MENU
Amrica Latina
China
Editorial
Estados Unidos
Europa
Exportaes
ndia
Leste Europeu
Logstica
Oriente Mdio
Ranking
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°96 - MAIO DE 2006

Estados Unidos

Estados Unidos lidera importaes brasileiras

Das exportaes brasileiras de produtos de base florestal os Estados Unidos continuam sendo o principal mercado importador. A grande participao est no segmento de madeira, onde no ltimo ano as vendas externas a este pas atingiram quase 50% dos 3,03 bilhes exportados. No segmento de mveis a participao dos Estados Unidos tambm muito expressiva , atingindo 39% do total exportado no ltimo ano de US$ 1 bilho. No segmento de celulose os Estados Unidos o mais importante mercado comprador, com 20% do total exportado, embora com menor concentrao.

No caso da madeira, os Estados Unidos um grande importador de diversos itens. A madeira tropical tem forte demanda nos Estados Unidos, e os produtos manufaturados ou com valor agregado, se destacam entre as oportunidades de negcios, bem como decking, pisos e mveis. O decking de madeiras tropicais representa 1% dos US$ 3 bilhes do mercado residencial de decking nos Estados Unidos. Esse mercado dominado por madeiras domsticas, a maioria tratada quimicamente para prolongar sua vida til. A madeira no tratada, com durabilidade natural, atualmente representa 14% do mercado de decking. As duas tendncias mais importantes que afetam o mercado de decking nos Estados Unidos so o desenvolvimento de novos materiais, como plstico, e as mudanas nas leis federais relacionadas s madeiras tratadas quimicamente.

Visando obter sucesso no mercado dos Estados Unidos, os fornecedores devem desenvolver seus produtos de maneira a atender s demandas dos consumidores nos Estados Unidos. Os produtores devem avaliar a combinao de fatores de mtodos de produo, necessidades tecnolgicas e servios que deveriam ser oferecidos no mercado. Vrios fatores so considerados para o mercado de decking, entre eles as dimenses, a secagem e o acabamento.

Quanto s dimenses, importante ter uma margem de erro para os produtos demandados. Por exemplo, para fornecer uma madeira para decking de uma polegada por quatro polegadas, o mercado de decking requer uma dimenso real maior, 1,25 por 4,25. Isso ocorre para compensar perdas na madeira durante o processamento final, em funo de variaes dimensionais e de ajustes durante a instalao. Para efetuar a secagem no necessrio possuir secador artificial (estufas), uma vez que a umidade da madeira para decking normalmente varia entre 15% e 25%.

Para o acabamento existem mais oportunidades para decking com maior valor agregado, como, por exemplo, os que possuem encaixe (macho-fmea) com acabamento anti-derrapante e bordas arredondadas.

Considerando que qualquer processamento possui um custo maior nos Estados Unidos, os fornecedores podem aproveitar a oportunidade para serem pr-ativos em atender demanda, oferecendo o decking j com essas opes de acabamento. Entretanto, fornecer tal servio requer tecnologia e mo-de-obra adequados para atender s especificaes requeridas pelo mercado. As novas regras federais relacionadas aos preservantes de madeira tambm influenciam o mercado de decking.

O CCA (Arseniato de Cobre Cromatado) a substncia qumica mais comumente empregada para preservar a madeira de decking nos Estados UNidos. Devido a preocupaes com a sade humana, o governo federal exigiu que as empresas do setor eliminassem o uso do CCA. A madeira tratada com a substncia alternativa prefervel, conhecida como ACQ (Quaternrio de Cobre Amoniacal) aproximadamente 20% mais cara que a tratata com CCA.

Esse aumento no custo poderia redirecionar ainda mais as compras para alternativas de decking mais durveis. Muitas madeiras tropicais so excelentes matrias-primas para decking, possuindo vrias caractersticas favorveis. Elas so naturalmente durveis e no requerem preservantes qumicos ou qualquer outro tratamento. Alm disso, so geralmente esteticamente atraentes. As principais desvantagens das madeiras tropicais no mercado de decking so os altos preos e a falta de consistncia e confiabilidade no suprimento das madeiras nas classificaes necessrias. Atualmente, a madeira tropical de ip a mais empregada no setor de decking nos Estadso Unidos. uma madeira ideal para essa aplicao porque durvel e requer pouca manuteno.

Essas caractersticas certamente ajudaram a madeira de ip a atingir o sucesso, mas um grande e caro esforo de marketing feito pelos importadores na ltima dcada foi o principal responsvel pela criao de seu mercado. Outras espcies comuns no mercado de decking so cambar, massaranduba e cumaru. Essas madeiras tm caractersticas similares ao ip, mas so menos conhecidas. Os importadores expressaram uma resistncia para iniciar o uso de espcies menos conhecidas num futuro prximo.

Muitas empresas notaram os grandes esforos feitos para promover espcies como o ip e recusaram a idia de redirecionar os esforos de marketing quando justamente os investimentos passados comeam a dar retorno. Muitos esto preocupados com o fato de que ao se aplicar recursos para promover outras espcies, pode-se estar causando um impacto negativo no crescente mercado para o ip.

Apesar dessa relutncia por parte dos importadores, o sucesso de madeiras alternativas (como o ip) no mercado de decking ir criar, no futuro, oportunidades para outras espcies menos conhecidas. Isso particularmente verdade para aquelas espcies que podem funcionar como substitutas diretas no que diz respeito a preo, aparncia, durabilidade e facilidade de instalao.

Mveis

O mercado de mveis nos Estados Unidos movimenta aproximadamente US$ 75 bilhes por ano. Semelhante a outros mercados de produtos manufaturados, as espcies domsticas exercem um papel predominante, enquanto as madeiras tropicais tm dificuldade em competir com as madeiras de alta qualidade e baixo preo encontradas na Amrica do Norte. Os fornecedores mais bem-sucedidos so aqueles que se concentram tanto em espcies com atributos nicos como em espcies mais tradicionais usadas no mercado de mveis. Entretanto, os importadores tambm notam que produtores tropicais freqentemente se prejudicam pela incapacidade de fornecer, de forma contnua, as classificaes de madeira especificadas.

O mercado de mveis, como outros j mencionados, est seguindo a grande tendncia de mudar sua produo para outros pases, como a China. Somente a China, atualmente o principal fornecedor de mveis para os Estados Unidos, responsvel por US$ 4,27 bilhes dos US$ 12,2 bilhes movimentados anualmente no mercado de importao de mveis. Parte do crescimento das exportaes chinesas de mveis alimentado pela importao de matria-prima para processamento. Outros pases que detm uma fatia significativa do mercado so Indonsia, Malsia e Brasil.

A mudana na produo de mveis usando espcies norte-americanas e tropicais dos Estados Unidos para a China tem vrias conseqncias para fornecedores tropicais. Ela cria oportunidade para produtores tropicais entrarem no mercado chins, visto que as indstrias na China sero utilizadas para atender tanto demanda domstica como demanda internacional. Alm disso, essa mudana pode estimular uma aceitao mais ampla de madeiras de espcies menos conhecidas nesse mercado, uma vez que importadores chineses so menos resistentes a utilizar tais madeiras.

Isso porque a China no tem um mercado de mveis com fortes preferncias por parte dos consumidores. No entanto, fabricantes de produtos de florestas bem manejadas certificadas tero menor possibilidade de diferenciar seus produtos, j que o mercado para produtos de florestas bem manejadas na China praticamente inexistente. H uma preocupao crescente com madeiras obtidas ilegalmente que esto sendo enviadas para China para processamento, afetando todos os produtores que enviarem seus materiais para esse pas.

Mudanas no mercado de produtos de valor agregado criam algumas oportunidades interessantes para produtores de madeiras tropicais. A durabilidade natural sugere que muitas espcies tropicais so aptas ao mercado de decking dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, os mercados de pisos e mveis sofrem profundas mudanas com a produo sendo transferida dos Estados Unidos para a China. Essa tendncia faz surgir oportunidades para introduo de espcies menos conhecidas, no entanto h uma menor conscincia entre os produtores chineses sobre os benefcios de florestas bem manejadas e sobre a certificao florestal.

Mercado

Os Estados Unidos importam cerca de 1,7 milho de m de madeira tropical, sendo 80% compensado e o restante predominantemente madeira serrada. Ao menos h 217 nomes comerciais para espcies de madeira tropicais importadas pelos Estados Unidos. Em vez de utilizarem nomes cientficos, importadores normalmente agrupam um gnero ou vrias espcies diferentes com propriedades similares sob um nico nome comercial. Por exemplo, virola (Virola sp), meranti (Shorea sp) e ip (Tabebuia sp) so todos grupos de espcies sob um nico gnero.

Devido a popularidade de trs espcies latino-americanas de mogno (Swietenia sp), comerciantes adotaram mogno como um nome comercial que descreve madeiras distintas mas, com caractersticas semelhantes por exemplo, o mogno das Filipinas (Shorea sp) e o mogno africano (Kaya sp). Esse documento utiliza o nome espcie em termos cientficos e madeiras ou nomes comerciais como uma referncia mais ampla aos vrios nomes sob os quais madeiras tropicais so comercializadas nos Estados Unidos. A maneira mais indicada para evitar tal confuso efetuar uma correspondncia entre o nome cientfico e o nome comercial, conforme mostrado acima.

A Amrica Latina exporta a maior variedade de madeiras tropicais para os Estados Unidos com 99 tipos, seguida pela sia com 65 e frica com 53. A vasta maioria das madeiras importadas da Amrica Latina utilizada no mercado de madeira serrada. As importaes asiticas e africanas so caracterizadas por uma poro igual entre madeira serrada e compensado.

H uma maior diversidade de tipos de madeira no mercado de produtos slidos em relao ao de compensado, devido nfase nas propriedades estticas e na existncia de diversos nichos de mercado, incluindo os segmentos de mveis, pisos, portas, cozinhas e armrios.

Uma pesquisa feita com 23 empresas americanas importadoras constatou que a maioria importa entre um a 20 nomes comerciais ao mesmo tempo. Poucas empresas comercializam mais que 40 tipos de madeira, enquanto somente uma empresa comercializa mais que 50 espcies.

Embora essa empresa apresentasse o menor volume de vendas, em geral, quanto maior a empresa, maior o nmero de espcies importadas. Com base nas entrevistas com importadores, mogno (Swietenia macrophylla), jatob (Hymenea sp), ip (Tabebuia sp) e roxinho (Peltogyne sp) so os nomes comerciais mais freqentes. As espcies sob esses nomes comerciais so originrias da Amrica Latina e so utilizadas no mercado de madeira serrada e produtos slidos.

Dentre as 20 madeiras mais freqentes apenas cinco so utilizadas no mercado de compensados. Os produtos de compensado mais comumente comercializados so feitos de meranti (Shorea sp), virola (Virola sp) e keruing (Dipterocarpus sp). No entanto, os importadores indicaram que gr, acabamento, cor e densidade so caractersticas mais importantes do que a escolha da espcie na deciso de compra de compensados.

Das empresas entrevistadas, somente uma compra regularmente madeiras menos conhecidas gerenciando um total de mais de 90 madeiras tropicais. Outras empresas indicaram que raramente adquirem madeiras menos conhecidas devido falta de volume e dificuldade de encontrar clientes interessados em adquirir madeiras que no sejam nomes comerciais j estabelecidos.

Tendncia

Tendncias recentes sugerem que h uma flexibilidade crescente no mercado de madeira tropical. Por exemplo, existe um mercado robusto para teca (Tectona grandis) apesar de essa espcie ser comercializada em volumes relativamente pequenos, comparada a outras espcies populares.

Ainda, h uma disposio crescente em substituir espcies de menor custo como mogno africano (Kaya sp) ou andiroba (Carapa guaianensis) no lugar de mogno (Swietenia macrophylla). Entretanto, essa flexibilidade no se estende to prontamente para as espcies menos conhecidas, uma vez que h uma forte relutncia para introduzir e tentar desenvolver um mercado para novos tipos de madeiras (num mercado visto pelos importadores como j sendo bastante diversificado).

O mercado de compensados distinto em relao ao de madeira serrada pela falta de nichos de mercado, e a nfase em seu desempenho visual e de processamento implica num potencial maior para a introduo de espcies menos conhecidas. O sucesso da introduo de novas madeiras no mercado de compensados depende da habilidade dos produtores de melhorar o processamento de suas toras e a qualidade do produto em geral.

A Amrica Latina fornece a maior diversidade de espcies tropicais comercializadas no mercado dos Estados Unidos. Isto em grande parte resultado do fato de as espcies latino-americanas serem usadas no mercado de madeira serrada, que enfatiza a esttica e a variedade de propriedades devido ao grande nmero de segmentos que demandam madeira (mveis, gabinetes, pisos, instrumentos musicais).

A maioria das madeiras comercializadas originadas na sia destinada ao mercado de compensados, que menos diverso que o mercado para madeira serrada no que se refere aos usos finais. Diferente do segmento de compensados, o de madeira serrada enfatiza as propriedades estticas ao invs das propriedades mecnicas.

Apesar da relutncia do mercado dos Estados Unidos em adotar novas madeiras, particularmente no mercado de madeira serrada, h sinais de que a mudana iminente. Isso ilustrado pela troca de espcies populares por espcies alternativas de menor custo. Portanto, a questo-chave a ser trabalhada quando as espcies menos conhecidas sero viveis no mercado e no se essas espcies tornar-se-o viveis.

Madeira tropical

O mercado de madeira tropical serrada representa um pequeno, porm nico, nicho dentro do mercado de madeiras duras nos Estados Unidos. O prprio mercado de madeiras duras representa apenas 20% do total de madeira serrada consumida nos Estados Unidos. H dois anos, os Estados Unidos consumiram mais de 25 milhes de m de madeira dura. Virtualmente, todo o suprimento de madeira vem da Amrica do Norte, com 24 milhes de m supridos domesticamente e 1,1 milho de m vindos do Canad. O total de 350.000 m de madeira dura de espcies tropicais representa aproximadamente 20% do mercado de madeiras duras serradas importadas.

As madeiras tropicais e norte-americanas competem em vrios setores, incluindo os segmentos de mveis, gabinetes e pisos. As madeiras tropicais, no entanto, tendem a ocupar nichos de mercado mais sofisticados, devido principalmente ao seu apelo esttico. Por exemplo, as madeiras duras norte-americanas so vendidas a um preo mdio de US$ 400 por m, enquanto as espcies tropicais recebem um preo de US$ 700 por m, em mdia.

Portanto, ao passo que as madeiras tropicais so responsveis por cerca de 20% do volume de madeira dura importada, elas geram 40% da receita. Apesar de sua significncia na receita de importaes, h uma srie de questes que afetam a competitividade dos produtores tropicais.

A penetrao da madeira tropical restringida pelas caractersticas do mercado dos Estados Unidos, o qual difere grandemente da Europa e sia. Ao contrrio dessas regies exportadoras, as madeiras duras domsticas tm uma forte presena no mercado dos Estados Unidos, onde as madeiras tropicais competem. As madeiras duras dos Estados Unidos so mais baratas, apresentam boa qualidade e possuem um grande volume disponvel. Importadores nos Estados Unidos indicaram quatro reas principais que limitam a capacidade dos produtores tropicais de competirem no mercado de madeiras duras nos Estados Unidos.

A experincia dos importadores sugere que fornecedores de madeira tropical seguem sistemas de classificao distintos que podem ter pouca correlao direta com os sistemas utilizados no mercado dos Estados Unidos. Como resultado, muitos importadores freqentemente requerem uma classificao superior quela necessria como forma de tentar minimizar diferenas entre um sistema de classificao dos Estados Unidos, como o padro da Associao Nacional de Madeiras Duras [National Hardwood Lumber Association (NHLA)], e outros sistemas empregados em pases em desenvolvimento.

Alm disso, importadores supra-estocam seus inventrios de madeiras tropicais para se protegerem de inconsistncias de classificao e atrasos nas entregas. O custo de manuteno desse estoque adicional alto, mas pode ser evitado quando os importadores tm um relacionamento de longo prazo com os fornecedores. Produtores de madeira tropical que compreendem o sistema de classificao dos Estados Unidos (como NHLA) e como ele se relaciona com os sistemas de classificao locais obtm mais sucesso em desenvolver e manter relaes mais slidas com importadores.

As empresas nos Estados Unidos tm forte preferncia por madeira seca em estufa. Devido falta de capacidade de secagem, muitos produtores esto aptos a suprir somente madeira seca ao ar. Visto que importadores dos Estados Unidos requerem umidade entre 6% e 10%, a falta de capacidade de secagem reduz a confiana no fornecimento. Produtores de madeiras tropicais com melhor capacidade de secagem esto mais aptos a fornecer madeira de qualidade numa base confivel.

Processamento

Embora os produtos de madeira serrada tenham diferentes usos, o mercado baseado na oferta de produtos com espessura e largura determinadas. Se h uma falta de consistncia nas dimenses durante o desdobro e outros processamentos, os processadores nos Estados Unidos devem remanufaturar os produtos para atender s especificaes.

A prtica de redimensionar materiais requer mo-de-obra significativa e resulta na gerao de resduos. Portanto, produtores podem obter uma vantagem competitiva por meio da adoo de medidas para assegurar de forma consistente que seus produtos estejam em conformidade com as especificaes de tamanho existentes no mercado.

Fornecedores da Amrica do Sul normalmente embarcam seus produtos para portos nas Costas Leste e do Golfo. Enquanto esses portos oferecem a opo de menor custo para os produtores, eles no so a opo de menor custo para importadores nas regies Centro-Oeste e Costa Oeste os quais devem cobrir os custos de transporte por terra. Os produtores podem ser mais bem-sucedidos na exportao demonstrando uma propenso a embarcar o produto diretamente para os portos de menor custo para os importadores.

Atualmente, o mercado dos Estados Unidos para madeiras duras tropicais relativamente pequeno. Entretanto, muitos importadores notam que a presena das madeiras tropicais pode crescer medida que o mercado se torna mais fragmentado com nfase em produtos com maior valor agregado ou nos nichos de mercado como partes de mveis, pisos e decking.

Como resultado, provvel que a demanda por madeiras tropicais tradicionais continue ip (Tabebuia sp) para decking; jatob (Hymenea sp) para pisos; mogno (Swietenia sp) e cedro (Cedrela odorata) para mveis e outros

produtos especficos. Ainda, medida que o mercado de madeira serrada dura continua a se fragmentar em uma srie de nichos de mercado, as oportunidades para insero de novas madeiras tropicais iro aumentar.

Alm disso, vrios importadores indicaram esperar um aumento na demanda para classificaes proprietrias (proprietary grades), ou seja, classificaes de madeira desenvolvidas especificamente para um cliente ou importador. Conforme indicado acima, os produtores de madeira tropical que obtm sucesso no mercado dos Estados Unidos so os que secam seus produtos de forma efetiva; compreendem e exploram o sistema dos Estados Unidos de classificao de madeira serrada; e possuem um amplo conhecimento sobre as questes de transporte.

Embora as madeiras tropicais desempenhem um papel pequeno no mercado dos Estados Unidos, elas representam um componente significativo do mercado de importaes. Esse mercado caracterizado pela nfase nas propriedades estticas das madeiras e na fragmentao dos diferentes usos finais. Os importadores tambm notam que o mercado para madeira serrada tropical restringido por limitaes no processamento, classificao, secagem e transporte realizados pelos fornecedores.

Fontes: Aliana Global de Desenvolvimento; Escritrio de Recursos Naturais e Ambientais; Bureau para Crescimento Econmico da Agricultura e Comrcio; Agncia Americana de Desenvolvimento Internacional (USAID) e o Programa Internacional do Servio Florestal do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).