MENU
Adesivo
Agrossilvicultura
Bioenergia
Editorial
Embalagem
Especial Argentina
Evento
Feiras
Habitao
Liderana
Madeira Jatob
Madeira Teca
Mercado - Japo
Mercado Peru
Mveis
Pinus Elliotti
Sustentabilidade
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°86 - DEZEMBRO DE 2004

Evento

Frum discute Cadeia Produtiva da Madeira

Com a presena de autoridades estaduais, regionais e representantes de rgos e entidades do setor, foi realizado, no dia 25 de novembro, o I Seminrio da Cadeia Produtiva da Madeira, uma realizao da Universidade do Planalto Catarinense Uniplac, em Lages, SC. O evento debateu mecanismos para o aperfeioamento da gesto produtiva em toda a cadeia produtiva do setor. Participaram do seminrio mais de 200 representantes do setor madeireiro.

O evento contou com mesas redondas sobre: Poltica e Gesto na Cadeia Produtiva, Mecanismos de Apoio Pesquisa e ao Desenvolvimento Tecnolgico do Setor Florestal e Polticas Pblicas e Privadas e ainda painis sobre Estrutura da Madeira, Mercado e Tendncias e a Gerao de Energia atravs da Biomassa.

Paralelamente ao Seminrio da Cadeia Produtiva foi montado um espao destinado aos patrocinadores e parceiros da Universidade. Nesses stands as empresas estavam expondo produtos de destaque, alm de manter um canal de dilogo com seus clientes.

A Uniplac ministra o curso de Engenharia Industrial Madeireira, um dos quatro do pas. Esse curso, conjuntamente com o Centro de Cincias Exatas e Tecnolgicas da Universidade, tem sido o suporte cientfico para a base florestal da Serra Catarinense, tanto no desenvolvimento de pesquisas de interesse das empresas quanto na formao e qualificao da mo-de-obra necessria para o avano tecnolgico do setor.

De acordo com o coordenador do curso de Engenharia da Madeira, Flvio Jos Simioni, a meta do Seminrio foi oportunizar o debate e disseminao de conhecimentos e tecnologias para toda a cadeia produtiva da madeira. Simioni disse que aps o evento seriam reunidas as entidades relacionadas ao setor para dar encaminhamento s polticas florestais debatidas no evento. O seminrio contribuiu para disseminar tecnologias e pesquisas e promover debates a fim de fortalecer o setor, afirma.

Para o universitrio e participante do Seminrio, Leonardo Buratto, o evento est valorizando o produto madeira como uma das principais atividades da economia regional. "Este encontro muito importante pois contribui para o crescimento regional e fortalece politicamente os segmentos da cadeia produtiva diante das decises dos rgo pblicos", comenta o estudante.

Dentro da programao do evento aconteceu a palestra sobre "Alternativas Bioenergticas", ministrada pelo gerente comercial da Koblitz, Marclio Reinaux. "Depois de extrair as tbuas de madeira para fazer o mvel, o madeireiro pode aproveitar os resduos para outro destino, que a gerao de energia", incentiva.

Segundo Reinaux, a sobra de madeira produzida com o corte de cerca de 40% a 45% do tronco da rvore. At poucos anos atrs, essa biomassa residual era descartada, sem destinao, sendo uma parte queimada ao tempo, emitindo um gs poluente na atmosfera, que o monxido de carbono.

Outra quantia era depositada em alguma rea, se decompondo ao longo dos anos e produzindo de forma espontnea o gs metano, que agrava o efeito estufa.

A tendncia da evoluo do consumo evidencia a exausto da base florestal plantada em 8 anos a partir de 1998. Fica clara a necessidade de retomada do processo de recuperao de florestas plantadas e expanso da rea, assim como a melhoria qualitativa pelo agregado gentico.

O Seminrio da Cadeia Produtiva da Madeira foi palco dessa discusso, que visa ampliar a difuso de conhecimentos e fortalecer a imagem do setor madeireiro.

A regio serrana catarinense vive um novo ciclo de desenvolvimento com base em espcies florestais que necessitam de suporte tcnico, para o qual a Universidade do Planalto Catarinense pretende ser o foco difusor desse conhecimento.

O I Seminrio da Cadeia Produtiva da Madeira foi focado no fomento da gerao e difuso de novas tecnologias do setor. A madeira a principal atividade econmica da Serra Catarinense e a agregao de valor a esse produto pode ser a chave para o desenvolvimento sustentvel, inclusive mantendo o produtor em seu local de origem.