Voltar

Madeiras brasileiras e exóticas

Baru

Nome científico:
Dipteryx alata

Descrição da árvore
Forma: árvore perenifólia a levemente caducifólia (Guarim Neto, 1986), com 5 a 10 m de altura e 15 a 40 cm de DAP, podendo atingir até 20 m de altura e 70 cm de DAP, na idade adulta.
Tronco:tortuoso. Fuste curto, até 15 m de comprimento.
Ramificação: dicotômica e irregular. Copa baixa, larga, com esgalhamento grosso e folhagem verde-brilhante.
Casca: com espessura de até 15 mm. A casca externa é áspera, escamosa e levemente fissurada. A casca interna é esbranquiçada.

Características da Madeira
Massa específica aparente: a madeira do baru varia de densa a muito densa (0,90 a 1,20 g.cm³), a 15% de umidade (Mainieri & Primo, 1971).
Cor:o alburno é de coloração branco-amarelada. Cerne castanho-amarelado, de aspecto fibroso atenuado, realçando estrias claras das linhas vasculares.
Características gerais:superfície pouco lustrosa compacta; grã irregular e reversa. Cheiro e gosto imperceptíveis
Durabilidade natural: madeira com alta resistência ao ataque de organismos xilófagos, em condições favoráveis ao apodrecimento. Estacas de cerne dessa espécie mostraram-se ser altamente resistentes a fungos e a cupins (Cavalcante et. Al., 1982). A vida média da madeira de baru, em contato com o solo é inferior a 9 anos (Mucci et al., 1992; Rocha et al., 2000).
Outras características: madeira muito semelhante à do faveiro (Pterodon pubescens Bentham), com as mesmas aplicações. Características anatômicas da madeira dessa espécie podem ser encontradas em Mainieri & Primo (1971) e em Mattos (1999).

Espécies Afins
O gênero Dipteryx Schreber reúne treze espécies distribuídas principalmente na Amazônia e na América Central. Dessas, onze espécies ocorrem no Brasil (Ducke, 1948).
A espécie mais próxima de D. alata é seu par vicariante, D odorato (Aubl) Wolld., conhecida por cumaru e cumaru-verdadeiro. Ocorre na Amazônia Legal, do Acre ao Maranhão, tanto em mata de terra firme como em mata de várzea, chegando até a Floresta Ombrófila Densa (Floresta Atlântica), em Pernambuco.

Produtos e Utilizações
Madeira serrada e roliça: a madeira de baru é indicada para obras hidráulicas. Também pode ser usada na construção de estruturas externas como estacas, estieos, postes, cruzetas , mourões, dormentes, carrocerias e em pontes; construção naval construção civil, como esteios ripas, caibros, tacos de assoalho, marco de porta e janelas, tacos, forro, lambris; em implementos agrícolas, moenda manual para cana, centro de rodas e tornearia (Mainieri & Chimelo 1989).
Energia: lenha de boa qualidade.
Celulose e papel: pode ser empregada na fabricação de papéis para rápida impressão, papéis de embrulho e de embalagens (Andrade & Carvalho, 1996).

Neuvoo Anuncie RM