MENU
Biomassa
Construo Civil
Editorial
Incndios
Infraestrutura
Insetos-Pragas
Madeira Tropical
Manejo & Transporte
Mveis & Tecnologia
Preservao
Recursos Humanos
Silvicultura
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°82 - JULHO DE 2004

Silvicultura

Informao ferramenta para alta produtividade

Para a formao de plantaes florestais com alta produtividade importante que sejam integrados ao processo produtivo os conhecimentos tecnolgicos que so gerados por instituies de pesquisas, universidades e especialistas. Aplicar conhecimentos cientficos ao processo de produo exige capacitao profissional, treinamento e informaes. Seguir algumas regras para a seqncia do plantio pode ser decisivo para uma produtividade satisfatria.

A produo de mudas o primeiro passo a ser verificado para uma boa produo florestal. Atualmente, so dois os processos bsicos para produo de mudas de eucalipto: propagao vegetativa (clones); germinao de sementes

As mudas so propagadas de brotaes de clones de eucalipto provenientes de um jardim clonal que se destina exclusivamente produo de brotos para o viveiro. Existe tambm a possibilidade de plantios comerciais fornecerem os brotos para propagao. Estas reas so chamadas comumente de reas de multiplicao clonal.

O enraizamento ocorre em casas de sombra, onde as estacas permanecem por aproximadamente 35 dias. O substrato composto basicamente de casca decomposta de eucalipto e vermiculita. Os materiais utilizados (bandejas, tubetes, e outros) devem ser rigorosamente limpos e esterilizados.

Aps sair da casa de sombra, as mudas permanecem em viveiros onde recebem irrigao diria, para posterior seleo e classificao. Para a produo de mudas por germinao de sementes, indica-se que as sementes utilizadas sejam provenientes de matrizes de boa qualidade, garantindo a qualidade das mudas.

Podem ser utilizados diversos tipos de substrato e para a cobertura dos recipientes, bem como vrios tipos de material como palha de arroz ou vermiculita. Em alguns casos utilizado um sombrite 50% colocado a uma altura de 10 cm do canteiro at que a muda atinja 2 cm de altura.

Aps a semeadura, as mudas devem ser irrigadas abundantemente. Ao atingirem aproximadamente 4 cm, deve-se fazer a repicagem, isto , selecionar por recipiente as mudas mais vigorosas.

A nutrio das mudas pode ser feita a partir do prprio substrato ou em adubaes peridicas, dependendo do substrato utilizado, at que as mudas atinjam aproximadamente 15 cm de altura.

Para a produo de mudas de espcies nativas. A coleta de sementes deve ser feita o ano todo, dada a sazonalidade das diferentes espcies nativas quanto frutificao. As matrizes devem apresentar boa sanidade e vigor.

Aps a coleta, as sementes podem ser beneficiadas (caso necessrio), separando-se dos frutos e fazendo a limpeza dos lotes. Dependendo da espcie, as sementes podem ser imediatamente semeadas ou armazenadas em local apropriado para posterior utilizao.

O substrato o mesmo utilizado na produo de mudas de eucalipto.

O perodo de permanncia das mudas no viveiro pode variar de 3 a 12 meses dependendo da espcie.

Plantios

Aps o processo de produo das mudas preciso preparar o solo para receber o plantio de mudas em reas de reforma (prvia eliminao das cepas rebrotadas, atravs do uso de herbicidas ps-emergentes) ou implantao.

A operao de sulcamento, baseada no conceito de cultivo mnimo, realizada com o objetivo de romper possveis camadas compactadas do solo e facilitar o coveamento e a aplicao de herbicida pr-emergente. Este procedimento garante um rpido pegamento das mudas, maior uniformidade do plantio e o rpido crescimento na fase inicial do plantio.

No coveamento, as covas devem ser feitas, preferencialmente, com 20 cm de largura e 30 cm de profundidade nos espaamentos desejados (mais comumente, 3,0 x 2,0 m).

preciso realizar anlise de solo para recomendao da calagem e fertilizao. A adubao de plantio visa o suprimento de nutrientes na fase inicial de vida da planta, realizada manualmente em mistura na cova de plantio. A adubao em cobertura se aplica apenas em solos de baixssima fertilidade.

Caso no seja realizada a anlise do solo pode-se adicionar terra retirada da cova o adubo simples na dosagem de 120 g por cova. Recomenda-se misturar bem com a terra e voltar novamente para cova de plantio. Aps 40 ou 50 dias do plantio efetua-se a fertilizao de cobertura ao redor da mudas, utilizando 100g do adubo 15-00-15.

Logo aps o plantio, as mudas plantadas so irrigadas. Dependendo das condies climticas ps-plantio, irrigaes complementares so realizadas. O replantio consiste em replantar / irrigar somente reas (talhes) que apresentarem ndices de falhas iguais ou superiores a 10% (clone) e 15% (semente) para espaamentos entre mudas inferiores ou iguais a 9 m por planta. Para espaamentos superiores, considera-se um ndice de falha mximo de 3%, independente do material gentico.

Tratos culturais

muito importante que as mudas plantadas fiquem livres de matos, principalmente no estgio inicial. As principais formas de eliminao do mato so:

Forwarder: equipamento adaptado para aplicao de herbicida, irrigao e combate incndios florestais;

Capina qumica: com aplicao de herbicida;

Pr-plantio: eliminao das ervas infestantes para limpeza da rea de plantio atravs do uso de herbicida ps-emergente liberados para uso florestal, no pr-plantio;

Ps-plantio: intervenes nas reas plantadas para eliminao das ervas infestantes, atravs do controle manual, mecnico ou qumico, ps-plantio.

Combate formiga: o combate consiste na eliminao de formigas cortadeiras atravs da aplicao localizada de isca formicida granulada no formigueiro ativo. O controle feito com produto base de sulfluramida, que um composto qumico de baixa toxicidade, classe IV (faixa verde, pouco txico) e biodegradvel. Repasse a formiga: eliminao das formigas remanescentes do primeiro combate atravs da aplicao localizada de isca formicida granulada no formigueiro ativo.

reas de rebrota: apenas as operaes de roada e reduo de brotao so especficas no preparo da rea para conduo de brotao.

Roada: Consiste na limpeza prvia da rea para facilitar a operao de reduo de brotos.

Reduo de brotaes: Eliminao atravs de foice, machado ou moto-roadeira, do excedente de brotos de eucalipto, deixando um nico broto selecionado por cepa. Operao realizada entre 8 e 12 meses aps o corte, conforme o estgio de desenvolvimento da brotao.

Adubao de Manuteno: realizada aps o primeiro ano de plantio em reas de implantao, reforma, rebrota ou desbaste.

Colheita



A ateno das empresas florestais e consumidores de madeira com relao a colheita florestal sempre foi muito grande por causa da alta representatividade nos custos de produo e elevada demanda de mo de obra. Existem trs sistemas de colheita florestal utilizado no Brasil, o manual, o semi-mecanizado e o mecanizado.

No sistema semi-mecanizado utilizada alguma mquina aliada ao trabalho manual, como, por exemplo, realizar a derrubada e o processamento das rvores em toras utilizando motosserra e proceder o desgalhamento com o uso do machado.

No sistema mecanizado, os feller-bunchers so equipamentos sofisticados (tratores florestais cortadores - acumuladores) que acumulam rvores durante o processo de abate formando pilhas, o que facilita o transporte. Harvesters so mquinas polivalentes auto-propelidas (rodas ou esteira) que so capazes de operarem como cortadoras e processadoras de rvores e tambm cavaqueamento e/ou transporte de madeira.

O baldeio e o arraste pode ser realizada atravs de tratores adaptados (auto-carregveis), ou por mquinas especificas para esta funo com Skidder (Arraste) e o Forwarder (baldeio).

Os Forwarders (tratores florestais auto-carregveis) - oferecem condies ergonmicas favorveis aos operadores, indicado tambm em desbastes iniciais (impacto reduzido em relao as demais tcnicas). Capacidade de formar pilhas com at 4 metros de altura. Diminui manuseio de toras.

Os Skidders - utilizados para a extrao de toras, apareceram em cena durante a dcada de 60, so veculos versteis e fortes, fceis de operar e econmicos. Robustez e facilidade de manuteno os tornam populares nos Estados Unidos, alm de poderem trabalhar com uma larga margem de tamanhos de rvores.

O carregamento dos caminhes pode ser executado com tratores adaptados com grua ou com carregadores especiais para a rea florestal, como por exemplo, os carregadores florestais.

Transporte

No Brasil quase que a totalidade do transporte de cargas efetuado por meio de transporte rodovirio, por isto de grande importncia que os equipamentos utilizados apresentem uma tecnologia compatvel com suas necessidades.

A madeira utilizada pelos consumidores do Brasil so transportadas traadas, em rvores inteiras ou em cavacos. No sistema de madeira traada pode-se transportar a carga longitudinalmente ou transversalmente do caminho, dependendo do comprimento da madeira utilizada. Este sistema mais utilizado nas industrias de papel e celulose, pequenos consumidores de madeira, industria de aglomerado, MDF, chapas de fibra, etc.

J no sistema de rvores inteiras a madeira transportada no sentido longitudinal do caminho e mais utilizado para espcies nativas ou para madeiras exticas com a finalidade de uso em serraria.

Um outro sistema o transporte de madeira em forma de cavacos. Este sistema ainda est em estudos no Brasil devido a utilizao de mquinas picadoras no campo e a mudana total das carrocerias dos caminhes.

Carroceria simples tambm utilizado no Brasil um sistema onde uma s mquina faz as etapas de baldeio, carregamento e transporte de madeira at a fbrica.

Este equipamento fora de estrada chamado de Timber Hauler. O que torna difcil sua utilizao que esta mquina s pode trafegar em estradas particulares devido a no adaptao do Timber Hauler as leis de trfego brasileiras em estradas comuns, como por exemplo a sua largura, peso da composio, e outros.

Ao escolher o local para o plantio e cuidados complementares com as reas de preservao permanente e reas de reserva legal. A valorizao dos recursos hdricos tambm muito importante. A preservao e recuperao de matas ciliares, a utilizao de sistemas operacionais menos impactantes aos solos, a abertura de estradas de acesso com planejamento e as obras de conservao de solos so alguns dos cuidados que valorizam os recursos hdricos das propriedades.



Fontes: IPEF, Brasil Florestal, Randon Carrocerias, Catterpilar e Aracruz.