Voltar

Madeiras brasileiras e exóticas

Jacarandá-da-bahia

Jacarandá-da-bahia

Nome científico
Dalbergia nigra

Descrição da árvore
Forma: árvore semicaducifólia, com 10 a 20m de altura e 15 a 45cm de DAP, podendo atingir excepcionalmente até 35m de altura e 155cm de DAP, na idade adulta (Leão & Vinha, 1975).
Tronco: tortuoso e irregular. Fuste com até 10m de comprimento.
Ramificação: cimosa, irregular. Copa larga, achatada e densifoliada.
Casca: com espessura de até 7 mm. A casca externa é pardo-acinzentada, áspera, longitudinalmente subdividida em pequenas placas verticais retangulares finas e largas, descamando aos poucos e com muitas lenticelas horizontais e estreitas. A casca interna é avermelhada.

Características da Madeira
Massa específica aparente: a madeira do jacarandá-da-bahia é densa, bastante variável, entre 0,75 a 1,22 g/cm³, mas, normalmente, entre 0,80 a 1,00 g/cm³, a 15% de umidade (Pereira & Mainieri, 1957; Mainieri & Chimelo, 1989; Paula & Alves, 1997).
Cor: alburno varia de branco a amarelado, comumente bem demarcado. Cerne geralmente pardo-escuro arroxeado, com listras pretas; às vezes bege-rosado, com reflexos alaranjados e com listras típicas.
Características gerais: superfície lisa ao tato e irregularmente lustrosa; textura fina, oleosa, um pouco áspera; grã varia de reta a irregular. Cheiro agradável e pouco intenso, muito peculiar da espécie; gosto adocicado.
Durabilidade natural: madeira muito durável, de alta resistência ao ataque de organismos xilófagos em condições favoráveis ao apodrecimento.
Tratamento preservante: madeira de permeabilidade baixa à penetração de soluções preservantes, mesmo em tratamento sob pressão.
Trabalhabilidade: fácil, com bom acabamento e alto polimento natural. Alguns exemplares são, por vezes, muito oleosos, dificultando o polimento (Carvalho, 1990).

Espécies Afins
Das espécies brasileiras, Dalbergia spruceana Bentham, conhecida por jacarandá-do-pará, é a espécie mais próxima do jacarandá-da-bahia.

Produtos e Utilizações
Madeira serrada e roliça: a madeira do jacarandá-da-bahia, por ter retratibilidade média, resistência mecânica entre média e alta e, sobretudo, pela aparência típica e agradável, é indicada para confecção de móveis de luxo, folhas faqueadas decorativas para painéis, revestimento de móveis, caixas de rádio e televisor (antigamente), peças torneadas, cabos de escovas, cabos para peças de cutelaria, para entalhe, marchetaria, peças de adorno, mesas de bilhar, carroçaria; em construção civil, como caibro, forro, ripa, tabuado, taco e vigamento. É usada, também, na fabricação de instrumentos musicais e de caixas de pianos.
Energia: lenha e carvão de boa qualidade.
Celulose e papel: espécie inadequada para este uso.

Ocorrência Natural
Latitude: 13º15' S (Bahia) a 22º50' S (São Paulo).
Variação latitudinal: de 30m no Espírito Santo a 1.700m de altitude, no Rio de Janeiro.

Neuvoo Anuncie RM