Voltar

Madeiras brasileiras e exóticas

Vassourão-branco

Nome científico
Piptocarpha augustofolia

Descrição da árvore

Forma: árvore perenifólia, com 5 a 15m de altura e 20 a 40cm de DAP, podendo atingir até 30m de altura e 60cm de DAP, na idade adulta.
Tronco: quase reto e de seção cilíndrica a irregular. Fuste com 5 a 15m de comprimento; base normal nas árvores mais jovens e reforçada nas mais velhas.
Ramificação: em geral racemosa, esparsa, formando copa alta, alongada (umbeliforme nas mais jovens e flabeliformes nas mais velhas), paucifoliada, de folhagem cinza-clara muito característica, que vista de longe, toma um tom prateado muito evidente.
Casca: com espessura de até 20 mm. A casca externa é cinza-clara a esbranquiçada e quase lisa nas árvores jovens, a castanho-acinzentada, rugosa, reticulada e estriada, com descamação inconspícua a pulverulenta nas árvores adultas e freqüentemente coberta por liquens; apresenta lenticelas protuberantes no sentido horizontal em aglomerados (Ivanchechen, 1988). A casca interna é grossa e de cor quase preta, muito característica, com estrias amarelas, que com a oxidação tornam-se pretas; textura arenosa e estrutura compacta e heterogênea.

Características da Madeira
Massa específica aparente: a madeira do vassourão-branco é leve (0,40 a 0,57 g/cm³), a 15% de umidade.
Cor: alburno não diferenciado do cerne, de cor bege e macio.
Durabilidade natural: baixa, até dois anos.
Outras características
A descrição anatômica da madeira desta espécie pode ser encontrada em Teixeira (1977).

Espécies Afins
Entre as várias espécies arbóreas do gênero Piptocarpha que ocorrem no Brasil, destacam-se principalmente: Piptocarpha tomentosa Baker, conhecida por vassourão-do-graúdo, e Piptocarpha axillaris (Lessing) Baker, conhecido por vassourão-preto. Ambas ocorrem na Floresta Ombrófila Mista (Floresta com Araucária) no Sul e no Sudeste do Brasil e se diferenciam de Piptocarpha angustifolia, pela tamanho das folhas e cor das flores: as duas primeiras espécies apresentam folhas maiores e flores amareladas.

Produtos e Utilizações
Madeira serrada e roliça: pode ser usada em construção civil, tabuado, caixotaria e em obras internas; chapas de madeira compensada e aglomerada; mourões de curta duração.
Energia: lenha de qualidade razoável. Poder calorífico de 4.667 kcal/kg; lignina com cinza de 23,28% (Wasjutin, 1958).
Celulose e papel: espécie recomendada para polpa e papel. Comprimento das fibras de 1,23 mm (Wasjutin, 1958)

Ocorrência Natural
Latitude: 22º30' S (Rio de Janeiro) a 29º30' S (Rio Grande do Sul).
Variação latitudinal: de 400m (Santa Catarina) a 1.200m de altitude (Santa Catarina).

Anuncie RM Neuvoo