MENU
Classificao
Conjuntura
Construo
Construo
Densidade
Desdobro
Doenas
Ecossistema
Editorial
Espcies
Incndios
Manejo
Melhoramento gentico
Mercado
Mercado - Brasil
Monitoramento
Nutrio
Nutrientes
Painis
Postes
Pragas
Pragas
Preservao
Produo
Propriedades
Propriedades
Resduos
Resduos
Resinas
Secagem
Silvicultura
Transporte
Viveiro florestal
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°83 - AGOSTO DE 2004

Mercado - Brasil

Indstria consumidora de pinus no Brasil

As crescentes restries de carter ambiental ao uso de madeiras nativas tm aumentado a importncia no comrcio internacional das madeiras de reflorestamento, alm de papel e celulose, painis e notadamente produtos de maior valor agregado como mveis e componentes tem crescido de maneira vertiginosa.

O setor de base florestal brasileiro apresentou em 2003 o seu melhor desempenho em termos de comrcio internacional. O volume total exportado que inclui os produtos de madeira slida foi um destes exemplos, alcanando a marca de US$ 2,2 bilhes, sendo que 32% das exportaes foram representadas pela indstria moveleira (mveis de madeira de Pinus e outras madeiras), o compensado com 26%, a madeira serrada representou 13% , molduras 4% e outros produtos de madeira somaram 25% das exportaes. Este quadro resultado de inmeros esforos para o aumento da competitividade dos produtos, entre eles destacam-se a melhoria da qualidade, produtividade e maior agregao de valor ao produto final. Estes aspectos foram e continuaro sendo importantes para a conquista de maior participaes no comrcio mundial de derivados de madeira.

Outro aspecto importante que o perfil da propriedade florestal vem se modificando. Uma nova estruturao da produo florestal vem sendo esboada com uma maior participao de pequenos e mdios investidores, responsveis hoje por cerca de 30% das reas reflorestadas. A reduo da oferta de madeira gerou uma oportunidade para a obteno de ganhos nunca antes praticados. Novos players entraram no mercado, a demanda por madeira de Pinus cresceu a taxas expressivas nos ltimos anos e as florestas receberam uma apreciao que as tornou um ativo atrativo. Os investimentos privado nacional e internacional voltaram e esta a boa notcia para o setor florestal.

No entanto oportuno observar que de um total de US$ 2,5 bilhes que foram alocados fora dos Estados Unidos por instituies financeiras americanas em oportunidades de investimento em florestas plantadas no hemisfrio Sul, o Brasil captou apenas 7%, sendo a Nova Zelndia e Austrlia responsveis por 70%.

Ainda assim, a intensificao dos investimentos em florestas nos ltimos cinco anos veio modificar a distribuio etria dos plantios de pinus no pas e hoje dos 1,8 milhes de hectares plantados, cerca de 26% possuem menos de cinco anos de idade. Alm disso, servios esto sendo agregados s florestas, sendo que 95% do nmero de proprietrios de florestas de pinus nos Estados de So Paulo, Paran, Santa Catarina e Rio Grande do Sul adotaram a prtica da poda com a expectativa de garantir uma rentabilidade maior no futuro.

Os investimentos visando o uso mltiplo das florestas e a expectativa em gerar efeitos que possam alavancar a produo madeireira com resultados significativos, tem levado os produtores a vender madeira em regime sustentado, registrando uma grande diversidade de prticas de manejo. Levantamentos recentes identificaram na regio Sul em torno de 100 diferentes regimes de manejo, considerando-se a variao entre espcies, idade, nmero e peso dos desbastes alm da rotao.

Conseqncia de um maior nmero de investidores envolvidos, o comrcio de madeira evoluiu muito, porm dentre os inmeros desafios do setor, est o fortalecimento de toda a cadeia industrial, desde a produo de madeira serrada at a fabricao final dos produtos. A indstria de base florestal de Pinus avanou de forma expressiva nas ltimas dcadas e hoje sua produtividade, em alguns segmentos, se aproxima dos nveis internacionais, o que possibilitou o grande salto exportador na dcada de 90. Hoje os segmentos de serrados e compensados (produtos de madeira slida), somam 68% da demanda total por madeira rolia de pinus e apesar das grandes variaes regionais, o modelo de organizao industrial caracterizado pela presena de empresas especializadas em determinadas linhas de produtos, deste modo, uma grande parcela da indstria madeireira dedica-se a produzir commodities, produtos padronizados cuja concorrncia se d via preos.

O Brasil possui aproximadamente 1.200 serrarias integradas e no integradas, sendo que a sua maioria (87%), est concentrada em plos industriais ou de grande desenvolvimento florestal na Regio Sul do pas.

O consumo total de madeira de pinus (toras) pelas serrarias chega a 20 milhes de m e a produo em torno de 9,9 milhes de m por ano. Apenas para destacar as serrarias no integradas, ou seja, sem a etapa de beneficiamento, so responsveis por 60% da produo de madeira serrada.

A estrutura de produo de madeira serrada tem forte participao de pequenas unidades, onde em torno de 70% das empresas tem capacidade de produzir at 6 mil m/ano, consideradas indstrias de pequeno porte. As serrarias de grande porte que produzem acima de 36 mil m anuais, representam apenas 2% das unidades.

Dentre os principais destinos da madeira serrada, est o segmento industrial de molduras, que demanda 34% da produo. Esta indstria teve expressivo crescimento nos ltimos 10 anos, aproveitando oportunidades dentro do mercado americano seguindo o mesmo caminho do Chile, Nova Zelndia e recentemente Argentina. Inmeras empresas se lanaram neste mercado, que proporcionou uma utilizao mais nobre madeira de pinus.

Como produtos manufaturados de pinus no Brasil, destaca-se a indstria de mveis. O pas conta com aproximadamente 13.000 indstrias, sendo 74% formada por microempresas distribudos em seis principais centros. Esta indstria responsvel por 24% da demanda de madeira serrada de Pinus no Brasil e o principal destino da produo o mercado externo.

As restries para o crescimento da indstria de base florestal, dada s limitaes na oferta de madeira, tm sido assuntos fartamente discutidos, sendo abordado de diversas formas tanto no campo tcnico como poltico, o inquestionvel fato, que h fortes indcios de perturbaes no abastecimento de madeira futuro. Quanto, quando e como ser percebida, torna este assunto uma oportunidade.







Mrio SantAnna Jr, Teddy A. Rayzel, Mrio C. M Wanzuita - Holtz Consultoria S/C Ltda.