MENU
Amrica Latina
China
Editorial
Estados Unidos
Europa
Exportaes
ndia
Leste Europeu
Logstica
Oriente Mdio
Ranking
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°96 - MAIO DE 2006

Oriente Mdio

Pauta diversificada incrementa parceria com rabes

A diversificao marcou os negcios entre Brasil e Oriente Mdio no incio deste ano. A Arbia Saudita importou principalmente carnes de frango e bovina, acar e madeira. Os Emirados compraram carnes de frango e bovina, produtos de madeira e papel; o Lbano bois vivos, carne bovina e caf e o Egito carne bovina, papel e fumo. A pauta comercial apresenta boas oportunidades para o setor nos primeiros meses de 2006, sinalizando um ano promissor.

As exportaes do Brasil para os pases rabes cresceram 30% em fevereiro de 2006 em comparao ao mesmo ms do ano passado. Os brasileiros faturaram US$ 395 milhes com vendas para as 22 naes da Liga rabe no ltimo ms, um aumento de US$ 90,6 milhes. Em fevereiro de 2005, a receita que o pas teve com exportaes foi de US$ 304 milhes. "Como sempre o mercado rabe superou as expectativas", diz o presidente da Cmara de Comrcio rabe Brasileira, Antonio Sarkis Jr. A projeo feita pela entidade para o crescimento das exportaes em 2006 de 20%.

As exportaes do agronegcio brasileiro para os pases rabes renderam US$ 201,8 milhes em fevereiro e ficaram um pouco abaixo do total registrado no mesmo ms do ano passado, que foi de US$ 202,5 milhes. Os dados so do Ministrio da Agricultura. As exportaes em geral, porm, aumentaram em 30% e chegaram a US$ 395 milhes em fevereiro de 2006, o que demonstra um crescimento dos embarques de bens manufaturados.

Os principais clientes do agronegcio no ms foram a Arbia Saudita (US$ 74,7 milhes), Emirados rabes Unidos (US$ 20,3 milhes), Somlia (US$ 17,9 milhes), Egito (US$ 17,4 milhes) e Lbano (US$ 9,7 milhes). A grande surpresa foi a Somlia, que aumentou em 183% suas importaes . O acar respondeu pela totalidade dos negcios com o pas africano.

No bimestre, os embarques do setor renderam US$ 443,7 milhes, ante US$ 444,8 milhes no mesmo perodo de 2005. Os principais destinos foram Arbia Saudita (US$ 125,8 milhes), Emirados (US$ 70,6 milhes), Egito (US$ 59,5 milhes), Marrocos (US$ 46 milhes) e Somlia (US$ 23,2 milhes).

Alm da Arbia Saudita, tambm a Somlia aumentou bastante as suas importaes do Brasil. O pas africano saiu de compras de US$ 6,5 milhes em fevereiro de 2005 para US$ 17 milhes no ltimo ms. Tanto que ocupou o quarto lugar como maior importador do Brasil, em receita, entre os rabes. "Exportamos commodities para a Somlia", diz Michel Alaby, secretaria-geral da Cmara de Comrcio rabe Brasileira . De fato, praticamente todo o aumento e tambm o valor exportado pelo Brasil ao pas rabe se deve a embarques de acar.

O ranking dos maiores importadores rabes de produtos brasileiros de fevereiro tem a Arbia Saudita no topo, seguida do Egito, com US$ 68 milhes, dos Emirados rabes Unidos, com US$ 39 milhes, da Somlia, e do Marrocos, com US$ 13,7 milhes. Entre os que mais aumentaram as compras em percentuais, porm, esto pases que ainda no fazem compras significativas, como o Djibuti, cujas vendas cresceram 1.187%, mas ficaram em apenas US$ 309 mil.

Tambm Ilhas Comores aumentaram as compras em 235% para US$ 188 mil. J o Sudo comprou 627% a mais, mas o volume foi de US$ 2,9 milhes. "O Sudo vem mantendo um crescimento constante nas suas importaes do Brasil", diz Sarkis.

O comrcio do Brasil com os pases rabes cresceu 28,3% no ano passado e alcanou US$ 10,5 bilhes, resultados de exportaes brasileiras de US$ 5,2 bilhes e importaes de US$ 5,3 bilhes. . No acumulado dos ltimos 12 meses, as exportaes ficaram em US$ 5,4 bilhes, com alta de 32,1% sobre o ano anterior. Em 2004, a corrente comercial entre o Brasil com o mundo rabe ficou em US$ 8,192 bilhes. Os dados so da Secretria de Comrcio Exterior do governo federal.

O presidente da Cmara de Comrcio rabe Brasileira, Antonio Sarkis Jr., comemorou o resultado. "O comrcio est equilibrado. O crescimento das exportaes e importaes foi praticamente o mesmo", disse Sarkis. As exportaes brasileiras para os pases da Liga rabe aumentaram 29%, enquanto as importaes cresceram 28% no ano passado.

Em 2004, o Brasil faturou US$ 4 bilhes com vendas para os rabes e gastou US$ 4,1 bilhes com compras de produtos da regio. "O dficit foi o mesmo tambm", lembrou Sarkis. Assim como no ano passado, em 2004 o comrcio com os rabes tambm foi deficitrio para o Brasil em cerca de US$ 100 milhes.

A corrente comercial cresceu em US$ 2,3 bilhes no ano passado, dos quais US$ 1,17 bilho correspondeu a exportaes brasileiras e US$ 1,15 bilho a importaes. "Superamos as expectativas. No se previa um crescimento to grande", disse o secretrio-geral da Cmara rabe, Michel Alaby. No comeo do ano de 2005, a Cmara rabe estimava aumento de 13% para as exportaes brasileiras ao mundo rabe. A meta foi elevada para 20% no decorrer do ano.

Fatia rabe

Tambm aumentou a participao do mercado rabe nas exportaes brasileiras: de 4,18% em 2004 para 4,41% no ano passado. "Cresceu 5,5%", afirmou Alaby. O secretrio-geral destaca como um dos principais fatores para o aumento das vendas para as naes da Liga rabe a elevao dos preos do petrleo. "Com o aumento do preo do petrleo, os pases rabes acumularam mais divisas e puderam aplicar o dinheiro em importaes. Os pases cresceram em funo do petrleo".

O presidente da Cmara de Comrcio rabe Brasileira tambm destacou a realizao da cpula dos pases rabes e sul-americanos, que ocorreu no ano passado em Braslia, como um dos fatores que impulsionaram o comrcio. O encontro reuniu lderes governamentais e empresariais das duas regies. "Hoje os rabes conhecem mais o potencial brasileiro. Estamos comeando a ser conhecidos no mundo rabe pela qualidade e competitividade de nossos produtos", disse Sarkis.

Alaby enfatizou o empenho da Cmara rabe na promoo do comrcio. De acordo com o secretrio-geral, a entidade participou de 17 eventos no mundo rabe e recebeu mais de 200 empresrios rabes no Brasil no decorrer de 2005. Para 2006, as projees continuam sendo positivas.

As exportaes do agronegcio brasileiro bateram um novo recorde e chegaram a US$ 43,6 bilhes no ano passado. O valor significou aumento de 11,8% ou US$ 4,5 bilhes sobre 2004, quando o setor faturou US$ 39 bilhes com vendas externas.

O saldo comercial alcanou US$ 38,4 bilhes, 12,6% superior aos US$ 34,1 bilhes de 2004. O agronegcio respondeu por 37% das exportaes totais brasileiras no ano passado.

Os produtos que mais contriburam para o aumento das vendas externas, segundo o Ministrio, foram carnes (31%), acar e lcool (49%), caf (42%) e papel e celulose (17%). O crescimento desses produtos compensou as perdas do complexo soja, cujo valor exportado caiu 5,7% por causa da queda de 15% nos preos. As exportaes do complexo ficaram em US$ 9,476 bilhes em 2005.

Perspectivas

Diversificao de mercados e ampliao da pauta de exportaes. Esses so os principais objetivos da Cmara de Comrcio rabe Brasileira para 2006, depois que o Brasil atingiu os US$ 10,5 bilhes na corrente comercial com os pases rabes em 2005. O resultado superou a previso feita no incio do ano e gerou um crescimento de 28,3% em relao a 2004, quando a corrente comercial entre brasileiros e rabes somaram US$ 8,2 bilhes.

Em 2005 o equilbrio das contas externas entre as duas regies foi mantido. As exportaes brasileiras para os pases rabes totalizaram US$ 5,2 bilhes, um crescimento de 29% em relao a 2004, enquanto as importaes do Brasil tiveram um aumento de 28%, alcanando a cifra de US$ 5,3 bilhes.

Os nmeros so grandiosos, cerca de 66% das exportaes brasileiras para os rabes esto relacionadas ao agronegcio 34% de todo acar e 23% da carne bovina exportada pelo Brasil foi enviada aos pases rabes. Do lado das importaes desses pases 92% referem-se a compra de petrleo.

A pauta das exportaes brasileiras para os mercados rabes, porm, j est amadurecida vide a diversificao de produtos, cerca de 1900 dos mais variados setores. Por exemplo, h o crescimento da venda de produtos com maior valor agregado, como veculos, motores, avies, calados e mquinas agrcolas, entre outros. Da mesma forma, existe uma demanda cada vez maior entre os rabes por servios em reas em que a experincia brasileira reconhecida, como na construo civil.

A evoluo no comrcio bilateral tambm fez com que as 22 naes que compem a Liga rabe respondam, juntas, pela quinta colocao (4,4%) entre os maiores destinos das exportaes brasileiras, atrs apenas de Estados Unidos, Argentina, China e Holanda. Os rabes ainda ficaram frente de pases como Alemanha, Mxico, Chile, Japo e Itlia.

Do volume total de US$ 5,2 bilhes exportados pelo Brasil para os pases rabes, a liderana entre os maiores compradores da Arbia Saudita, com US$ 1,2 bilho, seguida de Egito (US$ 868 milhes), Emirados rabes Unidos (US$ 728 milhes), Marrocos (US$ 414 milhes) e Arglia (US$ 384 milhes). Esses cinco pases mantiveram no ano passado a posio obtida do ranking de 2004, mas com diferentes taxas de crescimento.

No entanto, alguns pases, apesar do volume ainda reduzido em nmeros absolutos, apresentaram grande crescimento na importao de produtos brasileiros. o caso do Catar que aumentou em 180% a aquisio de

itens fabricados no Brasil. As exportaes brasileiras tambm tiveram incremento expressivo para a Lbia (83%), Imen (52%), Kuwait e Comores (50%), alm do Sudo (42%).

No caso das importaes brasileiras, destacam-se a Arglia, com US$ 2,8 bilhes em vendas ao Brasil, seguida de Arbia Saudita (US$ 1,3 bilho), Iraque (US$ 523 milhes) e Marrocos (US$ 311 milhes).

Em termos relativos, a lista de importaes brasileiras tambm registra forte crescimento na compra de produtos originrios de Om (aumento de 2.348%), Sria (957%) e Imen (467%). Todas essas variaes comprovam como os empresrios brasileiros e rabes procuraram aproveitar as oportunidades oferecidas por cada pas, consolidando os espaos conquistados e buscando ampliar mercados onde existia essa possibilidade. Esse movimento tende a se intensificar neste ano.