MENU
Apicultura
Caractersticas
Carvo Vegetal
Construo Civil
Desdobro
Dormentes
Espcies
Madeira Slida
Manejo
Melhoramento
Melhoramento Gentico
Mercado
Mveis
Ns
leos Essenciais
Pesquisa
Postes
Pragas
Projeto Genoma
Propriedades
Qualidade
Secagem
Silvicultura
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°75 - AGOSTO DE 2003

Secagem

Secagem da Madeira de Eucalipto

Somente o desconhecimento das caractersticas da madeira pode justificar o uso da madeira verde, principalmente nos usos mais nobres, tais como mveis, esquadrias, assoalhos, instrumentos musicais, telhados, carrocerias de caminho e inmeros outros produtos nos quais a madeira deve ser usinada, colada, pregada, ou parafusada, receber acabamento superficial e manter a estabilidade dimensional. Alm de se agregar valor ao produto final, inmeras so as vantagens de se trabalhar com a madeira seca: a) substancial reduo de peso, facilitando o manuseio e reduzindo os custos de transporte; b) aumento na resistncia natural ao apodrecimento e ao ataque de insetos; c) melhoria de algumas propriedades mecnicas da madeira, como dureza, resistncia compresso e flexo; d) aumento da resistncia das ligaes pregadas, parafusadas e coladas; e) aumento da resistncia eltrica da madeira, melhorando suas propriedades de isolamento trmico e acstico; f) melhoria da usinagem da madeira, principalmente torneamento, molduramento, furao e lixamento; g) ausncia de deformaes, empenamentos e rachaduras da madeira, com a maior estabilidade dimensional; h) possibilidade de acabamentos superficiais, como verniz, pintura e laca; i) possibilidade de tratamento preservativo.

Toda rvore em crescimento contm grande quantidade de gua, comumente chamada de seiva que pode variar de 30 at 200%, dependendo da espcie e da posio na rvore. O alburno, geralmente a parte mais clara da madeira e localizada prxima casca, apresenta um teor de umidade mais alto que o cerne, porm, mais baixo do que o da medula; existe, tambm, uma tendncia da madeira localizada no topo e na base apresentarem um teor de umidade superior parte mediana da rvore; em geral, o teor de umidade se apresenta inversamente correlacionado com a densidade. Em algumas espcies de eucalipto, a variao de umidade pode alcanar desde valores muito elevados prximos da medula (80 a 160%) at valores entre 40 a 60% nas partes mais perifricas de um mesmo tronco. Um estudo com sete espcies de eucalipto, com quinze anos de idade, verificou que as madeiras de Eucalyptus citriodora e E. paniculata no apresentavam uma variao de umidade maior do que 20%, enquanto que as madeiras de Eucalyptus grandis e E. urophylla apresentaram uma variao superior a 80%. Devido aos elevados gradientes de umidade no interior da madeira de eucalipto, alm da prpria constituio anatmica, que dificulta muito a sada da umidade de suas partes internas, todo o gnero pode ser considerado de difcil secagem. Devido ocorrncia de pontuaes de pequeno dimetro, h uma dificuldade ou impedimento do deslocamento de gua, atravs da capilaridade ou na forma lquida no interior da madeira. A permeabilidade da madeira de eucalipto se torna ainda mais difcil devido presena de tiloses que obstruem severamente o interior dos elementos vasculares.

Como conseqncia da dificuldade de movimentao de gua na forma lquida no interior da madeira, as espcies de eucalipto so propcias ao colapso que comea a ocorrer imediatamente aps o abate; geralmente o colapso considerado, ao lado das tenses de crescimento, um dos maiores defeitos da madeira, resultando numa superfcie grosseira e desigual, ou ainda, em empenamentos e fendilhamentos, tanto de topo como de superfcie. O colapso provocado por diferenas de permeabilidade entre os anis da madeira, onde faixas menos permeveis e saturadas perdem umidade dos lmens das clulas. Estas sofrem diminuio de presso interna em virtude da capilaridade, quando ultrapassada a resistncia das paredes celulares. O colapso um fator limitante no uso da madeira de eucalipto e as espcies com essa tendncia apresentam menor rendimento e exigem programas de secagem mais elaborados quando a madeira seca em estufa. Os defeitos que aparecem so uma conseqncia da diferena que ocorre na contrao entre os planos radial e tangencial das peas. Quanto maior a diferena de retratibilidade entre os planos tangencial e radial, ou seja , a relao T/ R ou fator anisotrpico, maiores sero os problemas decorrentes da secagem de uma determinada madeira. As espcies de eucalipto que apresentam maior tendncia ao colapso so aquelas de mdia densidade, enquanto que as espcies de alta e baixa densidade apresentam pouca tendncia ao colapso. As tenses surgidas durante a secagem so acentuadas nas madeiras de curta durao, rpido crescimento e pequenas dimenses.

As rachaduras originrias das tenses de crescimento j presentes em peas serradas se estendem muito pouco durante a secagem. Na madeira de Eucalyptus grandis, verifica-se que o refilamento das bordas em peas serradas antes da secagem, retirando-se o alburno, produz peas mais estveis, com pouca possibilidade de posterior ocorrncia de trincas e empenamentos. Quanto mais densa e espessa a pea de madeira serrada, mais lenta e cuidadosa deve ser a secagem. A secagem da madeira de Eucalyptus grandis acarreta poucos problemas quando corretamente executada, sofrendo pouca desclassificao por trincas de superfcie, colapso e empenamento

Para se atingir a umidade final de equilbrio, em torno de 10 a 12%, a secagem em estufa necessita de 18 a 21 dias, mas para madeira de baixa densidade e madeira juvenil esse tempo em estufa pode ser reduzido para 10 dias. Na secagem ao ar livre, o tempo de secagem para peas de 25mm de espessura nunca inferior a 4 meses. O tempo mdio de secagem de madeira recm-cortada em estufa convencional de 30 dias, mas esse tempo pode ser reduzido com a realizao de uma pr-secagem ao ar por 60 a 90 dias. As peas de madeira que sero submetidas secagem devem ser classificadas, quanto s suas dimenses e qualidade, procurando-se homogeneizar ao mximo a carga da estufa. A madeira de eucalipto, em geral, deve ser seca em condies suaves de temperatura e umidade relativa do ar, a fim de proporcionar uma secagem mais lenta e com a menor quantidade de defeitos possveis.

Cuidados especiais devem ser tomados na fase inicial da secagem da madeira de eucalipto e que, no somente os programas, mas tambm que o secador esteja operando sem criar zonas diferenciadas em seu interior. aconselhvel a utilizao da pr-secagem ao ar ou pr-secadores; quando houver viabilidade econmica do processo, recomenda-se a utilizao de desumidificadores. Para tornar a secagem menos drstica e amenizar os possveis defeitos decorrentes da secagem da madeira de eucalipto se deve utilizar uma combinao de temperaturas baixas e umidades relativas altas dentro dos secadores, envolvendo um longo tempo de secagem. H necessidade de se empregar baixas temperaturas nos primeiros estgios da secagem, devido aos riscos de se remover muito rapidamente a gua capilar em altas temperaturas, resultando em colapso. Executar um programa de secagem com sucesso envolve a compreenso dos fenmenos relacionados com a movimentao da gua no interior das madeira. Pesquisadores da Universidade Federal do Paran desenvolveram um programa de secagem (verde at 7%) especial para Eucalyptus grandis e obtiveram bons resultados(poucos defeitos e aproveitamento de 94% das tbuas. quando realizaram uma vaporizao inicial com o objetivo de aumentar a velocidade de secagem de peas de 30mm de espessura, envolvendo um perodo de 26 dias..

H a importncia de programas individuais de secagem para eucaliptos que crescem em diferentes localidades. Os especialistas do setor recomendam a pr-umidificao, o controle rigoroso da baixa temperatura durante a secagem e o recondicionamento em cmara separada.; recomendam, ainda, a combinao dos mtodos de secagem natural( pr-secagem) e a secagem em estufa.



Jos de Castro Silva

Professor UFV/DEF/CEDAF

Agosto/2003