MENU
Adesivos
Editorial
Esquadrias
Exportao
FIMMA Maderalia
ndia
Manejo
Meio Ambiente
Meio Ambiente
Melhoramento
Mercado
Mercado - Teca
Mveis & Tecnologia
Pisos
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°94 - FEVEREIRO DE 2006

Melhoramento

Presses ambientais exigem melhoramento gentico

Os ecossistemas tropicais, em especial, vm sofrendo grandes presses que acarretam mudanas no uso do solo, e conseqentemente, perdas irreparveis da diversidade biolgica, a qual normalmente dividida em trs nveis hierrquicos: ecossistemas, espcies e genes.

Considerando os diferentes nveis hierrquicos da biodiversidade, e a grande diversidade dos ecossistemas florestais brasileiros, extremamente importante o estabelecimento de estratgias para priorizao das aes em diferentes escalas (nacional e regional).

Essas estratgias devem contemplar programas de longo prazo e devem reconhecer as variaes regionais, as atuais e as futuras demandas do setor florestal relacionadas conservao e uso dos recursos genticos florestais, inclusive para a produo de diferentes produtos, como celulose, papel, chapas, madeira para serraria, borracha, resinas e produtos no madeireiros.

Alm desses desafios, existem as dificuldades inerentes s espcies arbreas nativas e exticas: ciclo longo, baixa produo de sementes ou sementes com baixa viabilidade, baixa densidade populacional das espcies, custos elevados de instalao e manuteno de experimentos.

A silvicultura intensiva moderna teve incio no Brasil no incio do sculo passado, com o estabelecimento das plantaes florestais com espcies exticas para substituio da madeira das florestas nativas de difcil reposio.

Apesar do primeiro programa de melhoramento gentico de eucaliptos ter sido considerado como um dos mais avanados para a poca, as sementes de eucaliptos de melhor qualidade gentica disponveis para plantio at a dcada de 1960 eram provenientes de parcelas experimentais ou talhes desbastados, mas sem isolamentos contra plens no desejveis.

No conceito atual, essas fontes de sementes seriam algo entre rea de Coleta de Sementes-ACS e rea de Produo de Sementes-APS. De modo geral, os plantios de eucaliptos originados dessas sementes apresentavam alta porcentagem de hbridos (conhecidos como salalbas).

Os primeiros Pomares Clonais de Sementes - PCS's de eucaliptos e pinus foram estabelecidos apenas a partir do final da dcada de 1960. Esses pomares tinham como objetivo atender demanda crescente de sementes, tanto quantitativo como qualitativamente, para atender o programa de incentivos fiscais ao reflorestamento.

A taxa de plantio anual na poca dos incentivos fiscais (1966 a 1986) chegou at 400 mil hectares por ano, o que correspondia a 800 milhes de mudas ou em torno de duas toneladas de sementes de eucaliptos e pinus. As rvores que compunham as APS's e PCS's eram selecionadas fenotipicamente nos melhores talhes existentes ou em plantios experimentais.

No incio da dcada de 1970 foram instalados os primeiros testes de prognies e iniciadas a reintroduo de germoplasmas, com base gentica apropriada, de espcies/procedncias selecionadas. As atividades relacionadas com a produo de sementes melhoradas de eucaliptos e pinus foram priorizadas nas dcadas de 1970 e 1980.

Levantamentos da pesquisa florestal, em andamento no Brasil, realizados pela Embrapa em 1978, 1980 e 1987, mostram que a maioria absoluta dos 2043 experimentos em andamento eram da rea de melhoramento gentico. Esses experimentos incluam arboretos, bancos clonais, ensaios de espcies, pomares de sementes, testes de procedncias, testes de prognies, clonagem, conservao gentica.

Propagao vegetativa

Em 1979 a empresa Aracruz Florestal estabeleceu a primeira floresta clonal no Brasil. Essas novas florestas clonais eram resistentes ao fungo, homogneos e apresentavam altos ganhos em produtividade. Aperfeioamentos nas tcnicas de propagao e seleo incluram, alm do volume, caractersticas relacionadas com a qualidade da madeira. A silvicultura clonal proporcionou ganhos de produtividades superiores a 200%.

Com o trmino dos incentivos fiscais aos reflorestamentos em 1986 inicia-se outra fase na histria da silvicultura intensiva no Brasil. Aliado diminuio dos investimentos no reflorestamento, observa-se um aumento das presses dos ambientalistas contra o sistema de monocultura usado nos reflorestamentos. Outro fato significativo a reduo do preo internacional da celulose (principal produto industrializado do reflorestamento), provocando reformulaes significativas nas empresas florestais para enfrentar a globalizao da economia.

Esses fatos ocasionaram mudanas drsticas no setor de pesquisa florestal. Nessa poca, muitos grupos de pesquisa, principalmente ligados s empresas florestais foram desativados.

Como conseqncia podem ser destacados os seguintes fatos observados atualmente: a) no h sementes de qualidade gentica comprovada de Pinus taeda suficientes para atender a demanda de plantios no sul do Brasil; b) os nveis de produtividade permanceram constantes nesta ltima dcada; e c) as florestas clonais de eucaliptos plantadas na regio tropical tem base gentica restrita e, portanto, apresentam altos riscos em relao sustentabilidade.

Para agravar ainda mais a crise na rea de pesquisa em melhoramento gentico clssico, o mundo cientfico comea a tomar contato, nesta ltima dcada, com a potencialidade de novas ferramentas proporcionados pela gentica molecular. A disponibilidade de organismos geneticamente modificados - OGM's, resistentes a um tipo de herbicida, comeam a despertar o interesse do setor florestal. A idia obter florestas clonais formados com OGM's mais produtivos, mais resistentes a fatores biticos (doenas/pragas) e abiticos (geadas, dficit hdrico), que produzam melhor qualidade da madeira (maior rendimento em celulose, menor teor de lignina, e outros).

Os recursos, j escassos na rea de melhoramento florestal, passaram a ser divididos com esses novos interesses, principalmente pelo setor pblico, que tem priorizado o apoio a essa rea na formao de recursos humanos e capacitao de laboratrios em nvel nacional.

Alm da melhoria da produtividade e qualidade da madeira, dois outros assuntos, altamente ligados ao melhoramento gentico, tem despertado o interesse do setor florestal: a) desenvolvimento florestal ecologicamente sustentvel e b) efeitos da mudana climtica.

O desenvolvimento florestal ecologicamente sustentvel entendido como a habilidade da floresta para fornecer benefcios mltiplos a longo prazo, seu papel central nos processos de sustentao da vida e seu valor para o meio ambiente. No caso de florestas nativas, existe a expectativa que o manejo sustentvel possa garantir a perpetuao dos valores econmicos, ambientais e espirituais, sem causar mudanas na estrutura e funo do ecossistema florestal.

Existe, tambm, consenso sobre a crescente importncia do estabelecimento e manejo de plantaes florestais em diferentes condies ambientais, para diferentes finalidades. No entanto, h grupos que defendem que as plantaes florestais devem seguir a estrutura e funo das florestas naturais. Outros, mais pragmticos, acham que a plantao florestal vista como um agro-negcio que tem que ser economicamente competitivo em relao a outras alternativas de investimentos. O Brasil, a Nova Zelndia, o Chile e a frica do Sul seguem esse ltimo modelo.

Melhoria na produtividade

As altas produtividades observadas nas plantaes florestais nesses pases resultam da combinao de material gentico selecionado (aes de melhoramento gentico) e condies ambientais favorveis (disponibilidade de gua, nutrientes e luminosidade). O manejo sustentvel dessas plantaes devem, portanto, ter alguns fatores chaves, como a manuteno da produtividade biolgica a longo-prazo, a manuteno da capacidade ambiental do stio,

Alguns programas de melhoramento gentico j esto incluindo a seleo de material gentico mais eficiente na utilizao da gua e nutrientes do solo, menos sensveis s mudanas climticas (mais estveis).

Entre os aspectos observados nessa ltima dcada e que tem contribudo para obteno de melhores resultados nos programas de melhoramento florestal, podemos destacar:

- Uso de instrumental desenvolvido para o melhoramento gentico animal e adaptado para aplicaes vegetais, visando a anlise de dados experimentais e seleo gentica de rvores a serem usadas como produtoras de sementes ou fornecedoras de material para clonagem massal;

- Viso holstica, decorrentes de participao de diferentes especialistas na discusso e definio das estratgias de melhoramento, onde so considerados desde as variaes climticas e de solo, a produo de mudas, a conservao do solo, o mtodo de plantio, o manejo do povoamento, a proteo contra pragas e doenas, a colheita e as demandas qualitativas do mercado ou consumidor final.

- Integrao de aspectos de manejo e de melhoramento para a produo de um produto final especfico, com base no desenvolvimento de projetos multidisciplinares.

Entre as recomendaes esto:

- Uso das ferramentas quantitativas (estimativa de parmetros genticos);

- Manuseio e armazenamento de sementes, inclusive com a agregao de valor pela qualidade fisiolgica das sementes;

- Certificao das reas de produo de sementes;

- Uso de marcadores genticos para estudos de diversidade gentica e seleo assistida;

- Implantao de estratgias de conservao atravs do uso;

- Papel da diversidade gentica para minimizar os potenciais impactos de mudanas climticas (longo prazo).

Fonte: Universidade Federal de Viosa.