Voltar

Notícias

04
mar
2018
(GERAL)
3 passos para a lucratividade na ILPF dar certo, conforme a Embrapa

A Embrapa fez um estudo em Unidades de Referência Tecnológica e Econômica (URTE) com sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta em Mato Grosso e evidenciou 3 passos importantes para a lucratividade na ILPF dar certo.

Nós compartilhamos esse conteúdo, confira.

1 – A escolha da espécie

“A configuração de plantio tem que estar bem definida”, diz Miqueias Michetti, que é o analista do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

 “A escolha da espécie tem que ser feita de acordo com o mercado. Você vai ter para quem vender? E isso não vale só para as árvores. Estou falando de tudo. Não é em qualquer lugar que você pode planejar plantar soja, por exemplo”.

Ele ainda lista que é preciso ter logística, armazenamento e comercialização.

2 – A avaliação econômica

É a partir da escolha da espécie que se chega à avaliação econômica.

“Se você gastar mais no começo, a garantia de ter um bom resultado final é muito maior. Deixar de gastar com certos manejos no processo faz com que seu produto valha mais”, diz Mariana Takahashi, consultora de rede ILPF.

O estudo revelou que a ILPF é viável em termos econômicos.

E a lucratividade, conforme as 5 fazendas estudadas, foi de 0,20 a 3,70 reais para cada 1 real investido na produção.

Assim, o VPLA (Valor Presente Líquido Anual) – que é a receita por hectare a cada ano, variou de 152,40 a 2.175,00.

3 – O estudo do mercado

Se você estudou a espécie e viu a viabilidade econômica, resta saber sobre o mercado para completar os 3 passos importantes para um sistema ILPF dar certo.

O melhor resultado da pesquisa, por exemplo, foi da Fazenda Bacaeri, onde foi usado a Teca.

O bom preço da madeira e a existência de um mercado garantido para a produção foi que puxou a lucratividade e a renda do produtor local.

E para o eucalipto, no entanto, o resultado foi ruim para a Fazenda Brasil.

“Não houve um estudo de mercado. Mesmo o eucalipto que, teoricamente, seria uma madeira fácil de comercializar… Com a quantidade de madeira produzida, ele não teria nem onde usar na propriedade. Faltou estudo de mercado”, disse Mariana.

 

 

 

Fonte: Com informações da Embrapa/Celuloseonline

Neuvoo Anuncie RM