MENU
Apicultura
Artigo
Caractersticas
Carvo Vegetal
Celulose
Construo Civil
Editorial
Espcies
Eucalipto
Eucaliptocultura
Gesto
Madeira Serrada
Manejo
Meio Ambiente
Mveis
Ns
Nmeros
leos Essenciais
Origens
Pesquisa
Postes
Preservao
Qualidade
Retratibilidade
Secagem
Tratos Silviculturais
Uso Mltiplo
Valorizao
E mais...
Anunciantes
 
 
 

REVISTA DA MADEIRA - EDIÇÃO N°59 - SETEMBRO DE 2001

Eucalipto

A Madeira de Eucalipto

O setor industrial de base florestal tem sido marcado por um processo de utilizao crescente de madeiras provenientes de reflorestamento, colocando o Brasil em sintonia com a ordem mundial, que enfatiza a preservao das florestas naturais e incentiva a implantao de florestas renovveis. O eucalipto se apresenta como grande alternativa para a produo de madeira nos prximos anos e a indstria j aposta na sua disponibilidade para os futuros suprimentos de matria-prima. O descompasso crescente entre oferta e demanda de madeira nos mercados interno e externo tendero a favorecer o quadro de substituio das madeiras nativas pela madeira de eucalipto.

As potencialidades do eucalipto como fornecedor de matria-prima de qualidade para os diversos usos industriais j se encontram demonstradas, estando razoavelmente definidos os parmetros de qualidade da madeira a serem exigidos para tais explicaes. As perspectivas de utilizao intensiva da madeira de eucalipto so muito promissoras e tm por base o conhecimento j acumulado sobre a silvicultura e o manejo de vrias espcies do gnero, sua maleabilidade e respostas ao melhoramento gentico, que o tornam aplicvel em um grande espectro de usos.

A indstria moveleira e de construo civil esto avaliando seriamente a possibilidade de utilizao intensiva da madeira de eucalipto nos seus produtos e alguns resultados tm-se mostrado bastante satisfatrios. O tratamento adequado sua madeira o grande segredo de sua versatilidade, comprovando que vrios de seus problemas podem ser contornados com a utilizao correta de equipamentos e procedimentos. Por certo, h uma necessidade de esforos cada vez maiores no sentido de adequao de tecnologias de processamento e utilizao das espcies j introduzidas, bem como

Utilizao

Ao se pensar na utilizao da madeira para fins mais nobres, como a produo de mveis e o seu uso em decoraes e construo civil, torna-se necessrio aprimorar, ainda mais, as caractersticas de ordem silvicultural j mencionadas e incorpor-las a vrios outros programas de melhoramento gentico e de manejo e de conduo da floresta, como o desbaste e a desrama, alm de avaliar outros aspectos da especiais da madeira, como a ausncia de ns e outros defeitos superficiais, os nveis de tenses de crescimento, de madeira juvenil, de estabilidade dimensional, a resistncia mecnica, a trabalhabilidade, os desenhos e a colorao. Tratamentos especiais devem ser dispensados madeira nas fases de processamento primrio( desdobro e secagem), bem como nas fases de usinagem e acabamento. O grande segredo da tamanha versatilidade da madeira de eucalipto exatamente o tratamento especial a ela dispensado.

At o presente momento, a grande experincia silvicultural brasileira se resume na produo de florestas jovens, de ciclo curto e de rpido crescimento. O resultado de qualquer anlise sobre outras aplicaes da madeira de eucalipto no Brasil( serraria, movelaria, marcenaria, lminas, compensados e construo civil) demonstra que as experincias so muito pequenas. Toda a madeira de eucalipto atualmente disponvel foi projetada para a utilizao na produo dos usos anteriormente mencionados, e, ainda, no se tem a madeira ideal para a indstria moveleira. Em vista da falta de controle da matria-prima e dos parmetros dependentes do processamento, as experincias na rea de serraria e marcenaria tm-se mostrado muito restritas, quanto possibilidade de suas extrapolaes. Esse quadro tem grandes possibilidade de reverso na medida em que se romperem alguns preconceitos e se aprofundarem os estudos sobre as inmeras alternativas de uso mltiplo, principalmente na indstria moveleira, construo civil e de embalagens.

Dificuldades

No obstante o substancial avano tecnolgico observado nos ltimos anos, quando se pensa na utilizao da madeira para fins mais nobres, o setor vem enfrentando dificuldades em todos os segmentos dessa atividade. Para esses fins, carece de uma melhor adaptao da tecnologia de produo( melhoramento gentico e prticas silviculturais adequadas), passando pela tecnologia de processamento( tcnicas de abate, de desdobro e de secagem) at atingir a fase de utilizao( acabamento e design) e, alm disso, enfrenta problemas de comercializao e aproveitamento de seus subprodutos.

A indstria moveleira est reavaliando as possibilidades de uso da madeira de eucalipto como sua matria-prima bsica. A reduzida participao no mercado creditada baixa disponibilidade de material de qualidade no mercado e, principalmente, desinformao e ao preconceito sobre o comportamento da madeira nos produtos acabados H uma crena arraigada de que a madeira de eucalipto racha demasiadamente e se deforma, inviabilizando o uso da pea acabada. Tal crena se deve, em parte, presena de certas caractersticas desfavorveis, como elevada retratibilidade, propenso ao colapso e presena de tenses de crescimento que levam a rachaduras e empenamentos. bem verdade que quase toda a madeira at ento utilizada para os usos nobres foi proveniente de plantios voltados para a produo de celulose e carvo, privada dos cuidados especiais anteriormente mencionados. Em que pesem, ainda, as limitaes, no h dvidas de que, dentre as hipteses de outras aplicaes para a madeira de eucalipto no Brasil, a sua utilizao na indstria moveleira e na construo civil o que se encontra mais evidenciada e de melhores perspectivas. O quadro atual tem grandes possibilidades de reverso, na medida em que se romperem alguns preconceitos e se aprofundarem os estudos sobre os gargalos tecnolgicos j mencionados.

As florestas renovveis, desenvolvidas com tecnologias apropriadas, sero altamente vantajosas para se aumentar a produtividade e competitividade, criando oportunidades para a gerao de empregos e de receita, alm de criao de oportunidades para um desenvolvimento sustentvel.

Setembro/2002