MENU
Bioenergia
Congresso
Madeiras Tropicais
Manejo
Mercado MS
Mercados
Mveis
Resduos
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°85 - NOVEMBRO DE 2004

Manejo

Manejo florestal e silvicultura de preciso na Amaznia

O manejo florestal a principal atividade econmica que possibilita a manuteno da cobertura florestal natural. O estmulo ao manejo e ao interesse pela floresta fator decisivo para formao de barreiras naturais a expanso do desflorestamento e s queimadas, criando novos conceitos de utilizao das florestas naturais.

Apesar dessa necessidade eminente, o manejo da floresta tropical ainda visto com desconfiana, tanto pelos produtores florestais, como por instituies ambientais. Contribui para isso uma srie de fatores, entre outros, as falhas no planejamento e monitoramento do manejo florestal, o qual deve combinar eficincia ecolgica, tcnica e econmica.

O manejo da floresta tropical avanou muito quanto s pesquisas bsicas relacionadas avaliao da regenerao e dinmica da floresta ps-explorao. Nas dcadas de 80 e 90, as pesquisas em manejo florestal foram orientadas para reduzir os impactos da explorao sobre a floresta remanescente e os custos da explorao de impacto reduzido em relao explorao convencional.

Todavia, grandes lacunas no planejamento do manejo das florestas naturais persistem principalmente no que tange extrao. De fato, no desenvolvimento de novas tecnologias, se manifesta a problemtica de converter em termos econmicos, de produo e de comercializao, os conhecimentos adquiridos nas etapas de pesquisa, relacionando-os com os conhecimentos de engenharia j estabelecidos.

Uma das dificuldades para o planejamento florestal a heterogeneidade das florestas tropicais, expressada pela biodiversidade e pela distribuio espacial das espcies. Porm, longe de se constituir em obstculo, a diversidade desejada e pode ser fundamental para superar eventuais oscilaes no mercado de produtos florestais.

Por outro lado, atualmente se dispem de ferramentas matemticas, de planejamento e de pesquisa operacional, que associadas aos Sistemas de Informaes Geogrfica (SIG), possibilitam melhorar o planejamento florestal. Essas ferramentas tm sido usadas eventualmente no planejamento da explorao de florestas plantadas, porm ainda praticamente no foram usadas em florestas naturais.

Com base nessas consideraes vem se propondo o planejamento da explorao das florestas naturais, a partir da definio e do conhecimento da estrutura de stios homogneos, visando maximizar a rentabilidade e minimizar os danos ambientais, sendo denominado de Manejo e Silvicultura de Preciso.

SITUAO ATUAL

As florestas tropicais naturais tm como uma das principais caractersticas a heterogeneidade, que a expresso da ocorrncia de dezenas de espcies da flora, distribudas em microsstios com atributos biofsicos especficos. Apesar de ser uma caracterstica marcante das florestas naturais tropicais, existem fortes evidncias que a heterogeneidade ainda no foi devidamente inserida no planejamento da explorao e dos tratamentos silviculturais.

Em geral, a distribuio da malha viria e dos talhes, segue padres sistemticos desconsiderando aspectos, tais como: relevo, solo, drenagem e estoque de madeira das espcies comerciais. Tambm desconsiderado o ponto de equilbrio entre a distncia das estradas secundrias e a distncia mdia de arraste, segundo o potencial da tipologia florestal.

Observa-se, freqentemente, a abertura de estradas para acessar reas com baixo potencial madeireiro, ptios sobre-dimensionados para estocar essa madeira, assim como o equivocado dimensionamento de talhes que no abastecem a indstria em quantidades e qualidades adequadas. Nesses casos, alm do aumento dos custos de construo e de manuteno de estradas, reas da floresta so danificadas desnecessariamente, alterando sua composio e estrutura e reduzindo o estoque de madeira comercial no prximo ciclo.

Os tratamentos silviculturais, por sua vez, capazes de elevar o incremento mdio anual em volume de madeira comercial e reduzir o ciclo de corte, so praticamente desconsiderados. Assim, o valor potencial da floresta no prximo ciclo, ou seja, aquele que poderia ser obtido devido aos tratamentos, no estimado. A anlise da viabilidade econmica da floresta em diferentes taxas de extrao e ciclos, nem sempre associa os aspectos da composio e estrutura da floresta com os econmicos.

O manejo das florestas tropicais deve ser concebido como um conjunto de atividades que visa maximizar a produtividade dos recursos florestais, enfocando os aspectos ambientais e econmicos agregando produo florestal os fatores sociais.

O manejo de preciso pode ser aplicado s florestas naturais, considerando as caractersticas inerentes a essas florestas que, em geral, apresentam maior biodiversidade e variabilidade espacial e temporal dos fatores de produo, em relao s florestas plantadas.

A distribuio espacial das espcies de rvores e, conseqentemente, da rea basal e do volume, altamente varivel na floresta natural. O uso de ferramentas estatsticas permite determinar e localizar reas com homogeneidade de composio, densidade de rvores, rea basal ou volume de madeira comercial e correlacionar essas variveis com os atributos do solo e da rede de drenagem, definindo classes de stios homogneos (microsstios).

Portanto, a heterogeneidade em cada um desses microsstios definidos menor do que a da floresta como um todo. A adequada definio desses microsstios permite ao planejador, trabalhar com reas de florestas naturais mais homogneas. Ou seja, possibilita o planejamento de uma malha otimizada de estradas e de trilhas de arrastes, o uso de equipamentos mais adequados a determinadas condies ambientais e de estoque de madeira, e a aplicao - ou no - de tratamentos silviculturais especficos para cada microsstio.

A aplicao de tratamentos silviculturais precisos, ou seja, especficos para cada microsstio, possibilita aumentar o incremento mdio anual do volume de madeira comercial e reduzir os custos de explorao florestal e o ciclo de corte e minimizar os danos ambientais, facilitando a certificao da floresta.

O manejo florestal e a silvicultura de preciso seguem os princpios do manejo de baixo impacto, porm, o planejamento mais detalhado das atividades permite uma maior reduo de custos e danos florestais.

O manejo e silvicultura de preciso, aplicado s florestas naturais, consideram as caractersticas biofsicas inerentes a essas florestas que, em geral, apresentam elevada biodiversidade e nveis de variabilidade espacial e temporal dos fatores de produo.

A definio de stios homogneos o ponto-chave do manejo e silvicultura de preciso, permitindo a otimizao da rede de estradas e de carreadores e a aplicao de tratamentos silviculturais precisos, reduzindo os custos de explorao e os danos ambientais, alm de aumentar o incremento mdio anual do estoque de madeira comercial.

O manejo e a silvicultura de preciso permitem aumentar a sustentabilidade do manejo florestal, reduzindo a presso sobre outras reas de floresta ainda primitivas e o deslocamento da infra-estrutura industrial para novos plos florestais na Amaznia.

A tcnica eficiente permite melhorar a qualidade das florestas manejadas, criando novos critrios para a colheita florestal de impacto reduzido, considerando as caractersticas de cada stio na otimizao das atividades e reduo dos danos floresta.



Autor: Carlos Alberto Moraes Passos , Faculdade de Engenharia Florestal - Universidade Federal do Mato Grosso