MENU
Apicultura
Artigo
Caractersticas
Carvo Vegetal
Celulose
Construo Civil
Editorial
Espcies
Eucalipto
Eucaliptocultura
Gesto
Madeira Serrada
Manejo
Meio Ambiente
Mveis
Ns
Nmeros
leos Essenciais
Origens
Pesquisa
Postes
Preservao
Qualidade
Retratibilidade
Secagem
Tratos Silviculturais
Uso Mltiplo
Valorizao
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°59 - SETEMBRO DE 2001

Eucaliptocultura

A Eucaliptocultura no Contexto Brasileiro

A palavra evoluo est associada com ganho de rendimentos e de qualidade na busca contnua de reduo de custos, como foi o caso brasileiro de produo de Eucalyptus sp., desde sua introduo como silvicultura intensiva, por Edmundo Navarro de Andrade, em 1904, propiciando condies para desenvolvimento de pesquisas buscando ganhos significativos na produtividade dessa cultura atravs do melhoramento gentico.

No Brasil, a silvicultura clonal e a adoo de tcnicas silviculturais mais intensivas (preparo do solo, fertilizao adequada, combate a pragas e doenas, etc.) aliada reintroduo de novos materiais genticos resultaram em ganhos considerveis de produo. Outra estratgia que alcanou ganhos considerveis foi atravs da cultura de tecidos, maximizando os ganhos em uma nica gerao, mantendo caractersticas favorveis, evitando a variabilidade encontrada em rvores obtidas a partir de sementes. As florestas, assim implantadas, iro originar rvores com melhor forma, maior rendimento por unidade de rea, e, se sua madeira for convenientemente estudada, maior produo de madeira com as melhores qualidades s finalidades que se destina.

Os conhecimentos desenvolvidos para o estabelecimento de monocultura contribuiu para implantao de programas de incentivos fiscais, atravs da aplicao da Lei Federal 5106, de 02 de setembro de 1966 e Decreto Lei 1.134 que se refere a reposio florestal, os quais dispe sobre incentivos concedidos aos empreendimentos florestais, ampliando as reas plantadas por particulares. A partir da dcada de 70, se iniciou o processo de vericalizao, atravs da entrada macia de particulares na produo de madeira para fabricao de celulose e papel.

Essa silvicultura intensiva evoluiu a eucaliptocultura e elevou o pas a uma condio de maior produtor mundial de celulose de fibra curta (eucalipto), representando cerca de 50% da produo mundial; o stimo produtor de celulose (fibra curta e fibra longa);. E o 11 produtor mundial de papel. Alm disso sitaua-se entre os trs maiores exportadores de papis para impresso e escrever, e ainda o quarto maior fornecedor de papel para embalagem (kraftliner).

A eucaliptocultura a alternativa altamente promissora no que se refere ao uso da madeira, por apresentar caractersticas de madeira nobre, custo reduzido e versatilidade, alm de colaborar com a reduo da devastao de madeiras nativas nobres. No entanto h necessidade cumprir com os critrios ecolgicos estabelecidos pelo selo ISO 14001 e FSC, que ser obrigatrio em todos os mercados.

Silvicultura intensiva

Tem seu incio em 1876 na frica do Sul, segundo ZOBEL et alli (1987). No Brasil, ela nasce com os trabalhos pioneiros de Edmundo Navarro de Andrade e Cia. Paulista de Estradas de Ferro a partir de 1904.

Seus princpios so simples e de ampla aplicao, procura a mxima utilizao dos recursos, sua filosofia bsica a produo da maior quantidade de madeira, por unidade de rea, menor perodo de tempo, da forma mais econmica possvel, e com qualidades mais adequadas ao seu uso final, estabelece que as rvores podem e devem ser cultivadas como qualquer cultura anual, visando sempre a produo de madeira, selecionando as populaes para produo de sementes (procedncias das sementes), estabelecendo reas de coleta e produo de sementes, selecionando e testando geneticamente rvores superiores fenotipicamente, estabelecendo pomares para produo de sementes e produzindo as mudas intensivamente em viveiros especficos. Deste modo a Silvicultura Intensiva rompe com os mtodos de regenerao natural, prepara o solo, estabelece plantaes sob espaamentos predeterminados, visando melhor controlar a competio natural entre rvores. Tratos culturais so necessrios para que a plantao estabelecida tenha sucesso, a adubao adotada, o combate s pragas e doenas e a proteo florestal so imprescindveis. Qualquer prtica operacional que aumente a produtividade e a economicidade das plantaes adotada. Os ciclos soa curtos e a produtividade alta quando comparada com a Silvicultura Tradicional (5-10 m/h/ano na Silvicultura Tradicional e 30-60 m/h/ano na Silvicultura Intensiva).

A no disponibilidade de reas com solos de boas qualidades para o reflorestamento que sejam prximas aos grandes centros de consumo da madeira, a existncia de solos marginais com vocao ao florestamento e reflorestamento, os custos de implantao, manejo, manuteno, colheita e transporte de madeira, aliados a necessidade da mecanizao das operaes tornam imperativa a maior produo de madeira por unidade de rea, atravs de melhoria de mtodos de colheita e transporte, utilizao intensiva dos produtos florestais e implantao de florestas mais produtivas, partindo-se de sementes ou propgulos geneticamente melhorados, associada a arao, adubao e completada pelo controle de pragas e doenas o eucalipto grande versatilidade em relao aos produtos a obter, anteriormente se plantava somente para se obter matria prima para polpa e papel, ou energia, hoje utilizado nos mais diversos usos, tais como: chapa de partculas, madeira serrada, laminao e faqueado, alm de seu uso tradicional em papel celulose e energia.



Fatores que afetam a produtividade de mquinas florestais durante a colheita de madeira

A produtividade de mquinas florestais sofrem influncias tanto de fatores externos inerentes as operaes florestais que afetam o desempenho das mquinas, como tambm devido ao maquinrio utilizado. Com relao as variveis passveis de mensurao e que interferem na produtividade de mquinas pode se considerar: a declividade do terreno, espcie a ser utilizada, o dimetro da base, o dimetro dos galhos, a altura e o volume individual das rvores, o volume por ha, espaamento adotado, tipo de interveno que ir ocorrer, tipo de rebrota, a necessidade de sortimento, a concentrao de madeira, a qualidade da atividade anterior, a densidade e qualidade da malha viria, a altura de tocos aps a operao de corte, a distncia mdia de extrao, dimenses e qualidade do estaleiro, comprimento da madeira, tipo de solo teor de umidade, o tempo da madeira no campo, poca do ano, a qualidade do planejamento das operaes, pluvisiosidade, composio do sub-bosque, alinhamento e os danos em florestas remanescentes.

A produo florestal ainda pode sofrer interferncia de variveis imprevistas como: chuvas fortes e repentinas, que associado a outras variveis como tipo de solo pode inviabilizar o trfego em algumas condies esse tipo de varivel que independe de planejamento a prtica e criatividade aliada ao bom censo so ferramentas fundamentais.

O que se refere ao maquinrio utilizado, as variveis operacionais que podem afetar a produtividade so: o estado dos elementos de desgaste, a qualidade das peas para reposio, o estado de pneus e esteiras, treinamento e reciclagem dos operadores, tipo de jornada de trabalho, dependncia de outros equipamentos e sistema de manejo adotado.

Ainda no que se refere a maquinrio utilizado devemos considerar dois componentes: a mquina base e o implemento de operao. A mquina base, composta basicamente pelos seguintes componentes: um motor, um sistema de misso de fora um sistema de trao, um sistema de articulao, material rodante, um sistema hidrulico, freios e comandos, eixos e um sistema eltrico, alm de contar ainda com itens relacionados com ergonomia, segurana, visibilidade, iluminao, acesso aos pontos de manuteno, dimenses e peso. O implemento de operao corresponde a parte da mquina que efetivamente realiza a operao, no caso de colheita de madeira, os implementos mais comumente utilizados so: cabeote de harvester e sistemas informatizados de mensurao e sortimento, cabeotes de feller em sabre, disco ou faca, slingshot, garras de skidder, carretas autocarregveis e forwarder, gruas e garras, rotares, guinchos, delimbers, grades desgalhadoras, slashers, garras traadoras, motosserras, etc.



Espectativa de povoamentos futuros de eucalipto

A complexidade envolvida no processo da produo florestal associado a evoluo do mercado de celulose e pasta a partir de fibras curtas, considerando que as fbricas produtoras de celulose de eucalipto se expandiram em ritmo mais acelerado do que as outras fibras, e sua participao em relao a capacidade instalada, evoluiu de 83%, em 1990 para 95% em 1999, principalmente durante a fase da colheita de madeira, que pode representar at 70% dos custos da madeira posto fbrica exige um planejamento considerando todas as variveis envolvidas no processo, que podem onerar os custos de produo.

O fator mais importante a considerar neste contexto, a manuteno da capacidade produtiva do ambiente, pois a sustentabilidade da produo se dar pela seqncia de rotaes ou seja, as tcnicas a adotar devem levar em considerao sempre a colheita da madeira com suas particularidades e as novas implantaes. A homogeinizao dos povoamentos de eucalipto em relao ao dimetro e volume individual, tornam possveis planejar e controlar operaes de colheita de forma mais regular e com grande chance de poucos desvios em relao ao esperado.

Este fato ocorrer cada vez em maior escala, devido principalmente a adoo de povoamentos clonais, que possibilitaram desenvolver o que pode se definir como Florestas de Preciso, onde no se plantar mais rea e sim volume ou toneladas por hectare/ano.



Malinovski, J.R

Camargo, C.M.S.

Departamento de Cincias Florestais U F P