MENU
Especial China
Eucalipto
Financiamento
Mercado - Mxico
Molduras
Mveis e Tecnolgoia
No-Madeirveis
Novas Espcies
Queimadas
Resduos
Transporte
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°69 - FEVEREIRO DE 2003

Queimadas

Incndios causam US$ 5 bilhes em prejuzo

Os incndios acidentais na Amaznia consomem de 0,2% a 9,3% do Produto Interno Bruto (PIB) da regio, ou algo entre US$ 107 milhes e US$ 5 bilhes. Esse o custo de pastos e cercas destrudas, madeira desperdiada, CO lanado na atmosfera e internaes por doenas respiratrias. >

O Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada e o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amaznia realizaram um estudo que acabou chegando ao clculo de prejuzos causados na Amaznia com os incndios acidentais. Para Daniel Nepstad, 44, eclogo americano que liderou a pesquisa no Ipam, a estranheza provocada pela diferena entre 0,2% e 9,3% do PIB deve ser entendida no contexto. Nepstad esclarece que essa distncia decorre tambm, em grande parte, da variao interanual nas condies da floresta. Em anos de El Nio (anormalidade na temperatura do Pacfico que afeta o clima global e causa secas na Amaznia), por exemplo, queima-se uma rea muito maior da floresta amaznica, e o intervalo se estreita.

O relatrio Ipea/Ipam no considerou queimadas intencionais, como as usadas para abrir reas de floresta para agropecuria, ou para limpar pastos. Nesses casos, o fogo considerado um benefcio, por paradoxal que parea. S foi computado como dano econmico o fogo acidental, aquele que atinge reas de pastagens e trechos de floresta que o agricultor no queria queimar (cerca de 45% do total danificado).Quando isso ocorre, perdem-se tanto benfeitorias (como cercas) quanto madeiras nobres na parte florestada da propriedade.

Usaram-se para o clculo valores como US$ 5 de madeiras comerciais por hectare de mata (ou 10 mil m), o que totaliza US$ 13 milhes em anos de El Nio, quando o fogo engole em mdia 26 mil km de florestas (sem contar o incndio de Roraima em 1998).

Para cercas, foram estimados US$ 1.400/km. O custo do pasto queimado acidentalmente foi calculado pelo preo de aluguel de pastagens, que vai de R$ 37/ha (TO) a R$ 89/ha (AM).

Incndios e queimadas da Amaznia tambm causam 2,5% das emisses mundiais de CO2, contribuio considervel para o efeito estufa (aquecimento da atmosfera global). Se o Brasil reduzi-las, poderia tentar vend-las no mercado internacional de emisses que est surgindo. O estudo calcula que o preo ficar entre US$ 3,50 e US$ 20 por tonelada.

O estudo foi realizado em aproximadamente dois anos pelo Ipam, em parceria com o Instituto de Pesquisa Econmica Aplicada (Ipea), instituio ligada ao governo federal, e o WHRC - Woods Hole Research Center, dos Estados Unidos. A novidade do relatrio, est no fato das anlises dos incndios terem sido feitas por meio de sobrevos de avio, entrevistas detalhadas com 202 proprietrios rurais e imagens de satlites. Normalmente, as emisses de carbono so medidas somente pela observao das reas desmatadas. Os desmatamentos na regio Amaznica so responsveis em mdia pela emisso de 200 milhes de toneladas de carbono por ano, segundo a pesquisa.

A dependncia do uso do fogo no sistema agrcola da Amaznia tem causado perdas econmicas desnecessrias regio. Por isso, uma das opes de cultivo que j est sendo implementada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuria (Embrapa) o plantio direto, prtica que usa a mecanizao para o preparo do solo, desenvolvida especialmente para a rea, muito propensa eroso. A tcnica impede que o solo fique totalmente descoberto e a lavoura cultivada entre fileiras de capim.

Segundo informaes do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amaznia (Ipam) est sendo negociada uma opo para liberar crdito a esse produtor. A iniciativa do Ipam em conjunto com a Federao dos Trabalhadores da Agricultura da Amaznia (Fetagri). A linha de crdito estar disponvel por meio do Banco da Amaznia (Basa), com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) e de outras instituies financeiras.

Prejuzos



Entre 1996 e 1999, as perdas mdias de pastagens e cercas com os incndios foram de US$ 54 milhes por ano, enquanto as de madeira foram de US$ 7 milhes. Na propriedade, essas perdas significaram, no perodo, 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) da Amaznia e 0,6% do PIB da produo agropecuria regional por ano. As doenas respiratrias provocaram em mdia perdas de US$ 6 milhes anuais, causando de quatro mil a 13 mil internaes por ano, considerada apenas a rede pblica de sade.



No total, a mdia das perdas anuais provocadas por incndios - emisso de carbono, perda de pastagens e de cercas e doenas , ocorridos na regio Amaznica, nos ltimos quatro anos, somam US$ 102 milhes a US$ 5 bilhes. O que representa entre 0,2% e 9,3% do PIB da Amaznia ou de 2% a 7,9% do PIB agropecurio da regio.



Os danos provocados pelo fogo, tais como, a perda da biodiversidade nas florestas que sofrem incndio, impactos nos rios e igaraps, eroso do solo e os danos causados pela exportao de fumaa para outras regies no foram possveis de ser contabilizados. O maior prejuzo vem mesmo das emisses de CO, por representarem danos economia global.



Em 1998, as emisses de carbono, significaram um prejuzo econmico para o Brasil de US$ 4,7 bilhes, em mdia, conforme mostra a pesquisa. Em 1995, o valor perdido com as emisses foi de US$ 290 milhes em mdia. As comparaes seguem tendo como referncia o fenmeno El Nio.

Os incndios florestais na Amaznia esto entre os maiores responsveis pela emisso de carbono na atmosfera (o outro o desmatamento), alm de causarem prejuzos financeiros de porte. O estudo estima que os incndios na floresta Amaznica ocorridos em 1998, ano do fenmeno El Nio, lanaram no ar cerca de 250 milhes de toneladas de carbono, em mdia. O que significa o mnimo de 36 milhes de toneladas e o mximo de 472 milhes de toneladas. Em 1995, ano em que no houve o El Nio, foram liberadas em mdia 16 milhes de toneladas de carbono - mnimo de trs milhes e mximo de 29 milhes de toneladas. Na avaliao no est includa a liberao de carbono pelo desmatamento ou corte raso de florestas.



O El Nio uma conseqncia da mudana climtica global que torna o clima mais seco, propiciando a propagao mais rpida do fogo nas matas. O fogo usado pelos agricultores na Amaznia para converter a mata derrubada em cinza, a fim de preparar a terra para o plantio e combater as plantas invasoras de pastagens.

O relatrio aponta tambm que a rea de incndio florestal, em 1998, chegou a cerca de 30 mil km ou quase duas vezes a rea desmatada anualmente na regio Amaznica. Essa avaliao no incluiu o grande incndio de Roraima, que aconteceu nesse mesmo ano, onde 13 mil km de floresta foram incendiados.

A pesquisa ajustou o foco nas propriedades agrcolas, onde as perdas mais significativas so causadas pelo fogo que atinge as reas vizinhas, quase sempre florestadas. Entre essas perdas, contabilizou os prejuzos associados com a queima acidental de pastagens - que implica no arrendamento de outras pastagens at que o pasto se recupere , de cercas e de floresta ou perda de madeira comercivel.