MENU
Bambu
Capacitao
Colheita Florestal
Desenvolvimento
Editorial
Energia
Espcie Guapuruvu
Eucalipto
Mveis & Tecnologia
Produtividade
Recursos Humanos
Secagem
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°92 - OUTUBRO DE 2005

Eucalipto

Cresce presena do eucalipto no Brasil

Os plantios florestais de eucalipto tem evoludo rapidamente nos ltimos anos, com a adoo de prticas sustentveis de manejo florestal, que hoje, inclusive, so objeto de certificao independente. Um dos grandes feitos da pesquisa florestal no Brasil foi o desenvolvimento de uma tecnologia silvicultural de florestas plantadas, reconhecida no mundo todo.

Com um mercado sempre crescente e cada vez mais exigente em madeira de qualidade, seria fora de propsito proibir a derrubada de matas naturais se no houvesse a alternativa de utilizar a madeira oriunda de reflorestamento. Em comparao com outras modalidades de uso da terra, o reflorestamento ou plantio comercial de espcies arbreas a atividade agrcola que mais se recomenda para a conservao do solo, proteo dos mananciais e a recuperao de reas degradadas. Precisamente, por este motivo, que se considera a silvicultura e os cultivos perenes como os mais indicados sistemas de uso da terra para regimes de clima tropical, onde so mais graves os riscos de degradao do solo atravs da eroso e lixiviao.

Acredita-se que se no for cumprido um rigoroso programa de florestamento e reflorestamento, o Brasil encontrar trs alternativas bastante desagradveis , face s excepcionais condies que o Brasil possui para produzir madeira, em larga escala:

Reduzir o processo de desenvolvimento, diminuindo o consumo de madeira;

Lanar mo das reservas naturais e, principalmente, da Floresta Amaznica;

Importar a madeira necessria de outras pases mais previdentes, sacrificando, ainda mais, a balana de pagamentos e aumentando a dvida externa.

O Brasil um pas de dimenso continental e de condies de clima e solo altamente favorveis para a implantao de florestas. O desenvolvimento das espcies exticas utilizadas, principalmente o pinus e o eucalipto, demonstra resultados espetaculares, com ciclos silviculturais entre 6 e 7 anos, bem diferentes dos pases de grande tradio florestal, como a Sucia, Canad e Austrlia, cujos ciclos nunca so inferiores aos 60 e 80 anos.

Alm das condies naturais bem favorveis, o Brasil possui excedentes de mo-de-obra no meio rural, bem como considervel domnio tecnolgico nas atividades ligadas formao de florestas e produo de madeira.

O eucalipto no foi escolhido por mero acaso, como capricho ou o gnero potencialmente mais apropriado, mas foi uma escolha em funo das inmeras vantagens, destacando-se algumas:

Rpido crescimento volumtrico e potencialidade para produzir rvores com boa forma;

Caractersticas silviculturais desejveis, como bom incremento, boa forma, facilidade a programas de manejo e melhoramento, tratos culturais, desbastes, desramas etc.

Grande plasticidade do gnero, devido grande diversidade de espcies, adaptando s mais diversas condies de clima e solo;

Elevada produo de sementes e facilidades de propagao vegetativa;

Adequao aos mais diferentes usos industriais, com ampla aceitao no mercado.



Para o caso especfico do Brasil, o eucalipto possui um carter estratgico, uma vez que a sua madeira responsvel pelo abastecimento da maior parte do setor industrial de base florestal. Basta citar alguns nmeros para se avaliar quo importante a sua participao na economia nacional. Da madeira de eucalipto, atualmente, se produzem, por ano, no setor de celulose, 6,4 milhes de toneladas de celulose, representando mais de 70,0% da produo nacional; nmero tambm impressionante o setor de carvo vegetal, com uma produo anual de 18,8 milhes de metros cbicos, representando mais de 70,0% da produo nacional; outro setor importante o de chapa de fibra, com uma produo anual de 558 mil metros cbicos, representando 100.0% da produo nacional; o setor de chapas de fibra aglomerada produz 500 mil metros cbicos, representando quase 30,0% da produo nacional.

O setor industrial de base florestal tem sido marcado por um processo de utilizao crescente de madeiras provenientes de reflorestamento, colocando o Brasil em sintonia com a ordem mundial, que enfatiza a preservao das florestas naturais e incentiva a implantao de florestas renovveis. O eucalipto se apresenta como grande alternativa para a produo de madeira nos prximos anos e a indstria j aposta na sua disponibilidade para os futuros suprimentos de matria-prima. O descompasso crescente entre oferta e demanda de madeira nos mercados interno e externo tendero a favorecer o quadro de substituio das madeiras nativas pela madeira de eucalipto.

As potencialidades do eucalipto como fornecedor de matria-prima de qualidade para os diversos usos industriais j se encontram demonstradas, estando razoavelmente definidos os parmetros de qualidade da madeira a serem exigidos para tais explicaes. As perspectivas de utilizao intensiva da madeira de eucalipto so muito promissoras e tm por base o conhecimento j acumulado sobre a silvicultura e o manejo de vrias espcies do gnero, sua maleabilidade e respostas ao melhoramento gentico, que o tornam aplicvel em um grande espectro de usos.

O setor industrial de base florestal do Estado de Minas Gerais depende basicamente dos seus recursos florestais. O Estado participa ativamente da composio da cadeia produtiva nacional, contribuindo significativamente com a utilizao da madeira para uso energtico e redutor, no segmento siderrgico, alm de outros importantes setores como os de celulose, moveleiro e chapas.

Hoje, o Estado conta com, aproximadamente, 15 milhes de hectares em mata nativa e 1,2 milhes de hectares de florestas plantadas, com grande predomnio de espcies do gnero Eucalyptus, que constitui mais de 80% das plantaes.

Embora existam 730 espcies j conhecidas, botanicamente, os plantios, em larga escala, no mundo, esto concentrados em poucas espcies. Em termos de incremento anual e das propriedades desejveis da madeira, apenas doze tem sido utilizadas, com mais intensidade, para atender o setor industrial: Eucalyptus grandis, E. saligna, E. urophylla, E. camaldulensis, E. tereticornis, E. globulus, E. viminalis, E. deglupta, E. citriodora, E. exserta, E. paniculata e E. robusta.. No Brasil, tem sido consideradas muito promissoras as espcies E. cloeziana, na regio central, e o E. dunnii, na regio sul.

Estima-se que, no Brasil, existam, aproximadamente, 1 milho de hectares, destinados produo de painis, papel e celulose, e 1,2 milho de hectares para a produo de lenha e carvo.

O potencial de utilizao mltipla da madeira de eucalipto tem crescido sobremaneira nos ltimos tempos, principalmente se adotar o conceito de floresta de aplicao ampla. Nesse caso, devem crescer as opes de melhoramento das espcies (procedncias, clonagens, hbridos), de espaamentos, de idade de corte, de tcnicas silviculturais diferenciadas (desbaste, desrama, de mtodos de explorao etc). Dentro de uma rea a ser implantada, pode-se conseguir diferentes tipos de florestas para cada um dos produtos a serem obtidos. Haver, ento, a possibilidade de se explorar todo o potencial do gnero Eucalyptus, que prima pela enorme amplitude de opes de utilizao e pela qualidade de suas madeiras j comprovada em muitas situaes.

A indstria moveleira e de construo civil esto avaliando seriamente a possibilidade de utilizao intensiva da madeira de eucalipto nos seus produtos e alguns resultados tm-se mostrado bastante satisfatrios. O tratamento adequado sua madeira o grande segredo de sua versatilidade, comprovando que vrios de seus problemas podem ser contornados com a utilizao correta de equipamentos e procedimentos.



Jos de Castro Silva

Professor UFV/DEF/CEDAF