MENU
Benecke - 50 Anos
Construo Civil
Editorial
Gesto - Manejo
Internet
Madeiras
Mercado - Espanha
Mveis e Tecnologia
Portas
Produo
Reflorestamento
Resduos
Silvicultura
Valor Agregado
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°77 - NOVEMBRO DE 2003

Portas

Segmento de portas exportador potencial

Segmento de portas exportador potencial

Do estilo tradicional ao decorativo, o volume de produo de portas prontas fabricadas no Brasil chegou a 6,3 milhes de unidades em 2002. Segundo o vice-presidente de portas da ABIMCI, Antonio Rubens Camilotti, no Brasil h cerca de 2,5 mil empresas fabricantes do produto, que geram 200 mil empregos diretos e indiretos. A grande maioria dos fabricantes (80%) est localizada no Paran e Santa Catarina. Os demais 20% esto distribudos pelos outros estados. Trata-se de um mercado cujo crescimento foi de 77% nos ltimos cinco anos. Em 1997 a produo somou 3,5 milhes de unidades. S as dez maiores representam 50% desse total.

Em razo da falta de uma poltica habitacional no pas o setor tem se voltado para o mercado externo. Atualmente as exportaes representam entre 30% e 35% do total. No mercado interno os consumidores esto divididos entre revendas (50%), construo civil (30%) e montadores (20%).

As portas prontas so bem aceitas no mercado internacional. As exportaes do conjunto folha, batentes e soleiras somaram US$ 132 milhes, no ano passado, 23,3% superiores aos US$ 107 milhes de 2001. Nos ltimos cinco anos, a evoluo foi de pouco mais de 90%.

O segmento de portas tido como um dos mais representativos e competitivos, dentro do segmento de PMVA (Produto com maior valor agregado). Esta constatao do Estudo Setorial 2003, realizado pela Associao Brasileira da Indstria de Madeira processada Mecanicamente. So basicamente trs os tipos de portas oferecidas pelos fabricantes nacionais: portas lisas (ocas), portas slidas e portas engenheiradas, feitas com painis reconstitudos.

Estima-se, segundo dados dos prprios fabricantes, que a capacidade de produo instalada no Brasil seja da ordem de 7 milhes de portas ao ano, distribuda por aproximadamente 2.300 empresas operantes no pas. Destas, cerca de 80% localizam-se no Paran e em Santa Catarina.

Do total das empresas fabricantes, somente 10 produzem mais de 15.000 portas por ms, concentrando cerca de 50% da produo nacional total. Aproximadamente 300 empresas fabricam entre 2.000 e 3.000 unidades/ms, enquanto que as 2.000 empresas restantes produzam menos de 2.000 unidades por ms. A produo estimada de portas em 2002 atingiu a quantidade de 6,3 milhes de unidades.

Estima-se que as exportaes de portas foram de cerca de 1,6 milho de unidades em 2002, ou 26% da produo total. Em termos de valores, as exportaes de portas representaram pouco mais de US$ 130 milhes, durante 2002, segundo os dados do SECEX. Um crescimento de 20% com relao a 2001.

Padronizao

Com o objetivo de evitar desperdcios e agilizar a produo de portas, o segmento est propondo uma padronizao nacional de suas medidas. O Brasil possui tamanho diferenciado em suas vrias regies. No Sul e no Sudeste o kit-porta tem 2,10m de altura; 0,60m, 0,70m e 0,80m de largura e 35 mm de espessura, enquanto no nordeste a espessura muda para 30mm mantendo-se as larguras. H ainda algumas medidas, como 0,62m, 0,72m e 0,82m de largura e 35mm de espessura, praticadas somente na Grande So Paulo e parte da baixada santista. Isso no apenas dificulta e acrescenta custos na fabricao como tambm onera os custos de aplicao, tanto em tempo, como no desperdcio de material, explica Camilotti. Como exemplo, em um edifcio de 10 andares, com quatro apartamentos por andar, nas 40 unidades devero ser utilizados 10 kits porta por moradia, incluindo entrada social, sala, trs dormitrios, 2 banheiros, cozinha, rea de servio.

Nesse caso, esclarece o empresrio, a inexistncia de padronizao, provocar desperdcio de mo de obra em material e nas vrias semanas de ajustes dos kits. Com a padronizao, o resultado ser exatamente o inverso. Mais rapidez com menor custo.

A proposta do segmento, que emprega madeira extrada de floresta plantada como matria-prima, uniformizar as medidas em 2,10m de altura; 0,60m, 0,70m e 0,80m de largura; e 35 mm de espessura, permitindo a instalao nos vos, previamente preparados, de forma simples, veloz e mais barata. A tendncia no momento a melhor utilizao dos recursos com reduo no volume de madeiras nativas e aplicao de outros de material reflorestado, destaca Camilotti.

Alm da padronizao das medidas, outra iniciativa importante, segundo o vice-presidente de portas da ABIMCI, a unificao dos termos de garantia, com o objetivo de proporcionar tranqilidade ao comprador e ao montador. Estamos estudando os pontos comuns dos atuais termos, aliando os aspectos do cdigo do consumidor e as experincias vivenciadas, tendo como base as normas tcnicas da ABNT, observa.

A expectativa para o setor de portas de madeira ampliar seus mercados,

interno e externo, projetando um crescimento de 3% na produo de 2003. Continuaremos buscando a definio de uma poltica habitacional por parte do governo. Algo que determine e especifique para curto, mdio e longo prazos, o que ser feito, principalmente quanto ao dficit habitacional, concluiu Camilotti.

A ABIMCI, representa as empresas que atuam no processamento da

madeira em diversos segmentos e participam com cerca de 1,5% do PIB, pouco mais de US$ 7,5 bilhes, com uma arrecadao em tributos superior a US$ 2 bilhes.

No ano passado, o volume de negcios do setor somou US$ 8 bilhes. O nmero de empregos foi de 3 milhes de pessoas (direta e indiretamente),. Em 2002 o setor exportou US$ 1,78 bilho

Qualidade

O PNQM-Portas - Programa Nacional de Qualidade da Madeira -Portas um novo segmento do Programa Nacional da Qualidade da Madeira.

O Programa de certificao consiste em 3 fases.

A primeira fase a de Reviso de Normas e tem por objetivo revisar as Normas Brasileiras (ABNT), levando-se em considerao, principalmente, as caractersticas dimensionais e de desempenho. Essa reviso tambm contempla a harmonizao das Normas Brasileiras com as Normas Internacionais, tais como ISO e EN, entre outras.

A segunda fase a do diagnstico da situao atual onde so desenvolvidas as seguintes atividades: definio dos produtos a serem considerados na certificao; visitas tcnicas aos produtores envolvidos, com o objetivo de diagnosticar os parmetros utilizados pelos produtores para o controle do processo de produo; contatos com consumidores, agentes, fornecedores de insumos, entidades de pesquisa, laboratrio e academia, com o objetivo de colher subsdios para a definio de parmetros e melhoria da qualidade geral do produto; proposio e discusso com as partes envolvidas, de parmetros para o controle do processo de produo e caractersticas fsicas e mecnicas do produto final; e aprovao dos parmetros e demais caractersticas do produto junto ao Conselho Nacional da Qualidade da Madeira CNQM.

Na terceira fase ser feita a implantao do PNQM, o desenvolvimento da preparao dos documentos de qualidade (procedimentos e instrues de trabalho, entre outros) e as visitas tcnicas aos produtores participantes do Programa. O encerramento da terceira fase est previsto para o final do ms de fevereiro de 2004. Durante a ltima fase sero realizadas, quando solicitadas as Auditorias de Certificao das empresas e a insero do PNQM-Portas no PBQP-H Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat. O objetivo geral do PBQP-H apoiar o esforo brasileiro de modernidade pela promoo da qualidade e produtividade do setor da construo habitacional, com vistas a aumentar a competitividade de bens e servios por ele produzidos, estimulando projetos que melhorem a qualidade do setor.

Aps as trs fases ser dada continuidade ao programa atravs da reviso de parmetros adotados pelo programa, testes peridicos em laboratrio e assistncia tcnica a novos participantes.

Constantemente novas tecnologias e novos insumos, principalmente resinas, so aplicadas ao processo de produo de portas. previsto o desenvolvimento de atividades de avaliao e testes dos novos produtos, bem como a proposio de adequaes dos parmetros adotados pelo PNQM-Portas, para o processo de produo, com o objetivo de melhorar a qualidade do produto final e a produtividade dos fabricantes.

Tambm est prevista a execuo de testes peridicos em laboratrio para o monitoramento das caractersticas fsicas e mecnicas das portas e avaliao dos indicadores de conformidade.

As atividades de Assistncia Tcnica a novas empresas participantes do Programa, incluem orientao e treinamento na implantao dos parmetros e procedimentos adotados pelo PNQM-Portas; avaliao dos processos de produo; coleta de amostras para testes em laboratrio e acompanhamento dos testes e anlise dos resultados obtidos.