MENU
Classificao
Conjuntura
Construo
Construo
Densidade
Desdobro
Doenas
Ecossistema
Editorial
Espcies
Incndios
Manejo
Melhoramento gentico
Mercado
Mercado - Brasil
Monitoramento
Nutrio
Nutrientes
Painis
Postes
Pragas
Pragas
Preservao
Produo
Propriedades
Propriedades
Resduos
Resduos
Resinas
Secagem
Silvicultura
Transporte
Viveiro florestal
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°83 - AGOSTO DE 2004

Propriedades

Propriedades da madeira

As propriedades da madeira so condicionadas por sua estrutura anatmica, devendo distinguir-se os valores correspondentes trao dos correspondentes compresso, bem como os valores correspondentes direo paralela s fibras dos correspondentes direo normal s fibras. Devem tambm distinguir-se os valores correspondentes s diferentes classes de umidade, definidas em abaixo. A caracterizao mecnica das madeiras para projeto de estruturas deve seguir alguns mtodos de ensaio.

Define-se o termo prtico "densidade bsica" da madeira como sendo a massa especfica convencional obtida pelo quociente da massa seca pelo volume saturado. A massa seca determinada mantendo-se os corpos de prova em estufa a 103oC at que a massa do corpo de prova permanea constante. O volume saturado determinado em corpos de prova submersos em gua at atingirem peso constante.

A resistncia a aptido da matria suportar tenses. A resistncia determinada convencionalmente pela mxima tenso que pode ser aplicada a corpos-de-prova isentos de defeitos do material considerado, at o aparecimento de fenmenos particulares de comportamento alm dos quais h restrio de emprego do material em elementos estruturais. De modo geral estes fenmenos so os de ruptura ou de deformao especfica excessiva. Os efeitos da durao do carregamento e da umidade do meio ambiente so considerados por meio dos coeficientes de modificao especificados. Os efeitos da durao do carregamento

A rigidez dos materiais medida pelo valor mdio do mdulo de elasticidade, determinado na fase de comportamento elstico-linear. O mdulo de elasticidade na direo paralela s fibras medido no ensaio de compresso paralela s fibras e o mdulo de elasticidade na direo normal s fibras medido no ensaio de compresso normal s fibras.

Para a investigao direta de lotes de madeira serrada considerados homogneos, cada lote no deve ter volume superior a 12 m3 . Do lote a ser investigado deve-se extrair uma amostra, com corpos-de-prova distribudos aleatoriamente ao longo do lote, devendo ser representativa da totalidade do mesmo. Para isso no se devem retirar mais de um corpo-de-prova de uma mesma pea. Os corpos-de-prova devem ser isentos de defeitos e retirados de regies afastadas das extremidades das peas de pelo menos 5 vezes a menor dimenso da seo transversal da pea considerada, mas nunca menor que 30 cm. O nmero mnimo de corpos-de-prova deve atender aos objetivos da caracterizao: (a) caracterizao simplificada: 6 corpos-de-prova; (b) caracterizao mnima da resistncia de espcies pouco conhecidas: 12 corpos-de-prova.





Caracterizao das propriedades das madeiras

Caracterizao completa da resistncia da madeira: (d), (e), (f), (g), (h), (m) e (b);

Caracterizao mnima da resistncia: (d), (e), (h) e (b);

Caracterizao simplificada da resistncia da madeira serrada

Permite-se a caracterizao simplificada das resistncias da madeira de espcies usuais a partir dos ensaios de compresso paralela s fibras.

Caracterizao da rigidez da madeira

Caracterizao completa da resistncia da madeira feita por meio da determinao dos seguintes valores, que devem ser referidos condio padro de umidade (U=12? ):

a) valor mdio do mdulo de elasticidade na compresso paralela s fibras; b) valor mdio do mdulo de elasticidade na compresso normal s fibras.

Caracterizao simplificada da rigidez das madeiras pode ser feita apenas na compresso paralela s fibras, admitindo-se a relao:

Na impossibilidade da realizao do ensaio de compresso simples, permite-se avaliar o mdulo de elasticidade Eco,m por meio de ensaio de flexo , admitindo as seguintes relaes: Para conferas EM = 0,85 Eco e para dicotiledneas EM = 0,90 Eco

a) umidade;

b) densidade;

c) estabilidade dimensional;

d) compresso paralela s fibras;

e) trao paralela s fibras;

f) compresso normal s fibras;

g) trao normal s fibras;

h) cisalhamento;

i) fendilhamento;

j) flexo;

k) dureza;

l) resistncia ao impacto na flexo;

m) embutimento.

n) cisalhamento na lmina de cola;

o) trao normal lmina de cola;

p) resistncia das emendas dentadas e biseladas.