MENU
Especial China
Eucalipto
Financiamento
Mercado - Mxico
Molduras
Mveis e Tecnolgoia
No-Madeirveis
Novas Espcies
Queimadas
Resduos
Transporte
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°69 - FEVEREIRO DE 2003

Resduos

Aproveitamento de Resduos da Indstria da Madeira

Em meio a um mercado globalizado, busca-se hoje o desenvolvimento de novos materiais, que possam com eficincia substituir os j existentes, explorando-se claro as relaes custo-benefcio que possam vir a trazer.

O crescimento mundial da utilizao dos materiais polimricos, sejam eles termoplsticos ou termorrgidos, em substituio a outras classes, como metais, cermica e at mesmo a madeira, j uma realidade. A mistura fsica destas diferentes classes, tem aberto novos mercados, onde busca-se materiais com propriedades melhoradas a cada dia.

A incorporao de cargas minerais em compostos polimricos, prtica comum, pois estas, alm de conferirem propriedades mecnicas, trmicas e eltricas, agem de maneira a diferenciar propriedades de rigidez, mdulo de elasticidade, de temperatura de deflexo, resistncia ao envelhecimento, trao, e influenciam ainda na processabilidade do material e acabamento superficial do produto.

Com o passar dos anos estas cargas minerais, tais como carbonatos de clcio, talco, entre outras, encontraram nos materiais polimricos uma ampla gama de aplicaes e portanto j podemos encontrar escassez destes recursos, que passaram a ser aplicados sobremaneira nas indstrias de tintas e cremes dentais; que faz com que em determinadas pocas do ano, seu custo ser elevado e a oferta das mesmas diminuda.

Em contrapartida, novas cargas, podem ser aplicadas com eficincia vindo a suprir a demanda ora muito disputada por diferentes mercados. Assim, para aplicaes especificas e diferenciadas, na criao de novos materiais e produtos de diferentes aplicabilidades podem ser desenvolvidos materiais polimricos reforados por meio de farinha de madeira, uma carga orgnica, que encontra hoje disponibilidade de recursos.

Poderia se dar um exemplo apenas, de todas as aplicaes possveis aqui visadas; o PVC, um material em que se partindo da resina vinlica, pode ser aditivado das mais diferentes formas, obtendo-se os mais variados tipos de produtos. sabido que a incorporao da farinha de madeira neste polmero extremamente vivel, com propriedades que variam com relao a granulometria da carga empregada. No muito distante deste material, esta a aplicao, hoje muito efetuada em pases europeus, do PVC com madeira sendo utilizado para aplicaes estruturais e tambm em substituio a madeira convencional, pela semelhana que apresenta com tal, quando aditivado com resduos selecionados desta, alm de apresentar caractersticas ainda mais vantajosas, principalmente quanto a leveza, se comparado a madeira.

H dcadas o uso de madeira e outras fibras celulsicas tm sido empregadas extensivamente como carga para compostos termoplsticos e termofixos. At cerca de 15 anos atrs estes materiais eram utilizados em pequenas aplicaes especiais ou produtos de baixo valor agregado como materiais absorvedores de rudos em partes internas de carros.

Alm do PVC ser o segundo termoplstico mais consumido no mundo, sendo superado somente pelas poliolefinas. A demanda mundial de resina de PVC foi, em 2000, igual a aproximadamente 25 milhes de toneladas [1].

Os polmeros termoplsticos aditivados com p de madeira, encontram aplicaes em perfis extrudados, nas mais diferentes reas, sejam elas moveleira, automobilstica, refrigerao, construo civil, podendo ser citados produtos como: rodaps, molduras, divisrias, laminados, forros, esquadrias, assoalhos, etc; em moldados por injeo podem ser confeccionados: solados, recipientes, tampas, etc..; entre outros processos e produtos.

Metodologia

Escolha da granulometria da farinha de madeira mais adequada (produto x processo);

Tratamento (revestimento) da farinha de madeira;

Formulao (seleo de aditivos e percentual de farinha de madeira a ser utilizado);

Compostagem (Misturador);

Processamento (pr-definido: moldagem por extruso, injeo, etc...); e

Ensaios e avaliaes no produto acabado (averiguao de propriedades, aspecto visual, etc...)

As propriedades devem ser avaliadas de acordo com o produto e aplicao, no deixando de se avaliar a performance do mesmo durante seu processamento, pois o emprego destes tipos de cargas pode causar uma srie de problemas em processamento, associados com disperso das partculas da carga e caractersticas de fluxo resultante da mistura do composto.

No processo de compostagem de plsticos com farinha de madeira h uma srie de variveis que influenciam diretamente o processamento e acabamento superficial do moldado, bem como suas propriedades mecnicas.

O p de madeira tem uma significativa capacidade de absorver vrios aditivos polimricos, levando dessa forma a uma queda na processabilidade. A alta rea superficial das cargas de madeira e sua capacidade de absorver auxiliares de processamento e outros aditivos levam a caractersticas negativas de fluxo do fundido, promovendo fenmenos reolgicos como rugosidades na superfcie do moldado e fratura do fundido.

Diversas so as variveis que influenciam na processabilidade e no acabamento superficial, bem como as propriedades mecnicas do composto: tipo de madeira; granulometria do p de madeira; tipo de tratamento da madeira (secagem, pr-mistura sem/com agente de acoplagem), teor de aditivos (lubrificante, auxiliar de fluxo e modificador de impacto), valor K das resinas de PVC, etc.

De acordo com testes realizados, a farinha de madeira no composto pode chegar a at 60% em peso do composto, onde valores acima deste intervalo, o composto pode estar mais sujeito ao microbial e umidade. A concentrao ideal de aplicao cerca de 30 a 40% em peso.

Um outro quesito que o torna atraente como carga seu preo que, no Brasil, est em cerca de R$ 250,00 a R$ 350,00 a tonelada, dependendo da granulometria requerida, o que dependendo da formulao e do produto onde empregado, tem apresentado uma reduo de custo/ Kg, da ordem de 10 a 16 %, quando comparado a compostos comuns de PVC.



Andressa Dutra Banks

Engenheira de Materiais, Consultora Tcnica de Desenvolvimentos e Ps-Graduao (UFPR / Engenharia Florestal // UFSCar / Engenharia de Materiais.

Maio/2003