MENU
Apicultura
Caractersticas
Carvo Vegetal
Construo Civil
Desdobro
Dormentes
Espcies
Madeira Slida
Manejo
Melhoramento
Melhoramento Gentico
Mercado
Mveis
Ns
leos Essenciais
Pesquisa
Postes
Pragas
Projeto Genoma
Propriedades
Qualidade
Secagem
Silvicultura
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°75 - AGOSTO DE 2003

Mveis

Sinal verde para mveis de eucalipto

Em cinco dcadas, a populao mundial pular de 6 para 9,5 bilhes de habitantes e o consumo de madeira subir quase na mesma proporo do crescimento populacional. O consumo mdio mundial de 0,67 m3 / ano/ pessoa e as estimativas mais recentes do conta que as taxas de consumo esto crescendo de 1,2 a 3,4% ao ano. Se tais estimativas estiverem corretas, o consumo mundial em 2010 dever ser da ordem de 5,9 bilhes de m3; analogicamente, possvel considerar que isto significa uma disponibilidade de 590 milhes de hectares de florestas plantadas, a uma taxa de crescimento de 10 m3 / ha / ano. O consumo mdio individual brasileiro de 0,83 m3 /ano, a uma taxa de consumo de 3% e um crescimento setorial variando entre 6 a 8%. inquestionvel o potencial que o Brasil detm para atender demanda do mercado mundial, pois os seus 2,5 milhes de hectares de florestas plantadas representam menos de 0,5% da rea demandada.

Devido s crescentes restries ambientais ao uso de madeiras nativas, novas madeiras comeam a penetrar no mercado mundial, como a madeira de pinus, que j substituiu a araucria; a madeira de eucalipto que j utilizada em vrios pases, como a Austrlia, Nova Zelndia, Brasil e Argentina; e a seringueira que j utilizada na Malsia, Indonsia, Filipinas e Ceilo, todas utilizadas na fabricao de mveis. Com as modernas tcnicas de acabamento, novas matrias-primas vm sendo utilizadas, fazendo com que certos impedimentos para o uso de madeiras menos nobres fossem sendo contornados.

consensual que, nas ltimas dcadas, a matriz produtiva brasileira de produtos slidos da madeira tenha apresentado uma substancial transformao. cada vez maior a tendncia dos centros consumidores do sul do Pas se abastecerem de madeira serrada e de outros produtos slidos, com matria-prima oriunda de reflorestamentos localizados na prpria regio, em funo dos problemas de falta de acesso, de infra-estrutura e dos altos custos de transporte enfrentados pelos madeireiros do norte do Pas, bem como a cobrana e a vigilncia dos organismos internacionais pela questo ambiental . Com isso, a madeira proveniente de florestas nativas est sendo gradativamente substituda por produtos reconstitudos ou oriundos de florestas plantadas de rpido crescimento. As espcies usadas em reflorestamento apresentam alta produtividade, reduo da idade de corte, segurana de abastecimento, homogeneidade de matria-prima, custo competitivo da madeira, alm da possibilidade de mltiplos usos da floresta e seus produtos. O futuro da indstria de mveis reside no uso crescente das madeiras de reflorestamento, ou seja, a antiga vantagem comparativa representada pelas florestas naturais torna-se cada vez mais ineficaz, num mundo extremamente preocupado com as questes ambientais.. Nesse ponto, a indstria brasileira de mveis possui um potencial muito grande de elevar a sua competitividade em relao aos principais pases exportadores, em funo da oferta bastante elstica de madeira de reflorestamento, principalmente pinus e eucalipto, levando-se em conta as excepcionais condies de clima e solo que permitem um crescimento muito mais rpido destas espcies do que nos pases europeus.

O setor industrial de base florestal tem sido marcado por um processo de utilizao crescente de madeiras provenientes de reflorestamento, colocando o Brasil em sintonia com a ordem mundial, que enfatiza a preservao das florestas naturais e incentiva a implantao de florestas renovveis. O eucalipto se apresenta como grande alternativa para a produo de madeira nos prximos anos e a indstria j aposta na sua disponibilidade para os futuros suprimentos de matria-prima. O descompasso crescente entre oferta e demanda de madeira nos mercados interno e externo tendero a favorecer o quadro de substituio das madeiras nativas pela madeira de eucalipto.

As potencialidades do eucalipto como fornecedor de matria-prima de qualidade para os diversos usos industriais j se encontram demonstradas, estando razoavelmente definidos os parmetros de qualidade da madeira a serem exigidos para tais explicaes. As perspectivas de utilizao intensiva da madeira de eucalipto so muito promissoras e tm por base o conhecimento j acumulado sobre a silvicultura e o manejo de vrias espcies do gnero, sua maleabilidade e respostas ao melhoramento gentico, que o tornam aplicvel em um grande espectro de usos.

A indstria moveleira e de construo civil esto avaliando seriamente a possibilidade de utilizao intensiva da madeira de eucalipto nos seus produtos e alguns resultados tm-se mostrado bastante satisfatrios. O tratamento adequado sua madeira o grande segredo de sua versatilidade, comprovando que vrios de seus problemas podem ser contornados com a utilizao correta de equipamentos e procedimentos. Por certo, h uma necessidade de esforos cada vez maiores no sentido de adequao de tecnologias de processamento e utilizao das espcies j conhecidas.

Ao se pensar na utilizao da madeira para fins mais nobres, como a produo de mveis e o seu uso em decoraes e construo civil, torna-se necessrio aprimorar, ainda mais, as caractersticas de ordem silvicultural e incorpor-las a vrios outros programas de melhoramento gentico e de manejo e de conduo da floresta, como o desbaste e a desrama, alm de avaliar outros aspectos especiais da madeira, como a ausncia de ns e outros defeitos superficiais, os nveis de tenses de crescimento, de madeira juvenil, de estabilidade dimensional, a resistncia mecnica, a trabalhabilidade, os desenhos e a colorao. Tratamentos especiais devero ser dispensados madeira nas fases de processamento primrio (desdobro e secagem), bem como nas fases de usinagem e acabamento. O grande segredo da tamanha versatilidade da madeira de eucalipto exatamente o tratamento especial a ela dispensado.

A crescente preocupao com os aspectos ambientais tem afetado os mercados em todo o mundo, principalmente os mercados dos pases mais desenvolvidos. O rpido desdobramento dos fatos tem gerado preocupaes nas relaes entre os pases, especialmente quanto possibilidade de uso dos argumentos de proteo ao meio ambiente, como barreira no tarifria, limitando o acesso ao mercado internacional, o que seria altamente restritivo aos pases menos desenvolvidos. Como resultado dessa presso internacional, vrios pases vm desenvolvendo e implantando sistemas de verificao de qualidade ambiental dos produtos colocados no mercado, sistemas estes chamados genericamente de selos verdes . A anlise de um produto para o recebimento do selo verde considera o levantamento global do impacto do mesmo em todo o seu ciclo de vida, includas a produo, distribuio, uso e descarte. A conscientizao da sociedade a frmula adotada nos pases desenvolvidos, particularmente atravs das presses de organizaes no-governamentais, para pressionar por produtos ambientalmente corretos e atitudes que assegurem o desenvolvimento sustentado. um processo demorado, mas eficiente, que dever envolver todo o planeta. A conscientizao do consumidor brasileiro quanto ao uso de produtos ambientalmente corretos poder exigir um tempo relativamente maior, mas, com certeza, ela vir com o tempo.

O Brasil vem, gradualmente, tornando-se um grande exportador de mveis, componentes e outros produtos de maior valor agregado. O empresrio de produtos florestais est mais consciente da necessidade de adotar solues que levem perpetuao da atividade e isto considera a sustentabilidade da atividade florestal. As empresas vm criando condies para a adoo do manejo sustentado e as novas florestas que esto sendo implantadas esto seguindo normas que compatibilizam normas de conservao e preservao, alm de garantir a viabilidade econmica do empreendimento.

No restam dvidas de que as restries ambientais tambm trazem novas oportunidades. Com o crescimento do comrcio internacional, cada vez mais o mercado nacional sofrer reflexos de parmetros estabelecidos pelo mercado global. Entre as matrias-primas ascendentes, cujos efeitos j esto sendo sentidos no mercado, encontra-se a madeira de eucalipto e existem vrias iniciativas para tornar a madeira de eucalipto a substituta das madeiras tropicais. O Chile, j exporta a madeira de Eucalyptus globulus na forma de lminas faqueadas e produtos acabados a preos equivalentes aos da madeira tropical.

O Brasil considerado o pas que detm as tecnologias mais avanadas no desenvolvimento de floresta de eucalipto e as plantaes mineiras ocupam mais da metade de todo o reflorestamento nacional com esta madeira.

Prof. Jos de Castro Silva

Departamento de Engenharia Florestal

Universidade Federal de Viosa