MENU
Apicultura
Caractersticas
Carvo Vegetal
Construo Civil
Desdobro
Dormentes
Espcies
Madeira Slida
Manejo
Melhoramento
Melhoramento Gentico
Mercado
Mveis
Ns
leos Essenciais
Pesquisa
Postes
Pragas
Projeto Genoma
Propriedades
Qualidade
Secagem
Silvicultura
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°75 - AGOSTO DE 2003

Propriedades

Os conceitos de qualidade e de uso mltiplo para a madeira de eucalipto

Anatomicamente, a madeira o xilema da rvore. Ela o produto do cmbio e consiste de clulas ou elementos que passaram por vrias fases de desenvolvimento, envolvendo a diviso celular, diferenciao e maturao para formar a madeira. Durante o processo de formao, numerosos fatores de ordem interna e externa da rvore levam variao do tipo, nmero, tamanho, forma, estrutura fsica e composio qumica dos elementos da madeira. Com base nesses conceitos, a qualidade da madeira uma classificao arbitrria dessas variaes nos elementos da madeira, quando eles so contados, medidos, pesados , analisados e avaliados para algum objetivo especfico. A formao da madeira um processo biolgico que ocorre dentro da rvore viva, enquanto qualidade da madeira uma avaliao arbitrria de uma pea isolada de madeira, uma parte da rvore ou um derivado de madeira; consequentemente, a qualidade da madeira somente pode ser alterada atravs do processo de formao da madeira. At certo ponto, pode-se modificar, controlar, minimizar ou melhorar os fatores relacionados qualidade da madeira, atravs de tratos silviculturais e pela seleo e melhoramento gentico.

Somente com o conhecimento das caractersticas e da variabilidade da madeira possvel a elaborao de classes de utilizao confiveis. Dentre os principais fatores que afetam as caractersticas da madeira pode-se citar o stio (ambiente onde crescem as rvores), operaes silviculturais (espaamento, fertilizao, desbaste, desrama), melhoramento gentico, agentes biolgicos, explorao, converso, mtodos adequados de processamento, dentre outros. A madeira s poder ser usada, de maneira eficiente e efetiva, com o conhecimento de seus atributos e caractersticas. A qualidade da madeira se refere sua capacidade para preencher os requisitos necessrios para a fabricao de um produto, ou ainda, a combinao das caractersticas fsicas, qumicas e anatmicas de uma rvore ou de suas partes que permitam a melhor utilizao da madeira para um determinado uso. A seleo apropriada de uma certa madeira, para atender a um certo uso, requer, antes de mais nada, um conhecimento dos requisitos desse uso. Por outro lado, usar a madeira corretamente significa que se encontraram nela as caractersticas que um certo produto requer.

H uma imperiosa necessidade de esforos, cada vez maiores, dos pesquisadores, no sentido de adequao de tecnologia de processamento s espcies j introduzidas e, tambm, criterioso estudo de seleo de espcies e melhoramento gentico, visando obteno de material adequado s novas exigncias para o gnero, no mercado nacional e para o atendimento ao mercado externo.

A importncia relativa dos atributos da qualidade da madeira para a fabricao de mveis depende de trs importantes atributos: a ausncia de defeitos, integridade estrutural e a confiabilidade.

As principais caractersticas e propriedades da madeira so:

a )Propriedades mecnicas

Resistncia ao choque

Rigidez

Elasticidade

Resistncia flexo dinmica

Resistncia flexo esttica

Resistncia trao

Resistncia compresso

Dureza

Relao resistncia/ peso

Resistncia ao cisalhamento

Dimenso do material( algumas propriedades se alteram com o aumento do tamanho da pea).



b) Propriedades fsicas no- mecnicas

Estabilidade

Resistncia a rachaduras

Desgaste suave e homogneo

Flexibilidade

spring-back

Resistncia abraso

Corroso de metais

Taxa de isolamento

Absoro de gua

Condutividade eltrica

Conduo de radiao

Expanso trmica

Resistncia ao fogo

Resistncia a lcalis

Resistncia a cidos

Permeabilidade gua

Permeabilidade a vapores

Permeabilidade a leos

Durabilidade resistncia ao apodrecimento

Durabilidade resistncia ao ataque de insetos

Durabilidade resistncia ao ataque de perfuradores marinhos

Delaminao separao dos anis

Contrao radial

Contrao longitudinal

Contrao volumtrica

Energia trmica por unidade de madeira

Quantidade de empenamento, toro etc.

Capacidade de segurar parafusos

Capacidade de segurar pregos



c)Propriedades sensoriais

Aparncia

Cor

Brilho

Sabor

Odor

Ressonncia

Absoro de som

Resistncia a mudanas na colorao

Sensibilidade trmica( resposta da pele ao material)



d) Propriedades relacionadas ao formato da rvore e converso da madeira

Formato da rvore ou do material lenhoso

Tamanho da rvore ou do material lenhoso

Uniformidade da rvore ou das toras

Facilidade de descascamento

Facilidade de desdobro em serrarrias

Facilidade de laminao

Facilidade de secagem

Facilidade de usinagem

Facilidade de aceitar pregos

Facilidade de fletir

Facilidade de colar

Facilidade de branquear

Ausncia de rachaduras

Uso Mltiplo

O uso mltiplo de um determinado bem pode ser explicado segundo duas teorias: a) teoria da igual oportunidade para a utilizao dos recursos, onde nenhum bem tem prioridade sobre outro; b) teoria do uso dominante, onde os usos florestais so competitivos, de modo a maximizar os benefcios, requerendo a separao desses usos no espao e no tempo. O termo uso mltiplo de florestas teve a sua origem e formao nos pases desenvolvidos, mas o conceito utilizado no mundo inteiro, atualmente. O planejamento da aplicao do uso mltiplo em florestas tem sido praticado inconscientemente ao se manejar as florestas , sob os critrios de rendimento sustentado. Em termos gerais, o uso mltiplo entendido como a possibilidade de se poder destinar madeira mais de uma aplicao ou dela se poder obter mais de um produto. A multiplicidade ou versatilidade de uso pode ser determinada atravs do conhecimento das caractersticas da floresta e da madeira propriamente dita, suas relaes entre si, suas influncias sobre as condies do processo e as correlaes com as propriedades dos produtos a serem obtidos.

Em geral, as empresas de reflorestamento realizam seus empreendimentos com objetivos industriais muito bem definidos. Ao se realizar o plantio, j se define o destino do material a ser produzido. Muitas vezes, no entanto, as condies econmico-financeiras, crises setoriais ou excesso de oferta prevalescentes na poca de explorao da floresta foram a busca de mercados intermedirios e usos alternativos para a madeira produzida. O grande estoque de madeira de eucalipto, atualmente disponvel, com idades e dimetros maiores, remanescente desses plantios antigos, cuja utilizao final (serraria e laminao) bem diferente daquela proposta no incio.

A grande maioria das florestas com eucaliptos no Brasil manejada para produo de rotaes curtas (sete a oito anos), para a produo de celulose, carvo vegetal e painis. Tais florestas so implantadas, na sua maioria, levando em considerao apenas a produo de biomassa e o rendimento volumtrico. Sempre que se verificam as possibilidades de usos para a madeira deve-se eleger algumas especificaes gerais. Se a madeira se destinar serraria, as toras devem ser retilneas, grande dimetro, isenta de ns e bifurcaes, idade superior a 15 anos; se a madeira se destinar laminao, as toras devem ser retilneas, grande dimetro, isenta de ns e idade superior a quinze anos; se a madeira se destinar a postes, as toras devem ser retilneas, grande dimetro, isenta de ns e idade superior a quinze anos, pouca conicidade, reduzida incidncia de gr espiralada. Conclui-se que existem diferentes espcies para um mesmo uso e diferentes usos para a mesma espcie; a grande tarefa identificar a melhor vocao e o melhor uso. A agregao de valor implica na melhor utilizao da madeira.

Vrias so as razes para que o eucalipto possa ser indicado como alternativa de oferta de madeira para inmeros usos. Apesar de a maior parte de suas florestas estar comprometida com a produo de madeira para os denominados usos tradicionais: celulose, papel, chapa de fibras, carvo vegetal e lenha, espera-se que uma parcela possa ser destinada a outras aplicaes madeireiras. O potencial do eucalipto, em relao ao nmero de espcies, proporciona tambm um importante leque de alternativas para a obteno de madeiras com diferentes caractersticas tecnolgicas. Por certo, sero encontradas espcies que substituiro, com vantagens, as madeiras anualmente em uso.

Agosto/2003