Voltar

Notícias

11
ago
2020
(PAPEL E CELULOSE)
Vendas de celulose devem aumentar no próximo trimestre

Apesar de notar melhora na área, companhia afirma que ainda é preciso manter cautela

Para o próximo trimestre, a Klabin, maior produtora e exportadora de papéis do país, já nota uma melhora nas vendas da divisão de celulose. Porém, de acordo com o diretor dessa área na companhia, Alexandre Nicolini, ainda é preciso manter cautela.

“Entramos o terceiro trimestre com uma visão mais cautelosa por se tratar de um período mais calmo pela sazonalidade do mercado, mas no mês de julho já notamos uma melhora na demanda em relação a junho. Houve um descolamento do preço do eucalipto de outras fibras curtas”, comentou o executivo, em teleconferência da companhia.

Nicolini afirmou que o mês de julho foi bem em vendas e agosto já teve preços estáveis na Europa e na China. O setor de papéis tissue permanece saudável, apesar da normalização após o “boom” na demanda no início da pandemia.

Para o segmento de papéis não revestidos, cujos estoques estão em recomposição, a previsão também é de um trimestre melhor. No entanto, o executivo diz que “é cedo para falar em aumento de preço”. “Será um trimestre mais estável. No quarto trimestre, podemos ver um mercado diferente se a tendência se sustentar”, comenta.

Alexandre também entrega que a companhia observa uma melhora no mercado interno e estabilidade do mercado externo. “Na China, tem reconstrução de estoques e na Europa, embora não haja reconstrução, as vendas estão melhores”, completa.

O diretor financeiro da Klabin, Marcos Ivo, destacou, no segundo trimestre, a diversificação de fibras, que, segundo ele, “trouxe maior resiliência para vendas da celulose”, além do bom desempenho da celulose fluff. Ivo apontou que, após o custo caixa unitário da celulose cair 13% no segundo trimestre, para R$ 690 por tonelada, o custo caixa do acumulado do ano deve ser parecido ao de 2019, com a parada para manutenção da fábrica de celulose, prevista para o último trimestre do ano, e a parada da unidade de Monte Alegre, em agosto.

PAPÉIS E EMBALAGENS EM ALTA

O segmento de embalagens teve alta de 7% no volume de vendas de abril a junho – feito que a companhia espera repetir no terceiro trimestre. “Tivemos um desempenho melhor do que o mercado. Houve um ligeiro crescimento no mercado de caixas, com recuperação em junho, e julho com demanda forte, sendo repetida em agosto. O terceiro trimestre deve mostrar um bom desempenho no mercado de embalagens”, destacou o diretor de Embalagem da empresa, Douglas Dalmasi.

Para Douglas, o desempenho desse setor deve ser forte neste trimestre, principalmente pelos incentivos econômicos do governo e o maior consumo em supermercados. “Estimamos também impulso no fim do terceiro trimestre e início do quarto trimestre pela Black Friday”.

De acordo com o executivo, o quarto trimestre também deve ser bom, com crescimento acumulado no ano. Já para 2020, ele observa que ainda há uma expectativa sobre como estará o cenário no Brasil, mas se houver crescimento da atividade econômica, esse segmento pode crescer mais do que o PIB (Produto Interno Bruto).

Fonte: Por CELULOSE ONLINE

Jooble Neuvoo