MENU
Artefatos
Compensado
Crdito de Carbono
Doenas
Economia
Eucalipto
Financiamento
Maderias Tropicais
Mveis & Tecnologia
Painel
Pesquisa
Planejamento
Preservao
Secagem
Silvicultura
Sustentabilidade
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°95 - ABRIL DE 2006

Artefatos

Instrumentos musicais: qualidade da madeira define valor

O som dos violinos como a voz humana, cada um tem sua caracterstica, alguns se assemelham, mas nenhum som igual ao outro, assim como nenhuma madeira idntica.

Os materiais usados na construo de instrumentos musicais so os principais fatores que implicaram no desenvolvimento acstico e na qualidade final dos instrumentos. Por isso, o mercado valoriza madeiras de alta qualidade e livre de defeitos como tenses. Os instrumentos so projetados para que vibrem e as tenses causam distores sonoras e diminuem consideravelmente o desempenho do instrumento.

As tenses podem ser causadas por diversos fatores, como: verniz sem elasticidade; ngulo errado do brao; altura errada do cavalete; alma mal ajustada; deformaes da madeira ou das peas; e outros.

As deformaes aparecem normalmente em instrumentos mal construdos ou que tenham sido construdos com madeiras novas, e so causadas devido a secagem ou envelhecimento natural da madeira (encolhimento da madeira). por isso que os melhores instrumentos so construdos com madeiras antigas ou que tenham passado por um processo rigoroso de tempera (processo lento de secagem e assentamento das molculas da madeira).

O mercado chins um forte concorrente do Brasil neste segmento, fornece instrumentos musicais a preos baixos, pois possui uma mo de obra baixa, em relao a outros paises do mundo. Eles tm fcil acesso s madeiras e ferramentas necessrias para a construo de instrumentos musicais. Eles como outros pases constroem bons a maus instrumentos musicais, dependendo da matria-prima utilizada. A grande demanda de instrumentos exige que o mercado crie novas categorias de instrumentos, basicamente estas categorias so classificam como:

Instrumentos Profissionais (Luthier) - Estes so os famosos instrumentos construdo pelos Liutaios ou como so mais conhecidos Luthier, usam somente materiais de extrema qualidade (madeiras que tenham passado por um processo rigoroso de tmpera, frmulas especiais de vernizes, e outros.), dedicam centenas de horas de trabalho manual na construo de cada instrumento.

Instrumentos Intermedirios (Oficinas) - Usam tcnicas menos refinadas de construo, porm funcional e mais produtiva, onde contam com a superviso de profissionais. Usam materiais intermedirios (madeiras que tenham passado por um processo de tempera natural ou artificial, vernizes mistos de rpida secagem).

Instrumentos Estudante (Fbricas) - a categoria que produz mais instrumentos, esta categoria suprida pelas grandes fbricas que para baratear os custos finais dos instrumentos usam materiais mais baratos (madeiras verdes ou que no tenham passado por um processo de tempera adequado, verniz industrial), tcnicas de construes em massa onde contam com a ajuda de equipamentos e mquinas processadoras.

Super instrumentos

Esta uma categoria a parte, onde os mais conhecidos so os Instrumentos antigos: Amati, Stradivarius, Guarnarius e outros. Estes instrumentos se encontram em poder de Grandes Msicos, Museus e de Colecionadores.

Outros instrumentos que so considerados como a nata da Lutheria so as Rplicas e Cpias, estes so construdos por Mestres que os levam para participar de Grandes Campeonatos de Lutheria que acontece em diversos pases, onde os melhores instrumentos so premiados com medalhas e ttulos especiais. Eles adquirem um grande valor e prestgio, so vendidos para colecionadores e msicos e ao pblico interessado.

O bom instrumento aquele que produz um som constante, limpo, equilibrado, com grande potncia e fcil de ser executado. Nem sempre to belo, perfeito ou seu valor alto, mas totalmente funcional, tanto para estudantes quanto para profissionais.

A cada dia milhares de pessoas iniciam seus estudos na msica, eles procuram normalmente instrumentos baratos, o que os leva a comprar instrumentos da categoria Estudante.

Depois de algum tempo estes estudantes percebem ou so aconselhados por seus professores a adquirirem instrumentos melhores, o que permitir maior desenvolvimento musical, instrumentos mais funcionais que produzem um melhor som, mais fceis de serem executados.

Para os que seguem a carreira musical a fim de se profissionalizar, certamente procuraro os melhores instrumentos entre custo benefcio disponveis no mercado.

Uma cena muito comum de danos irreparveis a troca de verniz. Muitos grandes violinos, que deveriam valer centenas de milhares de dlares, sofreram a troca de verniz. E o motivo: um simples arranhado, machucados ou manchas causadas pelo desgaste natural do tempo.

Outra histria muito conhecida a reharmonizao de violinos baratos, Um violino que custa R$ 300,00, sim, merece um ajuste de R$ 240,00 ou pouco mais. Porm alguns oferecem o servio de desmontar o instrumento para tirar madeira e trocar o verniz a fim de melhorar o som, o gasto ser to grande que d para comprar um violino de categoria intermediaria. Sem dizer que existe a chance do som do violino no melhorar e at mesmo de piorar.

A Histria dos Violinos

Os primeiros violinos foram feitos na Itlia em meados do sculo XVI (1700), evoluindo de antecessores como arebec, a vielle e a lira da braccio. A arte de fabricar violinos de primeira classe foi, por 200 anos, apangio de trs famlias de Cremona - os Amati, Guarnen e Stradivari (de que a latinizao deu Stradivarius).

Embora o violino propriamente dito tenha-se mantido inalterado por 400 anos (excetuando-se a utilizao de cordas mais finas e de um cavalete mais alto no sculo XIX), a forma atual do arco s se consolidou no sculo XIX(1800). Originalmente convexo em relao ao violino, o arco agora cncavo.

O violino tem longa histria na execuo da msica folclrica, que vem desde seus antecessores (como avielle). Durante o sculo XVII, substituiu a viola soprano na msica de cmara, e tornou-se o fundamento da orquestra. Na orquestra moderna, os violinos esto divididos em duas sees - primeiros e segundos violinos -, as quais se distinguem, em cena medida, pelo fato de os primeiros tocarem as partes mais agudas e os segundos, as mais graves.

O repertrio de msica escrita para o violino enorme, e cresceu ainda mais depois que Paganini revelou todas as suas possibilidades virtuossticas. Inclu concertos de Bach, Vivaldi, Beethoven, Brahms, Tchaikovsky, Mendelssohn, Bruch, Berg e Paganini.

As partes de um instrumento moderno so: voluta, cravelhal, tampo, cordas, ouvidos ou fs, cavalete, estandarte, microafinador, apoio do queixo(quexeira), boto.

A famlia de instrumentos de arco, de quatro cordas e no trasteados, inclu o prprio violino, a viola, o violoncelo e o contrabaixo. Existe alguma confuso em torno da evoluo dessa famlia, especialmente a respeito da extenso em que ocorreram cruzamentos com a viola da gamba. Os mais antigos instrumentos desse tipo foram as vielles e rebecs usadas pelos trovadores medievais para acompanhar o canto e a dana.

A lira da braccio desenvolveu-se a partir desses instrumentos em fins do sculo XV (1600), surgindo o prprio violino j em meados do sculo XVI (1700). Os membros dessa famlia tem, caracteristicamente, ombros redondos, quatro cordas, as aberturas no tampo harmnico em forma de ff, e no possuem trastes (em comparao com suas primas, as violas, que tem ombros descados, seis ou sete cordas, aberturas no tampo harmnico em forma de C e braos trasteados).

Origem do arco

Em sua origem, o arco dos instrumentos de cordas em tudo se assemelhava ao seu homnimo, pea de arma utilizada para arremessar flechas: vareta curvada em forma de meia-lua, a cujas pontas se atava algum tipo de corda ou cerda retorcida, mais tarde substituda por crina animal. Pois era com artefato similar que o msico da antiguidade produzia o atrito com a corda necessrio produo do som.

Na trajetria de sua evoluo, o arco sofreu diversas transformaes: das grandes curvaturas cncavas, passou por uma silhueta quase retilnea, at a incorporao da forma atual, convexa. Paralelamente evoluo dos instrumentos de cordas, em si, o arco, pea fundamental sua execuo, foi objeto de transformao equivalente.

Frana, no final do sculo XVIII o grande archetier ou archetaio- fabricante de arcos em francs e italiano, respectivamente Franois Tourte fez uma modificao que revolucionou a tcnica de todos os instrumentos de cordas: por volta de 1770 ele vergou a madeira do arco em sentido contrrio, convexamente, com a barriga da curva em direo crina. A vareta foi, assim, dotada de maior tenso e nervura, ou flexibilidade.

Foi tambm o mesmo Tourte, originalmente um modesto relojoeiro, o responsvel por experincias que levaram escolha da madeira ideal, hoje universalmente utilizada: o Pau-brasil, tambm conhecido como pau-rosado ou pernambuco, duas de suas variedades- esta ltima, nome do estado brasileiro onde se supe ter sido a madeira primeiramente encontrada.Tourte tambm fixou as dimenses ideais para o arco, que no violino variam entre 74 e 75 cm de comprimento, com o ponto de equilbrio (fiel) a 19 cm do talo. verdade que inmeras tentativas de substituir o pau-brasil como material para a confeco de arcos j foram realizadas. Desde os ensaios com tubos ocos de ao por J. B.Vuillaume,at a moderna fibra de vidro, sabe-se que ainda no se encontrou o substituto altura. Mas, atualmente o ip tabaco vem sendo usado com sucesso.

Quanto construo, o arco moderno pode ser subdividido em dois grupos principais. O primeiro seria o modelo do violino, padro tambm empregado pela viola e o violoncelo, assim como uma das modalidades do arco do contrabaixo, a chamada frandesa. Este ltimo instrumento tem histria e personalidade prprias, e as caractersticas de construo e utilizao de seu arco lhe so absolutamente peculiares.

O que diferencia o arco Dragonetti daquele modelo adaptado do violino por Savart e Gand o chamado arco francs do contrabaixo , alm das caractersticas fsicas de sua construo, a maneira de empunh-lo. Ao contrrio do francs, sustentado como no violino (overhand) mas construdo com talo de dimenses proporcionalmente maiores, o modelo Dragonetti( underhand) empunhado por baixo, maneira de seus antepassados da famlia das antigas Violas.

Uma vida dedicada a luteria

Denomina-se lutheria o local onde so restaurados ou construdos os instrumentos de cordas. O italiano Eugnio Colleti tem uma histria de mais de meio sculo dedicados a msica e a lutheria. Nasceu em Treviso, na Itlia, e l estudou msica, mais tarde estudou direito em Padova, mas no chegou a trocar de profisso. Envolvido com a msica desde a infncia, Eugnio nunca se afastou da arte de construir e reformar violinos e outros instrumentos musicais, atividade que exerce at hoje, em Caxias do Sul, RS. O conhecimento da madeira tem sido o principal aliado de Colleti ao longo da dedicao arte de esculpi-las.

Colleti explica que nenhum violino emite o som igual ao outro: o som dos violinos so como vozes humanas, cada um tem sua caracterstica, alguns se assemelham, mas nenhum som igual ao outro, assim como nenhuma madeira idntica.

Ele fala tambm da importncia da espcie madeireira para a qualidade do som dos violinos. O tampo do violino feito em pinho europa, o restante construdo em acero, os acessrios podem ser elaborados em bano e o arco feito em pau brasil o melhor. Atualmente a dificuldade de encontrar a madeira pau brasil, devido ao fechamento da nica empresa que fornecia a madeira, localizada no Esprito Santo, tem levado os luthers a fabricar os arcos em madeiras alternativas como o ip tabaco.

A frica e a ndia so fornecedores de bano, mas Colleti recomenda o bano africano para a construo dos acessrios, porque o bano da ndia muito poroso, devido as chuvas intensas que ocorrem na regio.

O especialista diz que o mercado oferece modelos que vo de R$ 250,00 at US$ 200 mil ou mais. Ele diz que os mais acessveis vm da China e geralmente no so de boa qualidade. Eugnio Colleti afirma que um bom violino usado, com o arco em pau brasil, custa em mdia R$ 5.800 mil.

Fonte: Atelier Labussiere.