Voltar

Notícias

(GERAL)
Projeto prevê a criação de indústrias e geração de empregos
Na onda verde de investimentos no setor florestal no Rio Grande do Sul, com as apostas das empresas Stora Enso e Votorantim, Santa Maria também luta por um lugar à sombra das altas árvores de pinus e eucaliptos. Lugares da cidade e da região que hoje são campo aberto podem se tornar florestas no futuro. O primeiro passo para mostrar o potencial do centro do Estado foi dado por uma equipe da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Na tentativa de abrir caminho para a extração de madeira, foi elaborado, no fim do ano passado, o Plano Estratégico de Desenvolvimento Florestal: Região Central do Rio Grande do Sul. O projeto traz dados econômicos, sociais e ambientais das 28 cidades que fazem parte do Conselho Regional de Desenvolvimento (Corede Centro)

A pesquisa reúne informações importantes da região, como condições do solo, vias de transporte e clima. O levantamento revela que as 28 cidades têm 200 mil hectares para o plantio de florestas, cerca de 10% da área total da região. Até cinco anos atrás, as árvores de pínus e eucaliptos não chegavam a 1% do território. Conforme a UFSM, para aproveitar esse espaço, seria preciso investir R$ 314 milhões no plantio.

De acordo com o coordenador do estudo, professor Paulo Renato Schneider, os dados servirão de base para atrair investidores ao incentivar a instalação de indústrias, como as de celulose, móveis, placas de fibras de madeira e serrarias. "A região não tem tido muita oportunidade por falta de estudos". O professor estima a execução do plano no prazo de 20 anos, quando seriam investidos mais de R$ 4,5 bilhões para o uso da matéria-prima.

Plano deverá gerar emprego e dinheiro

O plano estratégico da UFSM e da prefeitura de Santa Maria mostra o que acontecerá na região se o projeto sair do papel. Com o investimento de R$ 314 milhões e a instalação de indústrias, poderão ser gerados cerca de 5 mil empregos diretos e 24 mil indiretos. O dinheiro que circularia na região aumentaria em R$ 2 bilhões o Produto Interno Bruto (PIB) - soma de toda a riqueza produzida - anual de 28 cidades. Atualmente, o PIB da região é de R$ 3,4 bilhões por ano.

Fonte: Mauren Rigo (Agência RBS)

Fonte:

Neuvoo Jooble