Voltar

Notícias

04
mar
2018
(INTERNACIONAL)
Queensland é um dos piores lugares do mundo para o desmatamento

O desmatamento ocorre mais em países pobres. Em lugares mais ricos, as árvores tendem a se multiplicar. A Austrália é uma exceção infeliz. A liberação de terras é desenfreada ao longo de sua costa leste, já que os agricultores aproveitam as leis solitárias para abrir espaço para que o gado alimente a Ásia. WWF classifica a Austrália ao lado de Bornéu e da Bacia do Congo como uma das 11 principais "frentes" do mundo para o desmatamento.

O pior dano ocorre no estado de Queensland, no nordeste, que tem mais árvores a cair do que lugares do sul, onde a agricultura está mais estabelecida. Foi responsável por mais da metade do desmatamento da Austrália desde a década de 1970. Atualmente, as escavadeiras estão mais ocupadas do que as que passaram por uma década. Eles extinguiram 395 mil hectares de floresta, incluindo grandes extensões de vegetação antiga, entre 2015 e 2016 - o equivalente a 1.000 campos de rugby por dia. Como parte de sua área florestal, Queensland está cortando árvores duas vezes mais rápido que o Brasil.


A Austrália perdeu quase metade da sua floresta nativa desde que chegaram os colonialistas britânicos, e grande parte do que resta é degradada. Por um tempo, pareceu que o desmatamento poderia chegar ao fim: no início dos anos 2000, vários governos estaduais aprovaram contas para reduzir o desmatamento. Mas na última década estes foram devolvidos em todos os estados. O desmatamento de Queensland aumentou mais do que o dobro, uma vez que os conservadores afrouxaram sua lei florestal em 2013, permitindo que os agricultores "cortem" as árvores em até 75% sem autorização. A vizinha Nova Gales do Sul recentemente promulgou uma regra similar.

Os conservacionistas culpam os poderosos lobbies agrícolas. Essas réplicas que controlam a liberação de terras elevam os preços dos alimentos e curam empregos. Os agricultores familiares lamentam que as árvores obstruam a grande maquinaria necessária para manter suas terras produtivas. Eles sabem que os campos vazios valem talvez cinco vezes mais do que os salpicados de vegetação. Em 2014, um terrateniente em Nova Gales do Sul assassinou um oficial de meio ambiente que estava investigando bulldozer ilegal. (As autoridades no estado estão examinando pelo menos 300 casos de desmatamento ilegal).

No entanto, o desmatamento eventualmente machuca também os agricultores, porque, sem árvores, o solo se esgota e se torna mais salgado. O desmatamento libera dióxido de carbono na atmosfera, estimulando o aquecimento global e reduz a precipitação regional. Talvez 45 milhões de animais tenham sido mortos em um arranjo de mata de Queensland entre 2015 e 2016. A perda de habitat trouxe muitas espécies, incluindo o koala, à beira da extinção. A Grande Barreira de Corais, que já está sofrendo de mudanças climáticas, também é prejudicada pelo sedimento extra lavado ao oceano, o que pode evitar que o coral seja fotossintetizado.

As leis florestais permissivas parecem especialmente estranhas, dado os bilhões de dólares que o governo gasta plantando árvores, lutando contra as mudanças climáticas e conservando espécies nativas. Em 2016, o governo trabalhista minoritário de Queensland tentou aprovar um projeto de lei para reforçar os controles sobre o desembarque de terras mais uma vez. Foi derrotado por um cabelo. Mas o Partido Trabalhista, que ganhou uma eleição estadual no final do ano passado, prometeu reintroduzir a legislação. Desta vez, ele possui uma maioria.

Fonte: Infosylva

Anuncie RM Neuvoo