A quantificao da biomassa foi realizada com base na biomassa seca mdia de cada componente por classe de dimetro e nmero de rvores por hectare na respectiva classe. E a estimativa do estoque de nutrientes em cada componente das rvores foi possvel mediante o produto do teor mdio de nutrientes pela biomassa seca.

No quadro 1, esto apresentados os valores de biomassa dos diferentes componentes. A biomassa no primeiro desbaste (com densidade mdia de desbaste de 35,6%), foi de 35.706 kg ha-1. Sendo que, o componente madeira comercial corresponde mais de 60% da biomassa desbastada.

A distribuio dos componentes em ordem decrescente foi a seguinte: madeira comercial > galhos vivos > casca comercial > acculas > madeira do ponteiro > galhos mortos > casca do ponteiro.

Durante o primeiro desbaste, considerando que seja exportada do povoamento a madeira e a casca comercial, isso corresponder cerca de 30 Mg ha-1 da biomassa acima do solo. Sendo assim, 10 Mg ha-1 do total da biomassa do primeiro desbaste ser resduo que poder permanecer no interior do povoamento.

Os nutrientes encontram-se em maior concentrao no componente acculas, seguida pela casca do ponteiro, isso se deve a tendncia que a maioria dos nutrientes tm de concentrar-se nas estruturas mais novas da planta, onde h uma maior atividade metablica.

Teores de N-P-K, em g kg-1, nos diferentes componentes da biomassa do primeiro desbaste.

Os diferentes componentes da biomassa apresentaram composies qumicas estatisticamente distintas. Em relao ao teor de N, ocorre um domnio no componente acculas, tendo um teor estatisticamente superior que nos demais componentes. O menor teor de nitrognio foi encontrado na madeira comercial, que no diferiu da madeira do ponteiro.

Esse teor de N, bem superior nas acculas que nos demais componentes, devido a este elemento participar da maioria das reaes de metabolismo de compostos (aminocidos, protenas, aminas, amidas, vitaminas, etc), as quais tm seu stio de ocorrncia principal nas folhas, em virtude da ocorrncia da fotossntese.

Os teores de P apresentaram comportamento semelhante ao do N, possuindo estatisticamente o maior teor nas acculas e os menores teores na madeira (comercial e ponteiro) e galho morto, que no diferiram estatisticamente. A exemplo do nitrognio, o fsforo tem ampla mobilidade dentro da planta, e com isso ele tende a se concentrar nos rgos mais novos, no caso deste estudo no componente acculas. O K esteve mais concentrado nas acculas e casca do ponteiro, sem diferir estatisticamente e apresentou menores teores nos galhos mortos.

Estoque de N-P-K (kg ha-1), nos diferentes componentes da biomassa do primeiro desbaste.

O nitrognio, dentre os demais nutrientes, foi o que apresentou o maior acmulo na biomassa resultante do primeiro desbaste. A maior quantidade de N foi encontrado nos componentes acculas o qual, apesar de ter menos biomassa que a madeira comercial, galhos vivos e casca comercial, apresenta teores bem mais elevados.

As acculas, em virtude dos teores elevados de nutrientes e a madeira comercial e galhos vivos em virtude da maior biomassa, constitui-se nos principais componentes em armazenamento de nutrientes na biomassa, provenientes do primeiro desbaste.

A importncia em armazenamento para os nutrientes nos componentes da biomassa segue a seguinte ordem: acculas > madeira comercial > galhos vivos > casca comercial > madeira do ponteiro > casca do ponteiro > galhos mortos. Quanto magnitude de armazenamento dos elementos, a ordem foi a seguinte: N > K > P.

Aplicando-se um manejo silvicultural, que se opta pela permanncia dos resduos (madeira e casca do ponteiro, galhos vivos e mortos e acculas) no interior do povoamento, cerca de 60% do N, 55% do P, 54% do K, do total presentes nas rvores desbastadas permanecero no stio florestal, promovendo, assim, a ciclagem de nutrientes.

O sistema de explorao mais utilizado pelas empresas a retirada da madeira comercial juntamente com a sua casca, sendo esta, na industria, utilizada como material energtico nas caldeiras. Considerando que houve como efetuar outros tipos de sistemas de explorao em rvores oriundas do desbaste como, por exemplo, a retirada somente da madeira comercial e a permanncia de sua casca, junto com os demais resduos, isto acarretaria uma permanncia de: 72% do N, 66% do P, 67% do K.

Recomenda-se, a partir dos resultados encontrados neste estudo, que a remoo da biomassa de pinus, atravs da colheita florestal, envolva somente o componente madeira comercial, j que incluindo os demais componentes ocasionar, no primeiro desbaste, uma demasiada exportao de nutrientes. Podendo ento levar exausto do solo e impossibilitando futuras rotaes florestais nestes locais.

Schumacher, Mauro Valdir (schumacher@pesquisador.cnpq.br), 1Eng. Ftal Dr. nat. tech, Prof. do Departamento de Cincias Florestais CCR UFSM;

Bonacina, Darlan Michel (darlanbonacina@yahoo.com.br), Viera, Mrcio2 (vieraflorestal@yahoo.com.br) Acadmicos do curso de Engenharia Florestal UFSM