MENU
Artefatos
Compensado
Crdito de Carbono
Doenas
Economia
Eucalipto
Financiamento
Maderias Tropicais
Mveis & Tecnologia
Painel
Pesquisa
Planejamento
Preservao
Secagem
Silvicultura
Sustentabilidade
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°95 - ABRIL DE 2006

Sustentabilidade

Usos mltiplos promovem sustentabilidade florestal

Grande parte das espcies de interesse para conservao esto em pequenas e mdias propriedades rurais, onde a prioridade garantir a subsistncia de seus proprietrios, o desafio em curto prazo desenvolver metodologias de manejo onde seja possvel a conservao pelo uso.

Com exceo de algumas espcies, como o pinheiro-do-paran (Araucaria angustifolia) a maioria das espcies florestais includas na relao das espcies em extino, ou de interesse para conservao, so espcies nativas, perenes, de grande porte, e cuja sustentabilidade silvicultural complexa ou desconhecida.

Para essas espcies, a melhor metodologia a manuteno de uma populao em condies naturais. Atualmente a nica forma de garantir sua preservao em longo prazo atravs de estabelecimento das diferentes modalidades de Unidades de Conservao. Para definir a melhor forma de preservar uma espcie importante realizar pesquisas para verificar a possibilidade do uso sustentvel.

O manejo sustentado de populaes conservadas, incluindo melhor conhecimento da biologia de reproduo, regenerao e sistemtica baseado em estudos genmicos est entre as prioridades.

Outro tpico importante a conservao pelo uso das espcies localizadas em fragmentos dentro de pequenas propriedades rurais. A metodologia de coleta e manejo de propgulos ps-coleta; e, estabelecimento e manejo de populaes visando a conservao tambm fundamental.

Estratgias de ao

- Organizar e disponibilizar informaes em bancos de dados sobre pesquisas, espcies, instituies e pesquisadores relacionados com a conservao e uso das espcies;

- Definir grupos de espcies prioritrias por regio/bioma;

- Priorizar projetos cooperativos interdisciplianres e multi-instituicionais;

- Apoiar capacitao em biologia da reproduo, fisiologia e sistemtica;

- Articular os diversos rgos governamentais, empresas privadas, associaes de reposio florestal, sindicatos de pequenos e mdios produtores rurais, visando integrao e efetivao das polticas pblicas relacionadas conservao, incluindo a educao ambiental;

- Ampliao das unidades de conservao de interesse para conservao e apoio aos corredores ecolgicos.

Recomendaes gerais

- Aumento de sinergia e desenvolvimento de instrumentos necessrios para viabilizao dos objetos e metas dos programas federais (Programa Nacional de Florestas), estaduais e municipais, incluindo aes direta ou indiretamente relacionadas a conservao atravs do uso dos recursos genticos florestais:

- Fomento das atividades de reflorestamentos notadamente em pequenas propriedades;

- Recuperao de florestas de preservao permanente, de reserva legal e reas alteradas;

- Apoio s iniciativas scio-econmicas das populaes que vivem em florestas;

- Promover o uso sustentvel das florestas de produo.

- Apoiar o desenvolvimento das indstrias de base florestal;

- Valorizar aspectos ambientais, sociais e econmicos dos servios e dos benefcios proporcionados pelas florestas pblicas e privadas;

- Estimular a proteo da biodiversidade e dos ecossistemas florestais;

- Apoio e suporte s instituies de pesquisas e universidades que atuam na rea de conservao, uso e melhoramento florestal..

Diversas instituies tem participado ativamente na rea de conservao e melhoramento gentico florestal, dentre elas a Embrapa/CENARGEN (espcies nativas); Embrapa Florestas (Eucalyptus), IF SP (Pinus); IPEF e SIF (rede experimental estabelecidas em parceria com empresas florestais: espcies nativas e exticas - IPEF e exticas SIF). Porm no existem no Brasil programas de fomento estas atividades que contemplem pesquisas florestais de longo prazo, como em conservao, uso e melhoramento florestal.

No Brasil existe uma grande rede experimental de espcies exticas (principalmente do Eucalyptus e Pinus) que vem fornecendo suporte para o crescimento do setor florestal brasileiro. Porm, nos ltimos anos, os recursos investidos nestas redes (financeiros e humanos) vem decrescendo acentuadamente, devido ao esgotamento da diversidade existente em plantios comerciais e pela perda de material gentico e sua informao associada. Desta forma recomenda-se apoiar os programas clssicos de melhoramento florestal e incentivo a manuteno e catlogo das espcies e procedncias potenciais para o Brasil.

As pesquisas em melhoramento sempre foram de grande importncia para o desenvolvimento do setor florestal brasileiro em virtude dos sucessivos aumentos de produtividade dos reflorestamentos, principalmente com o eucalipto. Para realizar boas pesquisas importante observar os seguintes tpicos:

- Aumento do intercmbio com Instituies de Pesquisa do exterior e apoio Cooperao Internacional, por exemplo com: FAO, CGIAR, DANIDA, CIDA, DFID, e outros;

- Criao de uma base de dados sobre todo material gentico existente no Brasil e utilizado em programas de conservao e mellhoramento florestal (espcies nativas e exticas);

- Incentivo s prticas de conservao atravs do uso: adoo de estratgias complementares de conservao para espcies nativas;

- Aumento da diversidade de espcies nativas disponveis para programas de reflorestamento e recomposio de reas degradadas assegurando:

- Desenvolvimento de metodologias para manuseio e armazenamento de sementes disponveis;

- Garantia de produo de sementes com qualidade gentica e fisiolgica;

- Pesquisa e apoio para o uso de critrios genticos para uso em programas de manejo florestal.

No segmento de celulose as pesquisas mais necessrias so as baseadas na melhora da produtividade e qualidade da madeira. Tambm necessrio maior homogeneidade na qualidade da madeira produzida (densidade bsica, nmero de fibras por grama, teor de hemiceluloses. Uma maior resistncia a pragas/doenas, principalmente sava tambm almejada, alm de maior facilidade na colheita e transporte (relao m3 slido/ estreos, n. rvores/m3).

Setor de madeira

Neste segmento necessrio o aumento da disponibilidade de madeira de qualidade adequada para laminao e serraria, provenientes de plantaes florestais. Tambm prioridade a qualidade adequada para serraria e laminao significa madeira com: baixos nveis de tenses de crescimento; alta resistncia mecnica; baixa retratibilidade; alta permeabilidade; e gr retilnea.

As prioridades no setor de madeira para serraria e laminao so:

- Desenvolvimento de metodologia eficiente, rpida, "no destrutiva" e de baixo custo para seleo de eucaliptos visando a produo de madeira serrada.

- Desenvolvimento e disponibilizao de "variedades/clones" melhoradas para produo de madeira para serraria e laminao, mais adequadas e produtivas para o plantio de florestas em pequenas e mdias propriedades rurais.

- Desenvolvimento de "sistemas de produo de madeira para serraria e laminao", adequadas para pequenas e mdias propriedades rurais.

- Desenvolvimento de tcnicas para processamento da madeira (serrarias de pequeno porte) adequadas para pequenas e mdias propriedades rurais, visando agregar valor ao produto florestal.

Energia da biomassa

Os principais entraves ao aumento da produtividade e da qualidade dos produtos para fins energticos so devidos a: descontinuidade dos programas de melhoramento; a falta de protocolos de clonagem para propagao vegetativa e a falta de estudos de biologia reprodutiva.

As prioridades nesta rea so:

- Resgate de material gentico melhorado, disperso em empresas privadas e instituies, em diversos estados do Pas e difuso dos resultados obtidos. Concentrar esforos para continuidade do programa de melhoramento e /ou de conservao gentica desses materiais.

- Desenvolvimento de protocolos de clonagem e/ou propagao vegetativa de espcies de difcil enraizamento. Como exemplo, o grupo cita as espcies, Eucalyptus cloeziana e Acacia mearnsii (accia negra);

- Estudos bsicos da fisiologia das espcies e/ou desenvolvimento de mecanismos aplicveis ao melhoramento com vistas reduo do ciclo de melhoramento;

O setor de resinas requer pesquisas no sentido de aumentar a produtividade. Tambm preciso instalar pomares permanentes para produo de resinas em pequenas propriedades, como alternativa econmica.

As prioridades neste segmento so:

- Seleo de procedncias de Pinus tropicais para a produo de resina.

- Desenvolvimento de hbridos de P. elliotti x P. caribea (tem mostrado bom potencial) nas avaliaes.

- Estabelecimento de pomar clonal com indivduos selecionados para produo de resina.

- Desenvolvimento de sistemas de produo adequados para produo de resina, considerando os aspectos fisiolgicos relacionados s prticas silviculturais.

- Outro item importante so os leos essencias so necessrios sistemas de produo atravs de florestas clonais para Eucalyptus citriodora. Alm disso, preciso sensibilizao das indstrias processadoras de leos essenciais de espcies nativas (com grande demanda no mercado internacional), para o plantio das espcies, que tem sido intensivamente exploradas atravs do extrativismo sem reposio.

As prioridades no segmento de leos essenciais so

- Desenvolvimento/adaptao de sistemas de produo atravs de florestas clonais, com clones selecionados para alta produtividade de leo e madeira, associados ao desenvolvimento de tcnicas silviculturais (podas, conduo de clones sob diferentes manejos, etc).

- Desenvolvimento de programas de avaliao da potencialidade, conservao gentica e utilizao sustentvel das espcies nativas intensivamente exploradas, com vistas ao melhoramento gentico.

- Aperfeioamento dos processos industriais para uso em pequenas e mdias propriedades rurais (mini destilarias) visando agregar valor ao produto florestal e aumentar a rentabilidade do produtor rural.

Fonte: Universidade Federal de Viosa e Embrapa