MENU
Amaznia
Bioenergia
Editorial
Elmia
Esquadrias
Ferramentas
Logstica
Mrito Exportao
Mveis & Tecnologia
Pisos
Qualidade
Recursos Humanos
Reflorestamento
Tecnologia
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°91 - AGOSTO DE 2005

Pisos

Industrializao viabiliza custo da madeira

Clssico, o piso de madeira nunca saiu de moda e hoje vai do macio ao laminado. Com as sobras do assoalho comum se faz o taco e com este o parqu. Enquanto um assoalho de ip chega a custar 45% mais do que tacos do mesmo material, a diferena entre os tacos e o parquet de 22%. Preo mais acessvel e colocao rpida tornam o laminado, o piso estruturado, o popular carpete de madeira, opes atraentes para quem deseja economizar.

O laminado fabricado com a fibra da madeira encapada com papel no padro escolhido e revestido de filme de xido de alumnio. O carpete um sanduche de folhas no padro escolhido, recheadas com chapas de madeira. O laminado custa de 10% a 15% menos do que o estruturado.

O parquet , sem dvidas, o mais verstil dos pisos. resistente, fcil de aplicar e adequado a qualquer estilo decorativo. Requer manuteno mnima e possibilita a restaurao ao invs da substituio.

As caractersticas especficas de cada um dos principais tipos de pisos de madeira encontrados no mercado - assoalhos, carpetes, laminados, tacos e parquetes - variam bastante, apesar da semelhana entre eles aps a instalao. O quadro abaixo identifica cada tipo:

Assoalho

Muito usado em reas sociais, o assoalho pode ser natural ou composto por fibras e um tipo de resina. A madeira deve estar adequadamente seca de modo a evitar o envergamento com o passar do tempo.

Quanto aos assoalhos naturais, devem ser utilizados os assoalhos feitos com madeira mais escura, pois so mais duras e resistem mais ao trfego pesado e aos cupins, comparando-se com as mais claras.

Na instalao, o primeiro cuidado impermeabilizar o contrapiso para evitar que a umidade passe para o assoalho, provocando o apodrecimento precoce na madeira. Em seguida, h dois caminhos a escolher: parafusar as tbuas diretamente no contrapiso ou em barrotilhas de madeira chumbadas no contrapiso.

Em ambos os sistemas os parafusos ou pregos devem ser escondidos com cavilhas que so peas semelhantes a uma rolha, feita do mesmo tipo de madeira. O toque final a raspagem do assoalho e a aplicao de sinteco, cera ou seladora.

Material: madeira

Finalidade: Residencial

Caractersticas: Durabilidade e conforto termo/acstico

Resistncia: Mdia

Lavabilidade: Cera

Assentamento: Fixados com pregos sobre barrotilhas de madeiras fixas sobre contrapiso com argamassa.



Carpetes de madeira

Os carpetes de madeira normalmente so produzidos em compensados de jacarand, jatob, tauari, ip e cerejeira imperial, espcies cujos veios apresentam grande beleza ou, ainda, em MDF. So encontrados no mercado nas espessuras de 2,5, 4,0 e 7mm. A madeira utilizada passa por um tratamento prvio. Inicialmente, a tora desbastada, a casca retirada, e cortada em blocos e cozida. Em seguida, as peas so laminadas em espessura de 1,5 a 2,0mm e levadas estufa para secagem.

A seguir, feito um tratamento base de inseticida contra cupins e fungos, e s ento as lminas so coladas e depois prensadas. Entre a capa e a base colocada uma sucesso de camadas de madeiras consideradas menos nobres.

Ao sair da prensa, a madeira lixada e cortada. Como impermeabilizao, as rguas recebem duas camadas de selador e so levadas ao forno ultravioleta. Por fim, feito o acabamento em verniz acrlico importado, seguido por uma secagem no forno.

Dependendo de sua espessura, o carpete de madeira pode ser colado (2,5 e 4,0mm) ou encaixado pelo sistema macho-e-fmea (7,0mm). As empresas associadas na venda deste material geralmente no se responsabilizam pela aplicao do carpete sobre outro tipo de piso que no seja o de cimento bem nivelado.

A nica exceo para o carpete flutuante de 7mm, que pode ser aplicado sobre tacos. Sua instalao requer cimentados ou tacos revestidos por uma manta de poliuretano, que tambm funciona como isolante contra umidade.

Para os demais carpetes, o indicado preparar o contrapiso com uma argamassa a fim de corrigir as possveis imperfeies. Em seguida, aconselhvel passar uma cobertura de cimento para deix-lo totalmente liso. O tempo de secagem deve ser de trs dias. S ento pode-se colar o carpete de 2,5 ou 4,0mm, ambos com o rodap tambm colado, ou fixar o de 7,0mm, com rodap parafusado na parede.

Para que o produto tenha uma vida til mais longa, recomendvel a aplicao em locais onde o trfego de pessoas leve, como salas ou bibliotecas. O consumidor tambm tem a opo do tipo de desenho que ser aplicado no ambiente. Porm, no caso de coloc-los em diagonal, a metragem necessria pode se elevar em at 20% em relao aplicao em linha reta (devido ao desperdcio de material que ocorre nesse tipo de aplicao, uma vez que as rguas so cortadas, resultando em pedaos inaproveitveis).

Tambm o aumento do tempo mdio de colocao, que costuma ser de 70m por dia, desde que o imvel esteja completamente pronto, faz com que o custo da mo-de-obra seja maior. Os rodaps, com opes de modelos e tamanhos, e os arremates, como as chapas, usadas para evitar empenamentos e ligar o carpete a outros pisos, normalmente no esto inclusos no preo.

Com acabamento final em verniz acetinado ou fosco, a manuteno do carpete de madeira bem simples, bastando apenas um pano mido com lcool para limp-lo e conserv-lo bonito. Porm, alguns pontos devem ser levados em considerao:

deve-se escolher bem a revenda para que no haja problemas posteriores como falta ou excesso de cola na instalao, contrapisos frgeis ou irregulares e ausncia de espao na dilatao;

nunca se deve instalar o carpete de madeira em locais que tenha muita umidade;

no deve ser instalado em locais onde haja incidncia direta do sol;

no colocar objetos muito pesados, como cofres, sobre o produto;

produtos qumicos, como solventes e cidos, danificam o material.

Algumas

Angelim - Madeira dura, de cor castanha avermelhada clara, gr irregular, aspecto fibroso, textura grosseira, com cheiro e gosto indistintos. Apresenta-se resistente ao ataque de fungos e cupins.

Usos: Madeira amplamente usada na construo civil (carpintaria e marcenaria), interna e externa, inclusive esquadrias e assoalhos. Uso crescente na manufatura de mveis, inclusive mveis de boa qualidade, tanto em madeira slida como em forma de lminas decorativas. usada tambm na fabricao de cabos de ferramentas, cutelaria e utenslios variados.

Imbuia - Cerne muito varivel, indo do pardo-claro-amarelado ao pardo-escuro-avermelhado, normalmente com a presena de veios mais escuros, paralelos ou ondulados. Gr direita a reversa; superfcie irregularmente lustrosa e lisa, odor caracterstico e agradvel; sabor amargo e adstringente.

Usos: contraplacado, pisos, prateleiras, objetos decorativos, mobilirio de luxo, peas torneadas, painis compensados e divisrias. Em construo civil como vigas, caibros, ripas, marcos ou batentes de portas e janelas, molduras, lambris e similares; ou em partes externas como esteios, estruturas.

Peroba Madeira amarela a amarelo-rosado, pesada dura e durvel.

Usos: interiores, decorao, pisos, painis entalhes, esquadrias, mveis, peas torneadas, cabos de ferramentas, tacos, tbuas para assoalhos, vages, carrocerias, e outros.

Sucupira - Durvel e resistente ao ataque de fungos e cupins de madeira seca.

Usos: interior / exterior, pisos, escadas, cabos de ferramentas, construo civil e naval, mveis, faqueados decorativos, tacos para assoalhos, bilhar, tanoaria, dormentes, estacas, carpintaria, postes, laminados decorativos, esquadrias, lambris, vigas, caibros, ripas, dormentes, pontes, e outros.

Jacarand-paulista - Madeira pesada, de cor castanha avermelhada escura, aspecto fibroso atenuado, textura grosseira e gr irregular, com gosto indistinto e cheiro agradvel.

Usos: Por ser de aparncia agradvel, e possuir propriedades mecnicas entre alta e mdia, pode ser usada na construo civil pesada externa, na construo civil leve interna e esquadrias. Utilizada ainda como assoalhos domsticos, mobilirio de alta qualidade, laminados e compensados, na fabricao de instrumentos musicais, decorao e adorno.

Ip - Cerne pardo-acastanhado ou pardo-claro, geralmente uniforme, sendo comum apresentar reflexos esverdeados. Superfcie pouco lustrosa, medianamente lisa ao tato; textura de fina a mdia, uniforme; gr direita a reversa, cheiro e gosto imperceptveis.

Usos: A madeira de Ip pode ser utilizada em obras externas tais como postes moires, estacas, esteios, dormentes, cruzetas, estruturas; em construo civil na forma de vigas, caibros, ripas, batentes ou marcos de portas e janelas, caixilhos, tacos, tbuas de assoalho e similares; mobilirio comum, peas torneadas, cabos de ferramentas, carrocerias, construo naval, instrumentos musicais, degraus de escada, bolas de boliche e bocha, e outros.

Muiracatiara A madeira de cerne (mago) avermelhado, demarcado com faixas castanho escuro em sentido vertical, de espaamento varivel, com belas figuras bem distintas. Gr regular, textura mdia, cheiro e gosto imperceptveis. Recebe bom acabamento.

Usos: Construo civil pesada externa; Construo civil leve interna decorativa, tbuas assoalho, taco, mveis , embarcao (quilhas, convs, costado, cavernas); lminas decorativas, cabos de ferramentas, cutelaria, utenslios domsticos, decorao e adorno.

Guariuba - Madeira moderadamente pesada; cerne de cor amarelo intenso passando para um tom castanho queimado com o passar do tempo bem diferenciado do alburno branco palha; recebe bom acabamento; um tanto difcil de desdobrar apresentando uma perda de fio da serra suave a moderada; boa de aplainamento; boa de colagem e fixao de parafuso; boa de processamento.

Usos: Lambris; painis; molduras; mobilirio; embarcaes (cobertura, pisos e forros ); chapas compensadas para partes internas de mveis, armrios; forros; divisrias; cabos de ferramentas ( formo, plainas, martelos, ps, enxadas, etc.); cutelaria; facas; cepos; macetas, etc.

Andiroba - madeira moderadamente pesada; cerne castanho escuro um tanto uniforme; superfcie ligeiramente spera ao tato; gr direita s vezes ondulada; fcil de serrar; boa de colagem; recebe bom acabamento. O leo dessa rvore muito utilizado na medicina alternativa como cicatrizante.

Usos: Mobilirio, ebanisteria; vigas; caibros; ripas; tacos, tbuas de assoalho; tampos de mesa; cobertura, pisos e forros de embarcao; canoa; chapas compensadas para uso no-decorativo como para parte interna de mveis, rmrios, forros e divisrias; tanoaria (barris, pipas, tanques); instrumentos musicais; marchetaria; escultura e entalhe; molduras.

Piquiarana - madeira pesada de cerne amarelo um tanto pardacento, pouco diferenciado do alburno; gr regular; textura mdia; cheiro um tanto acre quando recm cortado; gosto no pronunciado; durabilidade natural baixa.

Usos: Construo civil ( lambris, painis, molduras, vigas, caibros); tacos e tbuas para assoalho; coberturas, pisos e forros de embarcaes; cabos de ferramentas; cutelaria; utenslios domsticos; barris; tonis; cubas.

Freij - Madeira moderadamente pesada; cerne de cor pardo-castanho-claro; superfcie um tanto lustrosa; um tanto spera ao tato; gr direita; textura mdia; cheiro peculiar; sem gosto. Madeira fcil de desdobrar, boa de aplainamento e para colagem; fixao de prego um tanto regular.

Usos: lambris; painis, molduras; cobertura, pisos e forros de embarcaes; chapas compensadas para partes internas de mveis, armrios, forros, divisrias; lminas decorativas para face de compensado.

>Fontes: IPT, Portal Remade e ANPM.