MENU
Armazenagem
Editorial
Espcies Alternativas
Eucalipto
Lminas
Mercado - EUA
Mercado - Mveis
Mveis e Tecnologia
Organizao
Pisos
Secagem
Silvicultura
Sustentabilidade
Tecnologia
Valor Agregado
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°80 - ABRIL DE 2004

Valor Agregado

Mercado internacional sinaliza evoluo

O mercado mundial de madeira e produtos derivados crescente, conforme mostra o comrcio entre pases exportadores e importadores. O valor das exportaes mundiais de US$ 98 bilhes/ano sendo 15% originrios de pases em desenvolvimento, segundo dados recentes (2004) da FAO.

O crescimento se apresenta tanto em produtos com menos industrializao - madeira serrada, quanto em produtos de maior tecnologia agregada - painis de madeira. Esta tendncia mais evidente nos produtos de maior grau de tecnologia e valor.

Os produtos reprocessados de madeira, que se transformam em produtos acabados ou semi-acabados de maior valor so base de crescimento da produo e exportao, mas a escassez de florestas produtivas dificulta grandes expanses da produo.

O crescimento esperado do mercado s ocorrer com os melhores processos industriais, crescentes nveis de tecnologia, melhor produtividade, qualidade do produto e agregao de valor.

Os principais produtos que servem para agregao de valor, atravs de qualidade e tecnologia, so produtos tradicionais e raramente so vistos como PMVA. Estes produtos apresentam excelente potencial para aprimoramento da qualidade, e por decorrncia, para agregao de valor.Bons exemplos so a madeira slida de espcies nativas e de florestas plantadas para a indstria de mveis e para a construo civil.



Mercado moveleiro



Para garantir a competitividade os mveis seriados devem ter alta velocidade e grande produo. Para manter tal competitividade necessrio: matria-prima de caractersticas uniformes (densidade, cor, colagem, trabalhabilidade, conectores e acabamento).

A variao destas caractersticas afeta os processos industriais, os parmetros de produo, a produtividade e a qualidade do produto final.

Estas caractersticas podem ser encontradas tanto em espcies de madeira tropical nativa, como (com maior freqncia), em pinus e eucalipto.



Madeira Serrada

No Brasil a produo de madeira serrada varia pouco - 19 a 22 milhes m/ano. O consumo de 19,7 milhes m/ano, dos quais 3,5 milhes m (15%) destinam-se a mveis e aproximadamente 1/3 provem de florestas plantadas.

O mercado de 2 milhes m madeira de espcies nativas e 1,2 milhes m de madeira de caractersticas uniformes e mnimos defeitos (principalmente pinus), para a indstria moveleira.

O suprimento de madeiras nativas s depende da disponibilidade ou escassez de espcies e oscilaes de preo. Neste cenrio a introduo de novas espcies garante oferta.



Eucalipto



Estudos elaborados pelo ITTO em 2003 estimam dficit de mais de 27 milhes m em 2020. Neste cenrio, cresce disponibilidade de eucalipto serrado/seco, de boa qualidade e de cor uniforme, a preos competitivos.

A substituio das nativas tradicionais por espcies de reflorestamento j visvel nos principais plos moveleiros, bem como Esprito Santo e Minas Gerais.

Os principais nichos para eucalipto so estruturas de mveis estofados e mveis sbrios e pesados, com solidez e durabilidade. Estes produtos so desenvolvidos principalmente em Ub (MG) e Arapongas (PR).

O eucalipto tambm utilizado para mveis tipo exportao, elaborados com madeira certificada, principalmente nos plos Sul/Sudeste (RS, SC, PR e SP).



Construo



A demanda de madeira para construo aumenta, com a expanso da construo habitacional, inclusive para estruturas, pisos, esquadrias e centros urbanos. O material principal para as paredes internas e externas, em casas pr-fabricadas, padro mdio/alto, litoral/serra, condomnios urbanos/rurais.

A expanso requer matria-prima uniforme, suprimento e baixo custo: madeiras nativas adequadas/abundantes; e de florestas plantadas, homogneas e de rpido crescimento, como eucalipto e pinus.

As madeiras de florestas nativas e plantadas tem sido usadas em edifcios multi-uso, em estruturas leves e painis pr-fabricados, de rpida instalao.Tambm h demanda, neste segmento, para madeiras de maior densidade, bem como para pisos em tbuas de assoalhos, em vrios comprimentos, encaixes macho-fmea 4 lados, tacos, taces, painis e parquetes.

So consumidas espcies nativas com densidade e dureza mdia a alta e usinagem fcil. Ip (Tabebuia spp), cumar (Dipteryx odorata), jatob (Hymenaea sp) so as principais e muiracatiara (Astronium sp), roxinho (Peltogyne spp), amndola (Mimosa scabrela) so alternativas. Para este segmento tambm cresce a aceitao no mercado da espcie Eucalyptus saligna, hbridos E. grandis x urophylla.

Para estruturas so demandadas madeiras com maior ou menor densidade e resistncia mecnica: estruturas de prticos leves, trelias, vigas laminadas coladas, compostas com chapas aglomeradas, compensadas, OSB, componentes estruturais, e outros.





Produo e oportunidades



No Brasil a produo anual de 2,6 milhes m, maior parte para exportao. Cerca de 40% madeira tropical e 60% reflorestamento, principalmente pinus.

As exportaes crescem 16,5% ao ano, desde 1990. Em 2002 o volume exportado foi de 1,8 milhes m, sendo 1,06 milho m de compensado de pinus.

Os principais importadores so Reino Unido, Estados Unidos, Blgica e Alemanha (64% do total), a US$ 150 a 330/m.

Tambm significativa a produo de compensados de madeira nativa, os quais o volume de exportao alcana 700 mil m/ano.Os principais mercados so: EUA + UK (61%), Blgica, Puerto Rico. O consumo nacional de 875 mil m; mveis (45%) e embalagens (17%).O mercado promissor de pinus e lminas de eucalipto comea a mostrar aceitao. A tendncia madeira de pequenas dimenses, sem defeitos.

Outra tendncia o rebeneficiamento da madeira com ajuste de dimenses e eliminao de defeitos, bem como os blocks emendados por finger-joint formando blanks (mais longos).

Os principais usos so molduras, esquadrias, revestimentos, partes e peas de mveis, bricolagem (do-it-yourself).

Madeira serrada e beneficiada o produto que mostra as melhores possibilidades para agregao de valor, em especial queles destinados exportao.So oportunidades e nichos de mercado tanto para madeira nativa quanto de florestas plantadas.



Produtos e valores

Os mercados crescem e h nichos para vrios produtos:

molduras, a US$ 150 - 296/m; painis colados lateralmente (egp)

- eucalipto US$ 510-570/m; pinus US$ 440-480/m;

tbuas para cercas (fence boards) mdia de US$ 175/m (CIF);

decks (cambar) - US$ 640/m; ip - US$ 900/m;

portas (US$ 30/un.), alm de janelas e esquadrias, vigas laminadas e outros.

Os produtos de maior valor agregado so importantes itens da pauta de exportao de pases que dispem de recursos florestais e maior grau de desenvolvimento, como Canad, Estados Unidos, Escandinvia e Nova Zelndia. Tais pases apresentam uma gama de produtos que incorporam distintos nveis de tecnologia e diferentes nveis de valor agregado.

Os produtos incluem: madeira engenheirada para construo (tesouras, vigas laminadas e madeira pr-classificada por resistncia) e remanufaturados; beneficiados e pr-acabados: portas, janelas, torneados; armrios/gabinetes (banho, cozinha, tampos) semi-acabados; mveis: domsticos, comerciais, jardim, institucionais; palets e contineres; e estruturas pr-fabricadas e log homes.

Ao todo, neste segmento, so 741 indstrias (20.190 empregos) faturando US$ 4,68 bilhes (1999/2000); 73% exportaram aos EUA e 43% ao Japo



Cenrio internacional



A Nova Zelndia busca aumentar o volume de madeira processada. Dispe de amplo suprimento de matria-prima, suficiente para aumentar 360% suas exportaes.

A gama atual de produtos da cadeia de valor composta por: madeira serrada, blocos de madeira e postes tratados; chapas de fibras, compensados, laminados e aglomerados; mveis de madeira e partes destes; produtos engenheirados, vigas laminadas e LVL; moldurados com fingerjoint e painis colados lateralmente.

Em cenrio de forte aumento de exportaes a Nova Zelndia prev investimento de NZ$ 6.5 bilhes em novas unidades industriais: 100 serrarias de porte mdio, 90 unidades de remanufatura e 20 plantas de painis derivados.

Em Nova Zelndia o foco em Pinus radiata - base do recurso florestal do pas. O setor busca identificar novos produtos de madeira e suas tecnologias; manter competitividade em custos; e superar barreiras tarifrias/no-tarifrias em novos mercados.

Para o recurso florestal, aprimorar processamento para melhorar produtividade e reduzir custos: guias a laser, escaneamento de toras e softwares (classificao de peas).

Em relao ao P. radiata, so desenvolvidas duas tecnologias especficas: aumento da dureza da madeira, com impregnao de amido e presso nas paredes das clulas: aumenta estabilidade; e o processo greenweld, que permite colar madeira verde, antes da secagem e do processamento.

Nos Estados Unidos o maior mercado de importaes de produtos de mais valor agregado cresceram 175% (moldurados de conferas), 134% (pisos de madeiras duras) e 194% (componentes para construo) em volume, nos ltimos dez anos.

Os PMVA como moldurados representam 11% das exportaes dos pases produtores de madeira tropical e passaram a ser item importante das pautas de pases como Brasil, Indonsia, Malsia, Costa do Marfim e Tailndia, em 2002.

O Mercado europeu restritivo, mas apresenta oportunidades para PMVA, inclusive de espcies menos-conhecidas. Produtos como construo, pisos, partes e peas de mveis, de madeiras alternativas so opes para entrar no mercado externo.

A viso geral dos mercados atuais e potenciais para pmva mostra diversidade e possibilidades de expanso e desdobramento nos mercados, desde que sejam atendidas suas especificaes.

Em rpida anlise, mostra-se que os produtos em variadas formas podem ser bem remunerados, desde que atendam a condio de agregao de tecnologia, qualidade e valor.



Mrcio Nahuz Pesquisados do IPT Instituto de Pesquisas Tecnolgicas - SP