MENU
Adesivos
Bioenergia
Carbono
Construo
Editorial
Esquadrias
Eucalipto
Manejo Florestal
Marketing
Mercado-Mveis
Mrito Exportao
Painis
Preservao
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°97 - JUNHO DE 2006

Mercado-Mveis

Mercado de mveis movimenta US$ 200 bilhes por ano

A produo mundial de mveis est estimada em US$200 bilhes, e o comrcio mundial em US$53 bilhes. Os principais produtores de mveis so pases desenvolvidos, e respondem por 76% da produo mundial, sendo Estados Unidos, Itlia, Alemanha, Canad, Frana e Reino Unido responsveis por 64% desta parcela. Alm de grande produo Estados Unidos e Alemanha juntamente com Japo e Frana so os maiores importadores mundiais (US$30,6 bilhes), o que representa 57% do total, portanto a elevada produo e importao, revelam o elevado consumo interno.

Os principais exportadores so Itlia, Alemanha, Canad, Estados Unidos, e juntos respondem por 40% do total mundial. Os mercados consumidores mais importantes e respondem por 80% do consumo mundial so Estados Unidos, Alemanha, Frana, Itlia, Inglaterra, Japo e Espanha. E a demanda vem crescendo, o que est viabilizando o crescimento da indstria e o aumento da participao de pases em desenvolvimento no comrcio mundial.

Os pases que apresentam consumo aparente maior que sua capacidade produtiva e que, portanto, demonstram grande necessidade de importao so Estados Unidos, Frana, Alemanha, Espanha, Japo (que no tem parque industrial moveleiro). A evoluo das importaes demonstra um crescimento de 38% na demanda, e o principal mercado em expanso Estados Unidos, seguido de Reino Unido e Canad. Os 10 maiores importadores absorvem 78% das importaes mundiais.

No Brasil o setor moveleiro caracteriza-se, pela juno de diversos tipos de matrias-primas, produzidos por distintas cadeias produtivas. Alm disso, as empresas se especializam em alguns tipos de mveis: cozinha, banheiro, sala, quarto e complementos. Os mveis de madeira, que so a maioria da produo do setor, so segmentados em dois tipos: retilneos e os torneados.

Os retilneos so lisos, com desenhos simples de linhas retas e a matria-prima principal so painis de madeira em geral. Os torneados renem detalhes mais sofisticados de acabamento, misturando formas retas e curvilneas, cuja principal matria-prima a madeira macia. Podem tambm ser utilizados painis de MDF, passveis de serem usinados.

No segmento de mveis artesanais h grande presena de micro e pequenas empresas que utilizam alguns equipamentos de tecnologia madura, e bastante trabalho artesanal, e focam os produtos para o mercado regional. No nicho de mveis seriados, as empresas de maior porte atuam ou produzindo mveis padronizados em massa. Elas visam um mercado de menor poder aquisitivo, ou produzem mveis customizados voltados para mercado intermedirio de preos. Mas, independente do nicho de atuao estas empresas maiores produzem em escala e aplicam tecnologia mais avanada.

A indstria moveleira faz parte do chamado setor tradicional da economia, cujo padro tecnolgico determinado pelos fornecedores de mquinas e equipamentos. Os principais pases fornecedores destes equipamentos so Itlia e Alemanha, que alm de produtores de bens de capital so grandes produtores e consumidores mundiais de mveis e a estreita cooperao entre ambas indstrias permite constante incremento tecnolgico.

Processo produtivo

O processo produtivo no contnuo, e a modernizao/automatizao possvel em algumas etapas da produo e, dependendo do tipo de move, a possibilidade de automatizao maior mveis de painis de madeira retilneos. comum encontrar nas empresas mquinas modernas coexistindo com mquinas mais obsoletas. Outra fonte de inovao para o setor so os fornecedores de insumos, ou seja, indstria qumica, petroqumicas (plsticos, tintas, materiais para acabamentos BP, FF e outros) e fornecedores de chapas de madeira.

Alm da inovao tecnolgica e insumos, as inovaes realizadas internamente pelo setor baseia-se principalmente no produto, atravs do aprimoramento do design; nos processos organizacionais, atravs de novas formas de gesto e de processos; e em modificaes das estratgias comerciais, distribuio e de marketing. Porm quando se modifica um destes fatores, os outros tambm so afetados e rearranjos, acomodando todos os fatores em um novo patamar competitivo. Um exemplo a introduo do MDF, este novo material mudou bastante a forma de atuao das empresas e possibilitou o acesso de algumas empresas a um nicho de maior valor agregado.

As empresas que trabalham com mveis seriados, atravs da adoo deste novo material, passam a produzir mveis mais elaborados, uma vez que o MDF permite usinagem, e linhas de produo bastante automatizadas. Antes estas empresas empregavam apenas chapas de aglomerado, que no permitem tais trabalhos.

Com um produto mais elaborado, algumas empresas buscaram uma nova forma de comercializao, implementando assim sistemas de franquias ou fazendo integrao a jusante, aumentando sua apropriabilidade do valor gerado pela cadeia moveleira, passando a no depender do varejo convencional, o que alm dos ganhos econmicos, permite maior proximidade aumentando assim o entendimento das necessidades dos consumidores, facilitando, portanto, o acesso as informaes que so essenciais para um desenvolvimento de produtos adequado.

Na cadeia global, o Brasil se insere como produtor e a eficincia produtiva e preo baixo do produto o principal fator competitivo. Esta a forma de insero para a maioria dos pases. J a Itlia agrega grande valor em seus produtos por meio do design e alcana renda maior pelo mvel diferenciado. Taiwan, por exemplo, desenvolve linha de produtos de maior valor agregado em mercados poucos explorados e o foco em mveis de metal composto com outros materiais com grande diversidade de estilos.

Estratgias internacionais

Basicamente so trs as estratgias genricas de atuao para as empresas de sucesso internacional: diferenciao do produto; baixo custo, estratgias intermedirias.

Devido elevada capacidade de desenvolvimento de produto e design, a indstria italiana o principal centro de referncia de lanamento de produtos e tendncias e os produtores de todo o mundo seguem estas tendncias. A principal feira de mveis a de Milo onde encontram-se todos os estilos, desde o design mais clssico at as chamadas experimentaes.

A indstria italiana que trabalha neste segmento de alto valor agregado, onde o design do mvel se aproxima da arte, utilizam mistura de materiais com a madeira, conseguem praticar preos mais elevados sendo assim premiadas pelo esforo inovador.

Estas empresas so bastante focadas e se concentram no desenvolvimento dos produtos e do design, internalizando apenas a parte final do processo produtivo, acabamento e montagem. O restante obtido de fornecedores de componentes e partes. Portanto, um modelo de produo horizontal que privilegia a flexibilidade to necessria para que as empresas possam atender s variaes de demanda e as mudanas dos estilos dos mveis.

As empresas italianas so pequenas, 30.000 empresas tm menos de 10 funcionrios, apenas 35 mais de 200, e aproximadamente 9.000 entre 10 e 200 funcionrios. As empresas menores produzem as partes e componentes que so fornecidos para as maiores. A principal matria-prima utilizada so os painis de madeira reconstituda, madeira slida apenas para mesas, cadeiras e componentes. Os principais produtos so mveis de madeira e estofados, em que lder de mercado e mveis de metal.

As empresas se concentram em determinadas regies, onde se formam sistemas locais de produo. Nos ltimos anos as empresas esto em um movimento para diminuio de custos de produo. Por isso, elas tm subcontratado a produo das partes e componentes de pases da Europa Oriental. L, o custo da mo-de-obra menor, e as restries ambientais tambm. Porm, as empresas menores esto perdendo mercado para os mercados de baixo custo produtivo.

Indstria alem

As empresas alems seguem outro modelo produtivo, porm, seguem a mesma tendncia de subcontratao de parte e componentes para regies de baixo custo. O principal mercado o de mveis para cozinha e o principal nicho atendido o de valor intermedirio.

As empresas so substancialmente maiores do que as italianas, num total de 1200, e trabalham com tecnologia de ponta e alto volume de produo, qualidade elevada, mas design menos desenvolvido, em comparao Itlia.

O setor conta com a proximidade de empresas de base tecnolgica que so as responsveis pelo desenvolvimento da tecnologia utilizada nas indstrias moveleiras, o que representa um facilitador para a atualizao tecnolgica. A principal matria-prima utilizada madeira slida com certificao de manejo e procedncia.

Mveis franceses

A indstria francesa a terceira maior produtora de mveis da Europa e sexta maior exportadora, e o modelo produtivo parecido com o alemo, em que predominam empresas maiores e verticalizadas. Apresentam diferencial competitivo em mveis de cozinha e estofados, porm um mercado que importa bastante, 1/3 do consumo provm de importao.

Indstria americana

O modelo seguido pelas empresas dos Estados Unidos prximo do modelo alemo de produo, empresas maiores que realizam subcontratao de partes para diminuio dos custos produtivos, porm muitas empresas tm instalado suas fbricas em pases onde h menor custo produtivo, um exemplo a Ashley Co., terceira maior produtora do mercado americano que tem planta produtiva no Brasil. As vendas externas dos Estados Unidos se concentram em mveis de metal, segmento em que maior exportador.

No modelo mexicano tm-se as maquilladoras, que so empresas dos Estados Unidos que montam unidades produtivas no Mxico para se apropriarem da vantagem em custo da mo-de-obra mexicana, estas empresas importam temporariamente produtos para serem processados e reexportados ao mercado de origem. Estas empresas tm a produo concentrada em dormitrios, salas de jantar e de estar (estofamentos em geral e estrados so exemplos de partes de produtos que demandam trabalho manual intensivo).

China

A insero da China tambm ocorre por preos, e configura-se como o grande expoente de crescimento no comrcio internacional, dobrou sua participao de 95 a 99, e se concentra na produo de mveis de madeira e assentos. Possui plantas produtivas que fabricam elevados volumes, e em comparao com o Brasil possui vantagem de ter acabamento superior, no segmento de mveis de painis reconstitudos. A China concentra suas exportaes para os Estados Unidos, sendo seu segundo maior mercado o Japo. H um grande movimento de empresas estadounidenses abrindo unidades produtivas na China para aproveitamento das vantagens em custos.

Brasil

O Brasil utiliza madeira slida para o mercado externo (pinus principalmente) e atua em mercados de valores intermedirios e de baixo custo, mas em ambos segmentos o preo o fator determinante, e um dos problemas em aumentar o volume exportado est na deficincia das empresas na qualidade do acabamento.

Apesar de no ter design prprio que identifique o mvel procedente do Brasil, os produtores tm capacidade de produo com custos baixos e uma certa flexibilidade que permite respostas rpidas s encomendadas realizadas pelos compradores globais.

As empresas apresentam capacidade produtiva, mas no dominam capacidades tecnolgicas, e no acessam o mercado internacional diretamente, ou seja, dependem da indstria de base de outros pases para absorver tecnologia de processos e dos agentes de exportao para colocao do produto no mercado global.

As principais empresas exportadoras esto localizadas em So Bento do Sul, e as maiores empresas que atuam no mercado interno localizam-se principalmente em Bento Gonalves, RS. Elas trabalham com mercado de valor intermedirio atravs dos mveis modulares, e canais prprios de comercializao. Em Arapongas (PR) e Mirassol (SP) concentram-se empresas que trabalham com mveis padro comercializados no varejo convencional, assim como aquelas localizadas em Ub MG.

Internacionalizao

A Dinamarca, na dcada de 50, foi o primeiro pas a se voltar ao mercado externo, e manteve-se como lder at a dcada de 70 quando o comrcio internacional se ampliou de forma significativa e a Itlia passou a ser o principal exportador. A comercializao internacional sempre esteve marcada pela forte presena dos pases desenvolvidos. Mas, nos ltimos anos com o crescimento do comrcio internacional e a elevada demanda de pases como EUA, Reino Unido e Canad favoreceu a entrada dos pases em desenvolvimento.

Porm, o preo mdio de mercado do mvel tem diminudo, segundo principalmente devido a este movimento de novos entrantes no mercado. Isso proporcionou um aumento da competio internacional, e tambm maiores possibilidades de descentralizao, dos produtores do primeiro mundo, pela subcontratao internacional, o que gera diminuio dos custos. Alm disso, tem-se um aumento da eficincia produtiva, atravs de novas formas de gesto da cadeia de fornecimento, desenvolvimento tecnolgico e utilizao de novos materiais. Por outro lado, a presso devido ao movimento de concentrao do varejo.

Nos Estados Unidos este processo de concentrao mais intenso que na Europa, e a maioria dos fabricantes esto interligados a grandes empresas varejistas nacionais e internacionais. Outro movimento do varejo o aumento em todo o mundo, principalmente na Europa, das lojas de desconto e lojas especializadas que vendem mveis funcionais RTA (ready to assemble)/DIY (do it yourself) de uma mesma marca e estilo.

A demanda por mveis tem elevada elasticidade-renda, e devido a isto um setor sensvel s variaes conjunturais da economia, portanto bastante afetada com recesses, mas tambm responde rpido quando h aumento pequeno na renda. Isto sinaliza um grande potencial de crescimento em pases em desenvolvimento que estejam com a economia aquecida. Devido a isto alguns mercados tm se mostrado interessante para os produtores brasileiros como Rssia e Emirados rabes.

Os atuais destaques em termos de crescimento de participao no comrcio internacional so China e Mxico que aumentaram em 162% e 100% respectivamente, e com um menor crescimento Polnia, Repblica Tcheca e Brasil (com 21%, 30% e 5%). Estes so os pases em desenvolvimento que figuram entre os 20 maiores exportadores mundiais. Outros pases da sia como Indonsia e Malsia tambm so exportadores.

A competitividade dos produtores dos pases em desenvolvimento decorrente em grande parte pelo baixo custo da mo-de-obra. Porm apenas isto no os leva a participar da cadeia produtiva global. Outros fatores importantes como processos produtivos eficientes com adoo de tecnologia avanada, atendimento aos padres exigidos, atendimento e entrega rpida, so importantes pois, qualificam os produtores. Porm, neste setor o fator ganhador de pedido ainda o preo.

Estes produtores dependem dos compradores que detm os canais de comercializao, marca e design. Portanto, normalmente a relao dos produtores de subordinao aos compradores que detm os ativos estratgicos desta cadeia produtiva. Este o modelo tpico de produo destes pases; e nesta relao se destaca a figura do agente de exportao.

Existem duas formas principais de participao na cadeia produtiva global. A primeira quando a empresa diretamente prospecta mercados e desenvolve clientes, e a segunda atravs dos contatos das companhias de comrcio (tradings companies). Esta segunda forma a mais comum devido aos menores riscos, custos e dificuldades.

Fica claro que as atividades dos produtores ficam restritas s reas tecno-produtivas, enquanto que os traders e os compradores se responsabilizam pela rea comercial. Ento o controle da cadeia produtiva fica nas mos dos compradores que possuem os canais de comercializao e distribuio dos produtos nos grandes mercados. Portanto h uma forte assimetria de poder entre as partes, devido a importncia dos ativos possudos e pela diferente concentrao entre os elos.

A outra forma de acessar o mercado, diretamente, mais arriscada e demanda maiores investimentos de tempo e dinheiro, mas algumas empresas com apoio APEX/SEBRAE vm prospectando mercados e buscando diretamente com compradores e distribuidores menores colocar seus produtos. Neste tipo de relao normalmente a empresa produtora coloca sua marca no produto, portanto o produtor deve investir tambm no marketing de sua marca no exterior. Este tipo de experincia tem apresentado resultados positivos principalmente para o mercado da Amrica Latina, onde o perfil do consumidor mais parecido com o consumidor do mercado brasileiro.

Competitividade

A grande mudana na indstria de mveis global a massificao do consumo. O setor, ao longo de sua histria, vem perdendo o carter artesanal. Esta modificao resultado dos ganhos de produtividade devido ao desenvolvimento tecnolgico, as novas matrias-primas. H tambm o mercado de alto valor agregado que dominado por empresas que tem elevada competncia em design, principalmente italianas.

O desenvolvimento tecnolgico advm das indstrias de bens de capital que atravs de interao com a indstria de mveis desenvolve equipamentos atendendo as necessidades do setor. A grande inovao em relao ao maquinrio foi a substituio dos equipamentos eletromecnicos por mquinas e equipamentos com dispositivos microeletrnicos.

O maquinrio com CNC so os grandes expoentes de modernizao nas plantas fabris, juntamente com a utilizao de sistemas CAD. Na Itlia e na Alemanha onde a indstria de bens de base bastante desenvolvida tem-se a produo dos melhores e mais desenvolvidos maquinrios para o setor.

Porm apesar de existir estes equipamentos de ponta, que no Brasil so utilizados pelas empresas maiores, em se tratando da produo de mveis torneados, ainda existe elevada aplicao de trabalho manual no incio e nas etapas finais do processo produtivo, principalmente montagem e acabamento. Portanto o peso da mo-de-obra no custo final do produto relevante.

Outra mudana importante na demanda dos consumidores, principalmente nos pases desenvolvidos, onde a mo-de-obra cara, so os mveis funcionais que dispensam a figura do montador. Com isto o design deve ser pensado e concebido dentro dos padres do it yourself (DIY) e ready to assemble RTA. Alm disso, h aumento da demanda por mveis para espaos pequenos que tenha vrias funes.

Portanto a vantagem competitiva atravs do design no visa s a esttica, mas engloba praticidade, diminuio do consumo de matria-prima, garantia de manufaturabilidade com reduo de tempo de fabricao e aumento da eficincia na fabricao, que seja ecologicamente correto em termos de descarte produtivo e do prprio material empregado, e ainda traga solues para a vida dos consumidores.

Outros aspectos ligados a produto e produo que merecem destaque so: acabamento, prazo de entrega e assistncia ps-venda. De forma geral os fatores relevantes de competitividade para as empresas que comandam a cadeia produtiva global de mveis residenciais de madeira no esto diretamente ligados ao setor produtivo, mas sim com a posse dos canais de distribuio, o que pode ser verificado pela atuao dos grandes compradores globais.

Fonte: FINEP/Financiadora de Estudos e Projetos (RJ)/ Ministrio da Cincia e Tecnologia: Renato Garcia e Flvia Gutierrez Motta.